O simbolismo e o significado do ícone da Sarça Ardente da Mãe de Deus

A Sarça Ardente é uma das imagens bíblicas mais vívidas. Ela inspirou muitos artistas e escritores. No entanto, o ícone da Mãe de Deus da Sarça Ardente é realmente a imagem mais significativa e abrangente. Se lembramos que os cristãos primitivos costumavam chamar os ícones de Evangelho pintado, o ícone da Sarça Ardente pode ser chamado de Bíblia pintada porque suas imagens representam algumas narrativas retiradas do Novo e do Antigo Testamento.

Pertence ao quarto e último tipo de iconografia mariana, o acátisto. Em outras palavras, ilustra um certo termo descritivo usado no Acátisto ou em outras obras de poesia da Igreja para caracterizar a Mãe de Deus. Desta vez, aponta para o protótipo da Virgem Maria, no Antigo Testamento: a Sarça Ardente.

O arbusto em questão é chamado hebraico de Senekh, um espinheiro. Segundo a maioria dos estudiosos da Bíblia, ele pertence a uma certa espécie de mimosa ou acácia, que cresce no deserto. O Monte Sinai estava coberto de espinhos a tal ponto que seu nome em hebraico, Senen, significa literalmente “espinho”.

Lemos no Antigo Testamento que o Profeta Moisés veio ao Monte Sinai e viu um arbusto que estava queimando, mas não era consumido pelo fogo, e ouvimos a voz de Deus que lhe dizia para ficar longe desse arbusto e tirar os sapatos. Moisés estava em pé na terra santa. “O anjo de Iahweh lhe apareceu numa chama de fogo, do meio de uma sarça. Moisés olhou, e eis que a sarça ardia no fogo, e a sarça não se consumida. Então disse Moisés: ‘Darei uma volta e verei este fenômeno estranho, verei porque a sarça não se consome’. Viu Iahweh que ele deu uma volta para ver. E Deus o chamou do meio da sarça. Disse: ‘Moisés, Moisés!’. Este respondeu: ‘Eis-me aqui”. (Êx 3,2–4).

Embora São Clemente de Alexandria considerasse a sarça ardente como uma imagem de Cristo, lembrando a coroa de espinhos que foi feita para Jesus, havia muitos outros teólogos que viram a sarça ardente como um símbolo da Theotokos que é “sempre virgem, antes, durante e depois do nascimento de Jesus Cristo”. Foi ela quem conseguiu conter a natureza ígnea de Deus, o Filho, sem ser consumida: foi assim que São Gregório de Nissa e São João Crisóstomo interpretaram essa passagem.

Os textos de louvor se referem à Mãe de Deus em conjunto com esse símbolo do Antigo Testamento mais de uma vez:

O arbusto ardente revelou a imagem da Vossa imaculada natividade. Por isso, hoje nós Vos pedimos: extingui a fornalha das tentações acesa em nós, para podermos exaltar-Vos sem cessar, ó Mãe de Deus. (Octoico, tom 1, Ode 9 nas matinas de domingo).

Ó Virgem gloriosa! Moisés, com os seus olhos proféticos, viu em Vós um mistério, a sarça ardente que não se consumia, pois o fogo da Divindade, ó Puríssima, não queimou o Vosso ventre. Por isso, Vos pedimos, ó Mãe de nosso Deus: rogai ao mundo a paz e grande misericórdia.  (Octoico, tom 1, estrofes posteriores nas Vésperas de segunda-feira).

A Sarça Ardente simboliza a inocência da Mãe de Deus. Ela nasceu na terra para pessoas pecadoras comuns como nós, mas permaneceu pura e não cometeu nenhum pecado nem aceitou erros.

As pessoas começaram a pintar ícones da Mãe de Deus da Sarça Ardente durante os primeiros séculos da era cristã. A imagem da Theotokos foi colocada dentro de um arbusto em chamas. Na maioria das vezes, a imagem da Theotokos pertencia ao tipo Hodegetria (literalmente, ELa que mostra o caminho). O ícone foi se tornando mais complexo com o tempo: primeiro, eles adicionaram dois rombos cruzados, um vermelho e um verde ou azul. O losango vermelho simboliza a terra, enquanto o verde ou azul simboliza o céu. Vermelho também significa fogo, enquanto pontos verdes no mato, que estão queimando e ainda não são consumidos pelo fogo. A Virgem Maria é retratada com vários símbolos: uma escada (uma representação simbólica da Mãe de Deus no Antigo Testamento, vista por Jacó em um sonho) e uma casa (como a Igreja terrena). Se olharmos para os raios das estrelas que são formadas pela interseção do losango, veremos alguns anjos – os governantes dos fenômenos naturais – nos raios da primeira estrela (a azul). Existem símbolos dos quatro Santos Evangelistas mencionados na Revelação nos raios da estrela vermelha ardente, a saber, um anjo (Mateus), uma águia (João), um boi (Lucas) e um leão (Marcos). Depois, existem anjos (espíritos de sabedoria, razão, reverência e piedade) e arcanjos nas nuvens de dois lóbulos. Existem seis arcanjos, cada um com seu próprio sinal: Miguel, uma barra; Gabriel, um ramo da Anunciação; Rafael, um navio de alabastro; Uriel, uma espada de fogo, Salatiel, um incensário; Baraquiel, um cacho de uvas. Há visões dos profetas nos quatro cantos do ícone: a aparição da Mãe de Deus do Sinal a Moisés na sarça; a aparição de um serafim com carvão queimado ao profeta Isaías; a visão do portão trancado ao profeta Ezequiel; e a visão de uma escada de ouro com anjos para Jacó.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat