sobre a fasbam

A FASBAM – Faculdade São Basílio Magno é uma tradicional instituição de ensino superior do Brasil e de confissão católica. O seu marco inicial foi o ensino dos Cursos Livres de Filosofia e Teologia em 24 de junho de 1969, sob o nome de STUDIUM OSBM.

Entre 1969 e 1989, o Curso de Filosofia era ministrado exclusivamente para os estudantes da Ordem de São Basílio Magno (OSBM). Posteriormente, o Curso de Filosofia passou a ser ministrado para diversas instituições religiosas.

Em 2011, a FASBAM foi credenciada pelo Ministério da Educação (MEC) por meio da Portaria n° 345, de 06 de abril, e o Curso de Filosofia foi autorizado. No dia 14 de abril de 2015, através da portaria nº 298, ordem nº 4, o curso de Filosofia foi reconhecido.

MISSÃO

Promover a formação integral do ser humano, orientada pela visão de mundo cristã inspirada na solicitude social de São Basílio Magno, na área educacional, contribuindo para o desenvolvimento cultural regional.

VISÃO

Tornar-se referência de qualidade acadêmica especializada na área das Ciências Humanas como uma das melhores instituições de ensino superior no Paraná.

VIRTUDES E VALORES

Tendo em vista a formação integral da pessoa humana, a FASBAM pauta-se pelas virtudes extraídas dos ensinamentos de nosso Santo Padre Basílio Magno.

Fraternidade: Na Regra Mais Longa, já na Questão 7, São Basílio faz um longo comentário sobre a importância da fraternidade, e ele enfatiza: “Não poderemos, vivendo separados, alegrar-nos com quem é glorificado, nem sofrer com quem sofre, não nos sendo possível, como se vê, conhecer as condições do próximo”.

Respeito e urbanidade: Para São Basílio, respeito, urbanidade e amor ao próximo são indissociáveis uns dos outros. Na Regra Mais Longa, Questão 3, ele evoca o próprio Evangelho segundo João, ao dizer: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vós amardes uns aos outros” (Jo 13,35).

Diálogo: O diálogo é tanto mais importante quanto ele age como um critério para conhecermos as nossas próprias resistências. Diz São Basílio: “Como se exercitará na paciência, se ninguém se opõe às suas vontades?” (Regra Mais Longa, Questão 7).

Disciplina: Para São Basílio, a disciplina é o remédio contra a divagação ou a distração. Neste sentido, ele está na tradição platônico-aristotélica, que privilegia os fins. Admoesta, com efeito, o educador: “Não pode alguém dedicar-se a uma ciência ou arte, transitando sempre de uma a outra, e nem mesmo adquirir o conhecimento de uma delas, se ignorar os meios de alcançar sua finalidade” (Regra Mais Longa, Questão 5).

Sabedoria: A sabedoria é para São Basílio a virtude por excelência. Ela tem a sua fonte em Deus e se manifesta, de maneira privilegiada, na obra da criação. Aqui, passa-se da não-existência à existência, do não-ser ao ser. Exclama Basílio na Homilia 7 do Hexaemeron: “Eu mesmo contemplei essas maravilhas e admirei a sabedoria de Deus em todas as coisas”.

Discernimento: O discernimento é uma das expressões da prudência, ou da sabedoria, que deve levar em consideração a palavra do outro. São Basílio se serve aqui da metáfora das doenças do corpo, e de seu diagnóstico, para concluir: “Assim, nas doenças da alma, isto é, nos pecados, embora alguém inconsciente do pecado não se censure, deve antes acreditar nos que podem ver melhor o que se passa” (As Regras Menos Extensas, Interrogação 301). 

Honestidade: Com relação à honestidade, São Basílio evoca a autoridade do Livro dos Provérbios, que exorta: “Melhor é a correção manifesta do que uma amizade escondida” (Pr 27,5). E, aqui, ele se vale mais uma vez de uma metáfora médica, ao afirmar: “O mal encoberto pelo silêncio é uma doença mal cicatrizada na alma” (Regra Mais Longa, Questão 46).

Prudência: Para São Basílio, a virtude da prudência, ou da sabedoria, se vincula essencialmente ao discernimento, ao autocontrole, à justiça e à capacidade de valorar. Assim: “A prudência brota da contemplação da esfera das coisas boas e más, o autocontrole se exprime na contemplação das coisas que devem ser escolhidas ou evitadas, a justiça se manifesta na contemplação do que deve ser atribuído ou não atribuído, e os valores naquilo que é perigoso ou não perigoso” (Homilia 14, Sobre o Salmo 29).

MEMÓRIA fasbam

A Associação de São Basílio Magno, mantenedora da FASBAM – Faculdade São Basílio Magno, é uma instituição educativa, cultural, beneficente que ministra Cursos de Filosofia e que, desde 1969 até 2011, se dedicou principalmente ao ensino para candidatos à vida eclesiástica e religiosa.

A tradição dos Cursos de Filosofia na formação dos alunos da Ordem de São Basílio Magno possui um marco significativo a partir do ano de 1946. Até este ano, os religiosos realizavam seus estudos de filosofia, ou no Seminário de Azambuja (SC), ou na Itália, ou na Ucrânia. Foi então organizado um curso interno em Iracema que, naquela época, pertencia ao município de Itaiópolis (SC). Em 1955, ocorreu um incêndio no Mosteiro Basiliano e, em consequência disso, o Curso de Filosofia foi transferido para a cidade de Prudentópolis (PR) e, posteriormente, para Ivaí (PR).

Em 1963, os Padres Basilianos adquiriram da Arquidiocese de Curitiba um terreno para a construção de um Seminário Maior para a formação religiosa de estudantes dos Cursos de Filosofia e Teologia. A inauguração do Seminário ocorreu em 24 de junho de 1969, o que possibilitou a transferência dos estudantes de Ivaí (PR) para Curitiba (PR).

Durante vinte anos, de 1969 a 1989, o Curso de Filosofia funcionou como um curso interno e exclusivamente ministrado para os seminaristas da Província Brasileira da Ordem de São Basílio Magno. Em seguida, a pedido de reitores de várias comunidades religiosas, como os Padres Palotinos, os Diocesanos de Paranaguá, os Missionários Servos dos Pobres, os Padres Ressurreicionistas, a Eparquia Ucraniana e a Congregação de São João Batista Precursor, a Associação de São Basílio Magno estendeu o seu acesso aos estudantes seminaristas e religiosos destas instituições.

A concepção formativa da instituição nestes anos está respaldada no carisma da Ordem Basiliana, espelhada nos ideais de seu fundador, São Basílio Magno. Este, por sua vez, no contexto histórico da Antiguidade Tardia, era uma pessoa altamente qualificada em nível intelectual e cultural, sendo um exímio educador, aberto ao diálogo e preocupado com as questões práticas, sejam elas morais, pastorais ou sociais. Sua espiritualidade foi praticamente mística, porém muito concreta e voltada para a realidade humana, assim como, sua metodologia, na dinâmica de trabalho e de estruturação da vida pessoal, comunitária e social, extremamente coerentes, podendo ser resumida nos princípios de comunidade e eclesialidade voltadas à inserção.

Desta forma, a Associação de São Basílio Magno durante estes 50 anos de fundação, concebeu o Curso Livre de Filosofia como uma etapa inserida no processo de formação humana e religiosa visando o sacerdócio na Igreja Católica. Cotidianamente, o ambiente de integração e verdadeira fraternidade cristã era o princípio formativo entre direção, estudantes e professores durante o processo letivo. Era um curso que teve no seu cerne, a preocupação de manter-se coerente com as diretrizes propostas pelo Concílio Vaticano II, no que se referia à formação religiosa, como também, com as recomendações expressas nos documentos mais recentes do Magistério da Igreja, adequando-se às orientações propostas da Igreja Local.

Assim, nestes longos anos de formação educacional contínua e regular, em regime presencial de aulas, o Curso Livre de Filosofia teve por objetivos fundamentais conduzir e orientar os alunos a adquirirem fundamentação e universalização do saber, buscando garantir um preparo básico para que os estudantes possam viver e agir em circunstâncias atuais. É mister salientar, que os objetivos formativos ampliam-se também em buscar a capacitação com discernimento próprio ao contexto cultural do mundo hodierno, assumindo uma posição pessoal definida em relação às questões mais graves do nosso tempo e descobrindo o senso de equilíbrio entre fé e razão. neste caso, todo o empenho da direção e equipe de professores estava direcionada para o preparo metodológico e teórico para desenvolver, nos estudantes, a formação adequada para prosseguirem seus estudos no Curso de Teologia.

Cabe aqui sublinhar, que o Curso Livre de Filosofia da Associação de São Basílio Magno visava antes de tudo dar uma visão sólida para o estudo da Teologia, mostrando como a Filosofia é importante para um correto pensar, para refletir e problematizar as questões do seu tempo, oferecendo um instrumental com base epistemológica e lógico imprescindível, bem como categorias importantes para a evangelização, ou seja, a inculturação do Evangelho no mundo de hoje.

Neste contexto, as Dioceses, Congregações e Ordens Religiosas tinham confiada à direção da Associação de São Basílio Magno o processo formativo de seus estudantes, tendo ciência que não seria somente garantida a formação cultural e intelectual, mas incluiria a formação integral, psicológica, religiosa e moral, da pessoa humana, integrada crítica e ativamente em seu meio cultural, eclesial e social, valorizando-se os aspectos pessoais da aprendizagem, em uma sólida educação humanística e religioso-sacerdotal.

O Curso Livre de Filosofia, no processo de formação acadêmica, seguindo as orientações da Igreja e da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), estava organizado em sua estrutura curricular em três anos, distribuídos em seis períodos ou semestres letivos, com carga horária de 2.540 horas/aula. O horário das aulas era das 7h30 às 12h, de segunda-feira à sexta-feira, durante o período letivo anual de fevereiro a início de dezembro. Estudavam seminaristas de 6 congregações religiosas. Lecionavam 13 professores com formação acadêmica e experiência profissional no magistério.

Buscava-se por meio das disciplinas, dar ênfase à integração entre teoria e práxis, ortodoxia e ortopraxia, doutrina e moral, tendo em vista a contribuição permanente em direção da transformação da sociedade, iniciando por uma aprimorada preparação acadêmica e capacitação pessoal. Por isso, os estudantes sempre foram incentivados a uma busca pessoal para vivenciar o aprendido, aplicando a sua vida pessoal, comunitária e eclesial.

No entendo, tal estrutura curricular do Curso Livre de Filosofia, já possuía quatro eixos formativos essenciais na formação dos estudantes: a filosofia sistemática; a história da filosofia; as disciplinas do âmbito das ciências humanas, sociais e da cultura religiosa; as línguas modernas, com ênfase, no passado, nas línguas clássicas.

Assim, a Associação de São Basílio Magno foi construindo uma história acadêmica respaldada, nestes anos, em uma proposta pedagógica direcionada às seguintes diretrizes: embasamento histórico, procurando responder aos questionamentos próprios do mundo de hoje; visão interdisciplinar, aproximando na medida do possível, do enfoque de outras disciplinas; concepção dialética, na alteridade, comparando com visões de outras correntes e culturas, com o intuito de compreender melhor a sua própria visão e aprender com o outro; visão holística, valorizando não só o elemento intelectual, racional e livresco da aquisição do conhecimento, mas também o elemento experencial e existencial; postura crítica, mostrando como no decorrer da história concreta da humanidade as questões são compreendidas na sua complexidade de fatores, percebendo sua coerência lógica e histórica e, comprometedora, levando ao compromisso humano e ético, espiritual e cristão diante dos diversos desafios do mundo contemporâneo.

Buscou-se nestes anos, durante o processo formativo, o equilíbrio entre os aspectos teórico-práticos da Filosofia, centralizando toda a abordagem no ser humano, no intuito de destacar o valor das verdades e dos valores encontrados em determinada disciplina para a excelência humana, numa visão antropológica do homem integrado crítica e ativamente em seu meio cultural e social, respeitoso e defensor do meio ambiente ecológico, solidário com o outro humano, aberto para o Outro transcendental.

Este cuidado formativo sempre foi observado pela Ordem de São Basílio Magno, de um lado, na orientação destes valores humanos, cristãos e educacionais na admissão de estudantes para o Curso de Filosofia. De outro, embora não fosse ainda uma Instituição credenciada pelo Ministério da Educação (MEC) para conferir grau acadêmico, às exigências curriculares da Instituição seguia todas as normas e orientações oficiais do MEC. Ou seja, o estudante – seminarista ou religioso – devia ter aprovação do Reitor para iniciar seus estudos, ter concluído o Ensino Médio mediante comprovação de documentos e cumprir as exigências curriculares caracterizadas nas disciplinas por atividades, aulas, pesquisas, avaliações, entre outros.

Preocupada com uma formação sólida dos estudantes, a Associação de São Basílio Magno organizou uma biblioteca na grande área de Filosofia e Humanidades com um acervo de mais de 22 mil livros, periódicos, material audiovisual, além de documentos sobre a cultura ucraniana, que inclui a literatura, a arte, a história e a religião. Nos últimos anos, o acervo da biblioteca foi informatizado, catalogado (Decimal Dewey Classification) e atualizado permitindo, desta forma, um melhor acesso à consulta e empréstimo de seu material à comunidade acadêmica.

Em 2007, foi iniciada a reforma estrutural do prédio. Entre 2008 e 2009, os professores trabalharam na elaboração do PPC e do PDI. Em 2010 foi solicitado, junto ao MEC, o Credenciamento da FASBAM – Faculdade São Basílio Magno e a Autorização do Curso de Licenciatura em Filosofia. Através da Portaria n. 345, de 06 de abril de 2011 e publicada no DOU em 7 de abril de 2011, a Faculdade foi credenciada. O curso foi autorizado através da Portaria n. 799 de 14 de abril de 2011 e publicada no DOU em 14 de abril de 2011. A primeira turma iniciou o curso aos 8 de fevereiro de 2012. O curso foi reconhecido através da Portaria n. 298, de 14 de abril de 2015 e publicada no DOU em 16 de abril de 2015. Em 2014, o Curso de Licenciatura em Filosofia teve a sua primeira turma de formados. Em 2016, o Curso de Bacharelado em Filosofia foi autorizado através da Portaria Nº 889, de 29 de dezembro de 2016, publicada no DOU de 30 de dezembro de 2016.