13 tipos de cruzes cristãs antigas

Hoje, todo cristão usa uma cruz. Não é apenas um sinal, que demonstra nossa fé e religião, mas é o símbolo da vitória de Deus sobre o mal e a morte. A cruz nos lembra do sacrifício que Deus fez pela nossa salvação. Por isso, nós preparamos este artigo com  muitas outras variações da cruz conhecidas em nossa Tradição. Vamos agora ver parte delas.
1. Hieróglifo egípcio Ankh
Desde os primeiros séculos do cristianismo, as pessoas usaram o hieróglifo egípcio ankh como um símbolo da cruz, porque tinha a forma semelhante. O significado de ankh é vida. “Eu sou a ressurreição e a vida” (João 11,25).
2. Cruz ancorada
Na Epístola aos Hebreus, o Apóstolo Paulo diz: “Por este ato duplamente irrevogável, pelo qual o próprio Deus se proibia de desdizer-se, encontramos motivo de profunda consolação, nós que pusemos nossa perspectiva em alcançar a esperança proposta. Esperança esta que seguramos qual âncora de nossa alma, firme e sólida, e que penetra até além do véu, no santuário” (Hebreus 6, 18-19). Essa âncora da esperança é a cruz.
Como a âncora parece uma cruz, tornou-se o símbolo da esperança para a salvação e a vida eterna. De acordo com o livro Símbolos Cristãos de Alexey Uvarov, um famoso arqueólogo, em algumas antigas cavernas romanas, as pessoas encontravam placas sem inscrições, mas com os sinais de uma âncora.
3. Cruz “Videira”
Como Cristo disse: “Eu sou a verdadeira videira, e meu Pai é o agricultor” (João 15, 1). O principal valor da videira é sua conexão com a Santa Comunhão.
4. Cruz Tau
No Império Romano, os fora-da-lei foram executados em cruzes especiais “egípcias”. Aquelas cruzes pareciam a letra “T”. O Santo Profeta Ezequiel teve uma visão em que o Anjo de Deus marcou o povo de Jerusalém com a letra “Tau”, a fim de protegê-los do perigo (Ezequiel, 9, 4). Segundo a tradição, Santo Antão, o Grande, usava uma cruz Tau em suas vestes.
5. Monograma “O Cajado de Cristo”
Nas catacumbas romanas, os arqueólogos encontraram algumas imagens: o cajado de um pastor que cruza a letra “X”, que é a primeira letra do nome de Cristo em grego, de modo que juntos formam o monograma do Salvador, Cristo Pastor.
6. Cruz com meia lua
No livro do Apocalipse, é dito: “E apareceu uma grande maravilha no céu; uma mulher vestida de sol com a lua sob seus pés ”(Apocalipse 12, 1). Os Santos Padres dizem que neste caso a lua simboliza o batistério, no qual a Igreja é batizada. Outro significado da meia lua é o berço em Belém, o cálice com o Corpo de Cristo. Simboliza também a nave da Igreja guiada por Cristo e a âncora da esperança oferecida por Cristo.
7. Cruz trevolada
Trata-se de uma cruz com as extremidades em forma de um trevo.
8. Cruz com pétalas
Na arte visual da Igreja, muitas vezes podemos encontrar as cruzes com pétalas. Por exemplo, podemos ver uma cruz sobre o omofório de São Gregório Taumaturgo, retratada nos mosaicos da Catedral de Santa Sofia, em Kyiv (Capital da Ucrânia).
9. Cruz com gotas
As quatro gotas nas bordas da cruz simbolizam as gotas do sangue de Cristo, que salpicaram a cruz durante a crucificação.
10. Cruz de Santo André, Apóstolo
Desde o século II a letra grega “X” foi usada em diferentes monogramas. Não só porque foi a primeira letra do nome de Cristo, mas também porque o apóstolo André terminou a sua vida em tal cruz. É por isso que foi chamado a cruz de Santo André.
11. Cruz potençada
Este tipo de cruz é amplamente usado em decorações de igreja, artigos litúrgicos e em paramentos do clero – especialmente nos omofórios dos três Santos Hierarcas (São Basílio Magno, São Gregório Nazianzeno e São João Crisóstomo).
12. Cruz grega
Segundo a tradição, o Santo Príncipe Volodêmer foi batizado na cidade de Quérson. Ele trouxe uma cruz de lá e colocou na margem do rio Dnipró em Kyiv, Capital da Ucrânia. A cruz é mantida hoje Catedral de Santa Sofia em Kyiv. Foi esculpida na placa de mármore do túmulo do príncipe Yaroslav, filho de São Volodêmer.
Muitas vezes essa cruz é pintada dentro de um círculo, que simboliza o significado universal de Cristo.
13. Chi Rho –  O Cristograma 
No livro A vida de São Constantino, Eusébio de Cesareia, um famoso historiador da Igreja, descreveu um sonho em que o rei São Constantino havia visto: o sinal no céu. Então, Cristo apareceu a ele e ordenou que fizesse o mesmo sinal e o usasse para proteger seu povo dos inimigos. Constantino obedeceu e fez um padrão conforme a descrição da cisão de Eusébio de Cesareia. Mais tarde, o rei usou o monograma em seu capacete.
Autor: Kuznetsov V.P.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *