Santo Tomás de Aquino sobre o Conhecimento e a Escolha dos Anjos

Você já se perguntou como os anjos podem ter caído? Eles tinham tudo. Eles estavam tão perto de Deus. Por que então a trágica catástrofe? Talvez você tenha ouvido que eles invejavam a Encarnação. Talvez você tenha ouvido que eles se rebelaram contra a exaltação do homem. Os teólogos foram livres para especular sobre o assunto por séculos, e Santo Tomás avaliou o assunto com sua verve característica.

Neste post, vamos construir um panorama sobre o que aconteceu antes, considerando o conhecimento angélico e o destino angélico. Primeiramente, vamos distinguir o conhecimento angélico do conhecimento divino. Deus é Seu intelecto, Seu ato de conhecer e o objeto de Seu conhecimento. Para os anjos, o intelecto é uma faculdade de sua natureza espiritual. Portanto, enquanto Deus é simples, os anjos são compostos. Deus é Seu intelecto e Seu conhecimento, os anjos, todavia, conhecem por meio de seus intelectos. Considere então como o conhecimento angélico se compara ao conhecimento humano. Os humanos aprendem à medida que progredimos da tela em branco para a sabedoria. Para os anjos, não há potência intrínseca para mais conhecimento. Isso é um pouco complicado, mas quer dizer que não há nada nos anjos que os disponha a adquirir mais conhecimento. Assim, enquanto os humanos adquirem conhecimento por meio de seus sentidos ao longo de sua vida, os anjos são fornecidos com todas as suas idéias em sua criação. E eles confiam inteiramente em Deus para o que sabem.

Existem níveis de conhecimento entre os coros angelicais. Quanto mais perto um anjo está de Deus, mais perfeitamente ele compartilha da simplicidade e abrangência do conhecimento de Deus. Os anjos superiores sabem mais, com menos conceitos e com um maior grau de intimidade. Em contraste, quanto mais próximo e anjo está do homem, mais complexo é seu conhecimento e menos abrangente. A última coisa a mencionar sobre a questão do conhecimento é que os anjos não pensam discursivamente. Enquanto raciocinamos de um ponto a outro, os anjos veem em uma explosão intuitiva. Os anjos não silogizam. Eles apenas percebem princípios e conclusões simultaneamente.

O conhecimento angélico nos dá o pano de fundo para a escolha angélica e o destino angélico. Os anjos foram criados na graça e criados para a visão amorosa de Deus, o que chamamos de visão beatífica. Alguns anjos escolheram por Deus e alguns escolheram contra o primeiro. Os primeiros, chamamos de anjos, os últimos chamamos de demônios. Muitos especularam sobre por que os demônios escolheram dessa forma.

Aqui está o que São Tomás pensou sobre o assunto. “Anjos”, diz São Tomás, “são o tipo de coisa que atinge seu fim com um movimento.” Os anjos estão situados entre Deus e o homem. Por um lado, existe Deus que não alcança Seu fim por nenhum movimento, pois Ele é seu fim. Por outro lado, há o homem que chega ao seu fim por muitos movimentos. Assim, um anjo que escolhe por Deus é beatificado ao realizar um ato de caridade. E um demônio que escolhe contra Deus está condenado ao cometer um ato pecaminoso.

Mas, dado o que vimos sobre o conhecimento, como podem os anjos pecar? Diz São Tomás: “Todas as criaturas racionais podem pecar porque somente Deus é Seu próprio fim por natureza. A vontade criada, em contraste, não é seu próprio fim.” Por essa razão, a ação de uma vontade criada não pode ser autojustificadora. As criaturas trabalham de acordo com uma natureza e em um mundo que receberam e não fizeram. Portanto, eles estão em dívida com um padrão mais elevado. São Tomás usa como exemplo o artesão. Ele diz: imagine a mão de um artesão, cuja regra é a própria virtude do agente. Vamos então decompô-lo: Você tem um artesão que está gravando. Digamos que a mão do artesão seja a própria regra da gravura. Neste caso, o artesão não poderia gravar a madeira senão bem. Ele nunca pode ficar aquém ou errar o alvo. A mão apenas faz o que a mão faz. Portanto, se alguém perguntasse: “Por que você gravou assim e não de outra forma?”, Ele poderia simplesmente responder: “Minha mão gravou”. Isso seria o fim de tudo. Mas se a excelência da gravura for julgada por outra regra, como a imagem da gravura em sua mente ou o padrão universal da gravura excelente, então a gravura pode ficar aquém ou errar o alvo. Então, basicamente, se não houver um padrão mais alto de certo ou errado, como no caso de Deus, o agente não pode deixar de fazer bem. Mas se houver, como no caso dos anjos e do homem, então há a possibilidade de pecado.

Entre os anjos, existem menos fontes de pecado do que entre os homens. Os anjos não podem errar por ignorância ou erro ou pela interferência da paixão ou mau hábito. Em vez disso, deve ser que o anjo escolha algo bom, mas não de acordo com a medida ou regra apropriada. Parece que o anjo simplesmente falhou em considerar o que deveria ter sido considerado. E também é o caso que o pecado deve ter sido espiritual, então Santo Tomás exclui os pecados que são necessariamente corporificados. Isso o deixa com orgulho e inveja como os candidatos mais prováveis. Por orgulho, a pessoa tende para grandes coisas desordenadamente. Por inveja, um vê o bem do outro como um obstáculo ao seu próprio.

Assim, Santo Tomás trata de algumas opções concretas. “Talvez”, ele especula, “os anjos caídos escolheram amar a Deus por seu próprio poder e não pelo poder de Deus. Ou talvez eles escolheram amar a si mesmos em vez de a Deus, de modo que não precisaram apelar por ajuda além de sua natureza.” Neste último caso, eles teriam se recusado a aspirar ao que eles só poderiam ter como um presente, preferindo descansar naquela alegria, que seus poderes naturais poderiam fornecer. Em qualquer dos casos, o pecado angélico equivale a uma rejeição da dispensação da graça. Chamamos isso de orgulho. Os anjos, ao que parece, foram os primeiros pelagianos. E assim, no primeiro momento de sua existência, os anjos se conheceram como criados à imagem de Deus e se apegaram a Deus pela força de sua natureza. No segundo momento de sua existência, eles tiveram a oportunidade de ratificar aquela situação. Escolher a situação significaria preferir Deus a si próprios, afirmar que são de Deus da maneira que Deus quis. Alguns fizeram essa escolha. Outros não. “Por quê?” você pode perguntar. Este é um grande mistério, mas continue se perguntando.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat