Santo Tomás de Aquino e o Problema do Mal

O que é o mal, e por que Deus permite isso em sua criação? Santo Tomás de Aquino ensina que, de um modo geral, o mal é uma ausência ou falta do que deveria ser. Tecnicamente falando, chamamos isso de privação, então o mal não é um ser ou está na natureza. É a ausência de algo. Suponha que eu diga que vou desenhar um círculo e não o termino. Você pode dizer: “Ei, esse é um círculo ruim. Parte dele está faltando.” Você está apontando uma privação. Observe, entretanto, que eu não causei diretamente algo que seja ruim em si mesmo. O círculo é bom até onde vai. Simplesmente não vai até o fim. Mas não teria sido melhor se eu tivesse causado a existência de todo o círculo? Bem, em geral, sim, mas talvez houvesse uma boa razão para eu não ter feito isso. Talvez eu estivesse tentando ilustrar o que é uma privação. Nesse caso, esse círculo defeituoso seria uma parte essencial de algum projeto maior, algum bem maior – de como fazer com que você entenda o problema do mal.

É assim que Tomás de Aquino trata do problema do mal. Deus criou um mundo mutável de coisas materiais e, para que esse mundo exista, é necessário que as coisas cresçam, morram e se deteriorem. Aquino chama essas coisas de males naturais. Gazelas comem grama e leões comem gazelas. Ele define essa ideia do mal natural em um contexto mais amplo. É uma característica necessária do bem de todo o ecossistema de todo o universo. Agora, quando Tomás de Aquino fala sobre o mal que os seres humanos experimentam, ele não fala mais do mal natural. Em vez disso, existem dois tipos únicos de mal que pertencem às criaturas racionais e livres. O malum poenae em latim que é traduzido tipicamente como o mal de pena, e o malum culpae em latim traduzido como o mal de culpa. Portanto, um exemplo: suponha que um camponês chamado João acorde tarde para o trabalho. João não tem cavalo, então rouba o cavalo do vizinho. Isso é ruim, claro, para seu vizinho, mas ainda mais para João, que voluntariamente se recusou a fazer o que a razão certa lhe diz e cometeu uma séria injustiça, um ato indigno de uma pessoa humana. Isso é o que Tomás de Aquino chama de mal de culpa, e é uma espécie de suicídio moral. Preso pela polícia, João é condenado à prisão. Isso também é um mal para ele, porque agora ele está privado de sua liberdade de movimento. Mas este segundo mal – estar na prisão – não é do mesmo tipo que o primeiro. É um mal que João sofre em resposta a um mal que cometeu, e isso é chamado de mal de pena.

Como devemos comparar esses dois males? Bem, o mal da culpa é pior. Ao pecar, João escolheu livremente se tornar um homem mau. Em contraste, a punição de João, embora seja um mal para ele em certo sentido, é boa e justa, e pode até mesmo ajudar João a se tornar bom. Sobretudo se ele a aceita e a oferece em reparação por sua culpa. Deus nunca deseja o mal do pecado ou da falta. O pecado é nossa culpa, não de Deus. Escolhemos algum bem parcial contrário à ordem da razão certa, sem nos importar com o dano que resultará, e Deus permite que façamos isso, mas Ele de forma alguma é a causa. Mas Deus deseja a punição que segue desse mal moral tanto para restaurar a ordem correta da justiça quanto para corrigir o transgressor, da mesma forma que um juiz e outros cidadãos honestos desejam justamente que um ladrão seja preso e receba uma punição justa. Assim como João pode oferecer sua punição em reparação pelo mal que ele fez, nós também podemos oferecer todos os males que sofremos em reparação pelos pecados que nós e outros cometemos.

Vamos fazer uma pergunta mais difícil. Por que Deus permite o sofrimento dos inocentes? Estamos entrando em águas profundas aqui e só podemos esboçar uma resposta muito breve. Sofrimento humano, morte corporal, perseguição e injustiça – esses são males muito reais e terríveis, e não faziam parte do plano original de Deus para nós. Ele criou nossos primeiros pais pela graça, com o privilégio especial de estar livre de doenças, sofrimento e morte. Esses males só entraram no mundo por causa do pecado de nossos primeiros pais. E nós herdamos as terríveis consequências desse pecado original: sofrimento, morte e até inclinação para o pecado. É muito parecido com um bebê nascido de uma mãe viciada em heroína. Esse bebê herda as terríveis consequências do vício da mãe. Naqueles que sofrem, são os males da dor ou da pena. Podem ser ocasião de grande nobreza moral e bondade, como quando uma pessoa oferece sua vida a Deus em meio a uma doença ou quando alguém persevera na verdade e até perdoa um perseguidor injusto. A pergunta mais difícil é por que existe o pecado? Porque todo pecado envolve uma privação, uma falta do que deveria haver, estamos lidando com o não-ser e o não-ser é estritamente ininteligível. Assim, podemos explicar como um pecado é possível. A criatura concentra sua atenção e direciona sua vontade para algum bem limitado, desconsiderando o defeito ou desordem que essa escolha irá causar, mas não podemos explicar por que a criatura faz isso. Porque o mal é incoerente em si. É sempre estúpido e autodestrutivo.

Por que então Deus permite isso? Alguns responderam a essa pergunta usando a chamada defesa do livre-arbítrio, dizendo que, se há liberdade, é impossível para Deus impedir o mal. Esta não é a resposta de Tomás de Aquino, e ele acha que há sérios problemas filosóficos. Como explicamos no post sobre predestinação e liberdade, Deus como nosso criador é a origem de nossa liberdade e implanta em nós nossos desejos para o bem, para que possa agir dentro de nossa vontade, movendo-a para o bem. Portanto, em qualquer caso particular, Deus pode nos induzir a escolher livremente a coisa certa. Por que então ele não faz isso sempre? Aqui chegamos a um mistério muito profundo para nossas mentes, porque Deus criou este mundo e não outro.

Tomás de Aquino acha que não podemos dizer muito mais do que isso, mas oferece duas quase explicações que nos ajudam a vislumbrar a profunda sabedoria da providência de Deus. Primeiro, podemos ter certeza de que Deus só permite o mal por causa de um bem muito melhor e mais elevado, incluindo não apenas o nosso bem individual, mas o bem de toda a criação. Isso é muito misterioso, porque não podemos ver tudo isso e não podemos conceber como permitir o pecado pode levar ao bem. Mas sabemos que é verdade. Deus é infinitamente poderoso e infinitamente bom. Capaz de extrair um bem ainda maior de todo mal. Também sabemos que somos muito limitados, especialmente em nossa compreensão do todo. Somos como um bebê com a fralda suja que grita porque o pai o faz tomar banho. Ele não entende o bem que seu pai está realizando por ele através do que parece para o bebê um sofrimento sem sentido, mas na verdade, é para o bem do bebê. Finalmente, Tomás de Aquino diz que Deus permite o mal do pecado para que ele possa manifestar sua bondade de uma forma ainda maior como nosso Salvador. Esta é uma bela e elevada verdade, e atinge seu ápice na cruz. Ali, o próprio Deus carrega sobre seus ombros humanos todo o peso de nossos pecados e os carrega em terrível sofrimento, até a morte. Ele faz isso precisamente para que sua misericórdia redentora e seu amor por nós, pecadores, brilhem mais claramente. Para que possamos ser trazidos do pecado para o perdão e vida eterna.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat