O Rito do Batismo

Na Igreja Oriental, o rito do Batismo inicia-se com o rito do catecumenato, a preparação para o Batismo. Na oração inicial, com a imposição de mãos do sacerdote sobre o catecúmeno, a Igreja o toma sob a sua proteção, para que ele “possa acorrer ao santo nome de Deus e abrigar-se sob a sua proteção”[1]. Em seguida, por meio das orações do exorcismo, a Igreja arma as defesas do catecúmeno contra a influência de satanás. O catecúmeno, então, publicamente, pessoalmente ou por meio dos padrinhos, declara a renúncia a Satanás e às suas obras, e professa a sua união com Cristo Salvador. Em sinal de união com Cristo, durante a recitação do Símbolo da Fé, o batizando passa do pórtico (símbolo do mundo) até o centro da igreja (símbolo da Igreja de Cristo). Imediatamente antes da imersão (ou ablução), o sacerdote unge o catecúmeno com o óleo consagrado. A unção com o óleo é sinal da força do Espírito Santo, que é dada ao catecúmeno como “arma da justiça” contra “toda a ação diabólica” e para o “revigoramento do corpo e da alma”[2]. O sacerdote unge a fronte – “para que se abra para o entendimento e aceitação dos mistérios da fé”; o peito – “para amar a Deus de todo o coração”; as costas – “para aceitar o jugo de Cristo”; os ouvidos – “para a escuta do divino Evangelho”; mãos e pés – respectivamente “para elevar as mãos ao santuário e praticar a justiça todo o tempo” e “para seguir o caminho dos mandamentos de Cristo”[3]. A unção das partes do corpo indica que no Batismo a natureza se regenera em todas as suas faculdades. O Batismo é feito com água que é símbolo tanto da vida como da morte (p. ex., as “águas do dilúvio”, cf. Gn 6-9). A travessia pelas águas do Mar Vermelho é símbolo da salvação (v. Ex 14), e o lavar com água é símbolo de cura (p. ex., o banho de Naaman e sua cura da lepra; v. 2Rs 5, 10-14). Fazendo a tríplice imersão do batizando na água, ou fazendo tríplice ablução na sua cabeça, o sacerdote pronuncia: “O servo de Deus (serva de Deus) (nome) é batizado em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém”. No Batismo morre o homem “velho” e renasce o homem “novo”, unido às três Pessoas Divinas – Pai, Filho e Espírito Santo (v. Mt 28, 19). Isso acontece pela participação na morte e ressurreição de Cristo (v. Rm 6). Em sinal do renascimento no Batismo, aquele que é batizado recebe um nome cristão, pelo que a Igreja inclui o neófito em um vínculo espiritual com o seu protetor no céu. O renascido em Cristo é vestido de veste branca (chamada kryzmo), a “vestimenta da justiça”, que simboliza o “revestir-se” do Cristo ressuscitado: “Vos que fostes batizados em Cristo, vos revestistes de Cristo” (Gl 3, 27). Vestir-se de Cristo significa que o batizado se tornou novo homem: vestido de veste alva, ele confessa diante dos outros que Cristo nele permanece e nele age. Oferecendo a vela acesa ao batizando, o sacerdote diz: “Recebe esta vela acesa e procura em toda a tua vida iluminar-te com a luz da fé e boas obras, para que, quando vier o Senhor, possas ir iluminado ao seu encontro com todos os santos”. Como Cristo é “a luz que brilha nas trevas” (cf. Jo 1, 5), assim aquele que é iluminado por Cristo no sacramento do Batismo é chamado para ser “luz do mundo” (cf. Mt 5, 14).

O ministro do sacramento do Batismo

O sacramento do Batismo é normalmente ministrado pelo sacerdote que é o pai espiritual da comunidade paroquial, na qual o neófito é incorporado. No entanto, se há perigo de morte, todo o cristão pode batizar. Neste caso, o Batismo é oficiado pela tríplice ablução do batizando, pronunciando as palavras: “O servo (serva) de Deus (nome) é batizado em nome do Pai, e do Filho e do Espírito Santo. Amém”. Se uma pessoa que, em perigo de morte, recebeu o Batismo sem o rito litúrgico completo e sobreviveu, deve ser trazido ao sacerdote para que ele complete o rito do Batismo e também administre o sacramento da Crisma. Os sacramentos do Batismo e da Crisma são recebidos somente uma vez na vida, porquanto, renascidos pelo Espírito Santo em Cristo, permanecemos para sempre como filhos do Pai. [1] Eucológio: Rito do catecumenato pré-batismal. Oração sobre o catecúmeno. [2] Eucológio: Rito do Batismo. Oração da consagração do óleo. [3] Eucológio: Rito do Batismo. Oração da unção com o óleo. Fonte: Cristo nossa Páscoa: Catecismo da Igreja Greco-Católica Ucraniana. Tradução: Pe. Soter Schiller, OSBM. Curitiba: Serzegraf, 2014, n. 419-423.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat