As Paixões em Geral | Série: Princípios da Vida Moral

As emoções são boas ou más? Muitos tendem a pensar que são um mal. Não somos cegos pelo ódio? Não nos deixamos levar pelo amor? Não seria bom, afinal, ser um pouco menos apaixonado? Mas antes de nos empolgarmos com esse pensamento, imagine alguém que não tenha emoção para falar. Isso não representaria uma humanidade fracassada? Na história da filosofia, os estoicos são famosos por opinar sobre as paixões que julgavam perturbações animadas, perturbações da alma. O estado ideal para os estoicos é de apatia.

Contra essa posição, filósofos como Aristóteles e Santo Tomás ensinaram que as paixões desempenham um papel na perfeição humana. Vamos começar com uma imagem. Imagine um rio poderoso que move uma quantidade incrível de água. Também é bastante impetuoso. Isso serpenteia para um lado e para o outro. Inunda inesperadamente e causa grande destruição. Mas digamos que também seja importante para o transporte. Apoia a indústria na região e torna a terra fértil por muitos quilômetros de cada lado. As paixões são como este rio. Elas podem ser benéficas e também destrutivas. O segredo com as paixões é incorporá-las a uma existência humana integral. Vamos voltar à imagem. E se barrássemos o rio em um ponto estratégico? Com uma barragem instalada, você pode gerenciar o fluxo, controlar as inundações e aproveitar ainda mais os benefícios, como energia hidrelétrica, um grande reservatório ou talvez até uma área de recreação nacional. As virtudes são como a represa. As virtudes ajudam a realizar todo o potencial das paixões, canalizando sua energia para uma vida de verdadeiro florescimento.

Como forma de chamar a atenção para o lugar da razão e da virtude, Santo Tomás destaca a diferença entre paixões antecedentes e consequentes. Paixões antecedentes são aquelas respostas emocionais que saem à nossa frente e obscurecem nosso julgamento. Isso, diz ele, diminui a bondade de um ato. As paixões consequentes, por contraste, transbordam de uma resposta virtuosa ou são realmente comandadas por uma virtude a realizar seu trabalho mais rápida e perfeitamente. Isso, ele diz, aumenta a bondade de um ato. As paixões no segundo sentido fazem parte de um compromisso perfeito com a vida e com Deus. Por fim, devemos ser movidos para o bem, não apenas em nossas faculdades superiores, mas também em nossas faculdades inferiores.

Temos usado paixões e emoções de forma intercambiável. Paixões é apenas a terminologia que Santo Tomás usa para descrever algo como o que chamaríamos de emoções. Então, basicamente, como Santo Tomás entende, uma paixão é uma resposta incorporada a estímulos ou percepção cognitiva. Algo lá fora colide comigo, e a mudança na minha vida corporal é chamada de paixão. As paixões se originam no apetite dos sentidos, que é dividido em poder concupiscível e poder irascível. Nós distinguimos esses poderes, pois eles envolvem diferentes características da realidade. O poder concupiscível se envolve com o bem ou o mal sensível, simplesmente apreendido como tal, causando prazer ou desprazer. Basicamente, quando percebo algo que me agrada ou desagrada de uma maneira básica, dá origem às paixões do poder concupiscível. Então, se eu vejo um biscoito de chocolate na mesa da cozinha, isso envolve o poder concupiscível. O objetivo do poder irascível é o mesmo bem ou mal, mas na medida em que é difícil de alcançar ou evitar. Agora, esse mesmo delicioso biscoito de chocolate está dentro de um castelo do outro lado de uma ponte levadiça elevada e de um portão rebaixado, defendido por arqueiros com flechas flamejantes. Eu ainda o desejo, mas requer uma resposta emocional mais envolvida para alcançar. Assim, amor, desejo, prazer, ódio, aversão e tristeza pertencem ao poder concupiscível, enquanto esperança, desespero, ousadia, medo e raiva pertencem ao poder irascível.

Santo Tomás descreve que o amor é a raiz das paixões. Na opinião dele, o amor é apenas o reconhecimento de que algo mais é adequado. O fato de sermos esse tipo de coisa nos convém a certos bens e, quando os encontramos, eles nos causam uma espécie de complacência ou apenas uma sensação de adequação. Você também pode dizer que essas coisas são registradas como naturais ou conaturais para nós. Quando o objeto ainda não está presente, o amor gera desejo. Quando está presente, ela se transforma em deleite ou prazer. Então, o amor causa união de duas maneiras. Por um lado, o amor nos une ao bem afetivamente. Isso nos amarra às coisas na realidade que edificam nossas vidas corporais e espirituais. E, por outro lado, inspira uma união real adicional, movendo-nos a perceber o próprio bem. Santo Tomás gosta de citar Dionísio neste ponto. O amor, diz ele, é um poder unitivo, uma vis unitiva. Em todo amor, Santo Tomás discerne um movimento duplo. Por um lado, somos atraídos pelo bem com o amor da concupiscência. Nós amamos o bem como de alguma forma adequado. Mas aqui está a coisa. Nosso amor pelo bem não fica aí. Um homem não ama o vinho por si só. Ele adora tudo de bom para si e para seus amigos. Portanto, além do bem, existe uma pessoa por quem é amado. Essa última dinâmica chamamos de amor à amizade. Isso não quer dizer que o amor à concupiscência seja ruim e o amor à amizade seja bom. A distinção aqui não é entre egoísmo e altruísmo. De fato, ambos os movimentos estão presentes em todo ato de amor. Em vez disso, o que estamos dizendo é que o amor pelo bem é pela pessoa. No amor, alguém deseja o bem do amado. O amor simplesmente falando é entre pessoas. É uma comunhão do bem. Então, ao invés de perturbações da alma, as paixões são os blocos de construção do amor e a energia bruta que motiva o florescimento humano. A questão não é se são boas ou más, mas se são formadas bem ou doentes.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais. Aproveite também e clique aqui para conhecer a nossa pós-graduação em Teologia Moral.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat