Ações Humanas | Série: Princípios da Vida Moral

Um dos princípios básicos da sabedoria de Tomás de Aquino é que os seres humanos estão em busca da felicidade. Não estamos falando de felicidade no sentido contemporâneo e superficial do termo, que basicamente iguala felicidade a sentir-se bem ou estar de bom humor. Estamos falando de felicidade em um sentido mais profundo e rico. Felicidade é o gozo do bem maior. Deus não nos designou a aceitar coisas superficiais, transitórias e superficiais, mas projetou nossa natureza para buscar a bondade no sentido mais pleno. A mais alta bondade está sempre nos chamando, convocando-a a buscá-la e desfrutá-la. A principal questão colocada diante de nós a cada momento de nossas vidas é: qual é o caminho para a bondade no sentido mais profundo e mais alto do termo?

No mundo da natureza ao nosso redor, as plantas e os animais buscam sua plena realização por instinto. As abelhas reúnem pólen, as serpentes rastejam por aí e os pássaros migram para cá e para lá porque construíram instintos ou tendências para fazer essas coisas. Os animais não deliberam sobre o que fazer ou como fazê-lo. Os seres humanos, por outro lado, pensam e deliberam sobre o que fazer, como fazê-lo, como viver a vida em plenitude. Devo deixar este trabalho para outro? Ir para esta escola ou aquilo? Alugar um apartamento ou comprar uma casa? Quando os atos são voluntários e provêm apenas desse tipo de pensamento e vontade sobre o que fazer, eles são chamados de atos humanos. E os atos humanos são, às vezes, também chamados de atos livres ou escolhas livres, porque provêm de nosso livre arbítrio ou liberdade. Uma das características mais importantes de nossa natureza humana é que buscamos a felicidade ou o bem maior, não apenas pelo instinto, como animais inferiores, mas por atos humanos, pelas escolhas que fazemos. Buscamos felicidade em liberdade. Todos os seres humanos, como tais, têm a capacidade de realizar atos humanos ou escolhas livres. Mas em nossa sociedade atual, há uma vasta e desconcertante confusão sobre o significado dessa capacidade ou característica de nossa natureza, o significado de nossa liberdade. Nos deparamos com uma variedade desconcertante de opções onde quer que vamos, o supermercado, os restaurantes. Muitas pessoas pensam na liberdade como a capacidade de optar cegamente por essa ou aquela opção ou como a capacidade de viver de acordo com os impulsos e caprichos.

Como você se sente no momento, muitas pessoas pensam que liberdade significa que temos o direito de fazer o que quisermos, mas todos esses relatos nos deixam desorientados e imaginando qual é o verdadeiro sentido da vida e da liberdade. Qual é o sentido da liberdade? A liberdade é realmente apenas por satisfação de impulso ou por fazer o que você quiser? Não existe um propósito maior para a liberdade? Caso contrário, qual é a diferença entre liberdade e licença? Deus nos deu liberdade apenas para que pudéssemos viver licenciosamente, sem nenhuma consideração por princípios ou orientação no caminho para a verdadeira felicidade? Para Tomás de Aquino, o objetivo da liberdade é escolher o caminho para a felicidade, a felicidade real, o bem maior e mais agradável de todos, e toda escolha livre diz respeito aos caminhos ou meios para a verdadeira felicidade. O ponto principal da liberdade é escolher os meios e meios que realmente nos levarão ao que realmente é o bem maior e mais agradável de todos. Isso requer aprender a ver através de muitas falsificações e enganos relacionados à felicidade e à boa vida. Coisas que parecem nos deixar felizes, mas no final, não conseguem. Eles apenas decepcionam.

Para Tomás de Aquino, no fundo de todo coração humano, há um processo de interação, um tipo de diálogo entre nosso conhecimento e nosso amor, nosso intelecto e nossa vontade. Os atos humanos resultam desse diálogo, como é que esse diálogo interno ou o diálogo do coração ocorre? Não precisamos ir muito longe para responder a essa pergunta, pois ela ocorre diariamente em nossa experiência. Suponha que um amigo venha até você e diga: “Você quer ir ao jogo de futebol nesta sexta à noite?”. Primeiro você ouve a pergunta com seu intelecto e imediatamente compara a proposta com sua vontade. Se a proposta se aproxima de um jogador de futebol que é seu ídolo, você deseja ir ao jogo. Tomás de Aquino chama esse desejo de uma simples vontade, mas desejos são uma coisa e intenções são outra. Quando um desejo surge em nossa vontade, o desejo confronta uma série de circunstâncias e limites, incluindo outras intenções ou pré-compromissos que você possa ter. Você faz um julgamento de possibilidade sobre ir. Talvez você tenha que trabalhar ou talvez tenha um encontro. Em qualquer um desses casos, o desejo não vai mais longe, mas talvez você julgue que não há nada no caminho para ir ao jogo. Nesse caso, seu desejo se transforma no que Tomás de Aquino chama de intenção. Você decide ir ao jogo com seu amigo. Você está perseguindo o fim. A questão agora é de que maneira? Agora, existem várias maneiras de chegar ao jogo. Você pode ir ao jogo de carro, de táxi, de ônibus público ou a pé. Primeiro, você pode montar a lista de caminhos a seguir e deliberar sobre eles. Indo de carro particular faz do estacionamento um problema. Os táxis podem ser caros. Os ônibus públicos após os jogos de futebol estão superlotados ou é muito longe para caminhar. Mas, novamente, o carro particular proporciona um passeio agradável de e para o jogo ou a caminhada pode não ser muito longe e pode ser um bom exercício. De um jeito ou de outro, quando comparado aos muitos amores em sua vontade e razões na mente, o conjunto de maneiras e meios para o jogo pode se deparar com várias formas de aprovação interna ou desaprovação da vontade. E é essa aprovação ou desaprovação interna que faz com que se diga não ou que está bem ou que soa bem. Eventualmente, você precisa tomar uma decisão com seu intelecto sobre qual caminho ou meios você escolhe usar. A decisão é um ato do intelecto que julga dessa maneira, e não como um meio de tomar. E a eleição é um ato da vontade concordando com esse meio em particular, entre outros. Tendo escolhido ir de carro, por exemplo, agora você realmente executa a escolha que fez. A execução consiste em um comando interno do intelecto para usar as partes do corpo para entrar no carro e o uso é o ato da vontade de mover as partes do corpo para fazê-lo. Agora, vamos supor que você e seu amigo estejam no carro para o jogo ou talvez no jogo ou talvez em algum momento após o jogo. Em qualquer um desses pontos, você pode refletir sobre sua experiência no transporte para o jogo ou no próprio jogo ou na escolha de ir. A partir dessa reflexão vem a pergunta, eu gostei disso? Ou valeu a pena? Ou foi uma boa ideia? A resposta para a pergunta é chamada de julgamento de fruição. Se, em seu intelecto, você responder sim, então você gostará do jogo. Essa alegria é chamada fruição.

O objetivo do nosso exemplo é ilustrar os vários pequenos atos que ocorrem dentro do coração humano em toda livre escolha. Nós carregamos dentro de nós essa capacidade de fazer escolhas livres e todos os dias de nossas vidas nós a implantamos. Nas profundezas de nossos corações, somos confrontados com várias propostas sobre coisas boas e temos muitos desejos por isso ou aquilo. Estamos sempre formando julgamentos sobre se é possível ou desejável buscar isso ou aquilo. E estamos sempre formando ou perseguindo todos os tipos de intenções. Em nossos corações, também deliberamos e decidimos maneiras de perseguir nossas intenções, e consentimos e elegemos meios específicos para fazê-lo. E também fazemos esse comando executivo interno para fazer isso ou aquilo. E, finalmente, refletimos sobre nossas atividades e perguntamos se elas valem a pena ou se as desfrutamos ou mais ou menos. Todos esses pequenos atos acontecem em nossos corações e constituem a essência do livre arbítrio. E o objetivo é buscar o que realmente e verdadeiramente nos fará felizes. Qual é realmente e verdadeiramente o bem maior de todos? Quando entendemos os atos humanos e a liberdade dessa maneira, percebemos que a primeira e mais fundamental coisa de que um indivíduo livre precisa é saber a verdade sobre o que é bom, o que realmente e verdadeiramente satisfaz.

Somente se soubermos a verdade sobre o que é bom, podemos caminhar em direção ao que será satisfatório sem cair em uma armadilha ou em um engano sobre a felicidade. Saber a verdade sobre o que é bom nos preserva de tudo isso. E assim, a verdade o libertará, livre para amar e desfrutar do único bem verdadeiro que não decepciona. Então, qual é esse verdadeiro bem? Para que você está vivendo?

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais. Aproveite também e clique aqui para conhecer a nossa pós-graduação em Teologia Moral.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat