Santo Tomás de Aquino e o Deus Triúno

Como podemos começar a pensar sobre o mistério da Santíssima Trindade? A Trindade é o mistério da vida interior de Deus, e só conhecemos isso por meio da revelação divina. Sabemos que Deus é a Santíssima Trindade porque Deus falou e nos disse isso, porque Deus se tornou humano. Pela fé, sabemos que Jesus Cristo é o filho de Deus, eternamente gerado do Pai, Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro. E pela fé, conhecemos o Pai, o Filho e o Espírito Santo pessoalmente como Deus. Podemos até desenvolver um tipo de relacionamento espiritual profundo com Deus, como nosso Pai ou com o Espírito Santo, bem como com Cristo. Podemos também pensar sobre este mistério, porém, conceitualmente sem perder de vista a relação pessoal que temos com a Santíssima Trindade.

Como podemos começar a pensar sobre a Trindade de uma forma teológica? Quando Santo Tomás faz essa pergunta, ele começa com um primeiro artigo muito interessante na Summa Theologiae, onde ele pergunta: há procissão na vida de Deus? Aqui ele não está falando sobre procissões litúrgicas. Ele está falando sobre a eterna derivação de uma pessoa de outra. O Filho procede do Pai e o Espírito procede do Pai e do Filho.

A Bíblia nos dá uma pista importante de como podemos pensar sobre esse mistério das procissões em Deus no capítulo de abertura do Evangelho de João. Em João 1, nas primeiras linhas lemos que no princípio era o Verbo e o Verbo estava com Deus e o Verbo era Deus. Palavra em grego é Logos, que pode significar algo como conceito ou racionalidade, pensamento intelectual, espiritual. Portanto, no início, antes de todo o tempo começar, você pode dizer, existe o Pai e seu Verbo, sua racionalidade, sua sabedoria, que procede dele. Jesus mais tarde diz no mesmo Evangelho, Eu procedi e saí do Pai. E se você seguir essa linha de pensamento, então faz sentido pensar sobre o Espírito Santo como análogo ao amor. Quando começamos a conhecer algo, podemos começar a amar algo. Você não pode amar o que não conhece, mas se sabe de algo, pode começar a aspirar a amá-lo. E assim, se o Filho de Deus é o Verbo eterno e Logos do Pai que procede do Pai eternamente, então o Espírito pode ser considerado como o amor divino que procede do Pai e do Filho. Deus primeiro conhece a si mesmo eternamente e conhecendo a si mesmo, ele gera sua sabedoria eterna e Palavra e então Deus ama a si mesmo e sua Palavra; e o Espírito é o amor que emana do Pai e do Filho.

Quando começamos a pensar sobre essas procissões eternas, podemos começar a entender por que existem relações reais em Deus. Esta é a terminologia clássica. Existem relações reais entre o Pai e o Filho e entre o Pai e o Filho e o Espírito Santo. As relações são relações de origem. O Pai está relacionado ao Filho como aquele que gera o Filho eternamente como seu Verbo. O Filho está relacionado ao Pai como aquele que se origina do Pai eternamente. O Espírito origina-se eternamente do Pai e do Filho como seu amor espiritual e, portanto, ele está eternamente relacionado a eles. A partir desse tipo de pensamento sobre procissões e relações, podemos desenvolver a ideia de pessoas. O Pai é a pessoa que dá origem à vida trinitária, que eternamente gera o Filho e espirra o Espírito Santo. Ele comunica toda a vida de Deus, a essência de Deus ao Filho e ao Espírito para que possuam tudo o que o Pai possui. O Filho e o Verbo é aquele gerado eternamente pelo Pai, que dele procede e com ele se relaciona e que, com o Pai, sopra o Espírito. O Espírito é a pessoa eterna que é amor espiritual, amor subsistente emanado do Pai e do Filho.

Por que falamos de geração? É claro que não queremos dizer que o Filho eterno de Deus é gerado fisicamente pelo Pai, isso representaria um grave mal-entendido. O eterno Filho de Deus é o Verbo de Deus ou conceito, você pode dizer, por analogia, a Razão. A geração em questão é imaterial, mas a noção de filiação sugere a comunicação de uma natureza. Um pai comunica a seu filho a natureza humana que ele possui, mas o Pai divino comunica ao Filho divino, a natureza divina, que é totalmente imaterial. Essa geração imaterial, essa comunicação da vida divina, é análoga à formulação de um conceito em nossas mentes. Pense o que você é em uma palavra, em uma ideia, em um conceito. Em nós, um conceito é uma coisa muito frágil. Pode ir e vir. É uma pequena propriedade do nosso ser, mas quando o Pai concebe o Verbo eterno, ele transmite ao Filho eterno para ter em si a plenitude, a plenitude da natureza divina imaterial, e é por isso que dizemos no Credo que o Filho de Deus é luz da luz, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro.

O Pai, o Filho e o Espírito Santo são um por serem uma essência. Esta é uma ideia clássica contida implicitamente no Evangelho de João. Por exemplo, quando Jesus diz: “Antes que Abraão existisse, eu sou” e atribuiu a si mesmo o nome divino, ele é um com o Pai, como também diz naquele Evangelho. A Igreja usa aqui um termo técnico do grego, homoousios, consubstancial para denotar que tudo o que está no Pai como Deus em virtude da natureza divina é dado ou comunicado ao Filho e o Filho possui tudo o que está no Pai. Isso não significa que o Pai deixa de ser Deus quando gera o Filho. Significa que o Pai, que é eternamente Deus, também comunica ao Filho eternamente a plenitude da vida divina, de modo que tudo no Filho vem do Pai e tudo no Pai está no Filho. Como Jesus diz nos Evangelhos: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Cada um deles é o único Deus, por isso dizemos do Filho que ele é Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, mas podemos dizer isso também do Espírito. O Espírito Santo é o único Deus que recebe tudo o que está no Pai e no Filho por meio do sopro. Esse tipo de reflexão só faz sentido em primeiro lugar porque viemos a descobrir Cristo como Deus e o homem pessoalmente na fé e a descobrir o Pai e o Espírito. Mas porque temos essa relação pessoal com a Santíssima Trindade, podemos refletir sobre isso. E, ao fazer isso, entendemos mais profundamente quem é que conhecemos e amamos. Cristo é a palavra não criada do Pai, o Filho eterno de Deus. Ele é a sabedoria do Pai que se tornou humano por nossa causa. O Espírito Santo é o amor eternamente espirituoso do Pai e do Filho que foi enviado ao mundo para santificar a Igreja e permitir que estejamos unidos a Deus.

As pessoas do Filho e do Espírito são dadas a nós para nos conduzir ao Pai. Portanto, pensar sobre a Trindade e rezar a ela não são atividades idênticas, mas certamente não são opostas ou desunidas também. Na verdade, as duas atividades andam naturalmente juntas e ajudam a sustentar uma a outra.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat