O mundo das plantas na iconografia

Nós já publicamos um artigo explicando que o ícone é antropocêntrico, mas ao mesmo tempo também retrata as plantas que cercam o homem em sua vida terrena. Exceto pelo fato de não ser uma paisagem clássica e egocêntrica, como a conhecemos nos trabalhos de artistas, mas a representação do mundo ideal e transfigurado, ou do mundo antes da queda; é um conjunto de símbolos. Uma planta ou uma árvore nos primeiros ícones não é uma árvore em particular, é muitas vezes até difícil dizer o que é: algum tipo de impressão que se parece mais com um hieróglifo, uma folha seca em um livro. Isso mostra que é um símbolo e não algo específico na frente de quem vê o ícone.

Quando Deus criou o homem, Ele não o colocou no caos ou no deserto; Ele colocou o homem no Jardim do Éden. Plantas e animais foram criados antes que os humanos. O próprio Senhor age como o jardineiro que plantou este belo jardim e colocou o homem nele. Depois da queda, o homem que foi expulso do Jardim do Éden pôde finalmente recuperar a esperança graças ao Jardim do Getsêmani, onde o Senhor rezou, e depois ao jardim em que havia a caverna que se tornou o local do sepulcro do Salvador. Maria Madalena não encontrou o corpo de Jesus no sepulcro, então se voltou para Aquele que ressuscitou e pensou que Ele era um jardineiro. É por isso que as plantas retratadas nos afrescos e nos ícones simbolizam, antes de tudo, o paraíso: o bom ladrão é retratado nos ícones entre pequenas árvores,

Muitos símbolos de plantas nos ícones são emprestados do Evangelho.

A videira se tornou o símbolo do próprio Cristo, que falou diretamente dela: “Eu sou a verdadeira videira, e meu Pai é o agricultor” (João 15, 1). Existe até uma imagem iconográfica, refletindo diretamente estas palavras: “Eu sou a verdadeira videira”.

O tema das uvas, videiras e vinhedos permeia todo o Evangelho, de modo que a imagem de uvas, folhas e frutos de videira é frequentemente encontrada não apenas na iconografia, mas também em miniaturas de livros, bordados de ouro, afrescos, mosaicos.

Outra imagem bíblica famosa e favorita do mundo das plantas é o lírio branco. Tornou-se um símbolo de pureza e castidade, talvez devido em grande parte a artistas ocidentais que retratavam o Arcanjo Gabriel com um lírio branco nas mãos na cena da Anunciação.

Os lírios do campo são um símbolo do cuidado e da orientação do Senhor: o próprio Senhor aponta para eles, falando da Providência de Deus que atua na vida de todo homem: “Observai os lírios do campo, como crescem, e não trabalham nem fiam” (Mateus 6,28). As imagens de flores na iconografia são frequentemente pintadas nos ícones da Virgem Maria, chamada “A Flor Perene”, “A Flor Abençoada”.

A Sarça Ardente simboliza a Virgem Maria, que permaneceu imaculada após a encarnação e após o nascimento do Filho de Deus. No entanto, a planta em si só pode ser vista nos primeiros ícones; imagens posteriores representam um evento bíblico na forma de uma alegoria complexa. A imagem da Mãe de Deus com o Menino é encerrada em uma estrela de oito pontas formada por verde (a cor das folhas) e vermelho (a cor do fogo).

Existem outras imagens do mundo das plantas que são emprestadas diretamente do Evangelho. Por exemplo, a figueira, mencionada várias vezes no Evangelho: tanto como um símbolo de inutilidade quanto como a árvore em que Zaqueu subiu para ver o Senhor.

Outro exemplo são as ervas daninhas e o joio, que eram a expressão tangível da queda, afetando toda a criação. “Produzirá para ti espinhos e cardos”, Adão ouve de Deus (Gênesis 3,18).

No entanto, em alguns ícones, as plantas são apenas detalhes da paisagem circundante, indicando-nos o local de origem do santo ou o local de sua exploração, como o deserto no ícone de Santa Maria do Egito.

No entanto, devemos admitir que, com o tempo, a paisagem iconográfica se tornou cada vez mais naturalista, causada pela secularização da mentalidade e pelo declínio geral da arte da Igreja.

Não há detalhes supérfluos nos ícones. Eles nos falam não apenas sobre Cristo, a Mãe de Deus e os santos, mas também sobre o mundo todo como um grande ícone, a implementação da intenção criativa do Eterno Iconógrafo. Quando colocadas na composição e no espaço do ícone, as imagens das plantas adquirem significado espiritual e simbólico.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat