Santo Tomás de Aquino e as cinco vias para a demonstração da existência de Deus

O famoso trabalho de Tomás de Aquino, chamado Summa Theologiae, tem três partes principais. A primeira parte trata da presença de Deus na criação. A segunda parte trata da presença de Deus pela graça nas almas dos justos. A terceira parte trata da presença de Deus em Cristo e em seu corpo místico, a Igreja.

A obra é realmente uma meditação prolongada sobre a presença de Deus, mas uma das maiores questões de todos os tempos é se Deus existe, e Tomás leva a questão adiante com suas famosas cinco vias para a demonstração da existência de Deus. Neste post, faremos um breve esboço das cinco vias, mas vamos primeiro perguntar como os seres humanos podem conhecer a existência de Deus. Uma maneira de conhecer a existência de Deus é adotando a fé com base no que a Bíblia diz. Mas Tomás está bem ciente de que a própria Bíblia nos diz que há outra maneira de conhecer a existência de Deus. Na Epístola aos Romanos 1,20, São Paulo nos diz que a existência de Deus é conhecida por todos, pelo menos de uma maneira geral e confusa da beleza e bondade do mundo natural. Esta passagem é um resumo de uma passagem mais longa no Livro da Sabedoria 13, 1-9. As duas passagens nos dizem que esperamos encontrar seres humanos que nunca leram a Bíblia, mas sabem que Deus existe apenas a partir de sua experiência e reflexão racional sobre o mundo natural.

Quando Tomás de Aquino se voltou para os escritos de filósofos pagãos antigos, ele descobriu exatamente isso. Ele encontrou pessoas que nunca haviam lido a Bíblia, mas que haviam argumentado seriamente pela existência de Deus. Os escritos dos antigos filósofos pagãos confirmaram o ensino bíblico de que é possível aos seres humanos conhecer a existência de Deus sem sequer ter lido a Bíblia. Por essas duas razões, Tomás de Aquino ensinou que os seres humanos têm um conhecimento natural de Deus, ou, em outras palavras, que podemos conhecer a existência de Deus usando nossa razão natural ou inteligência humana. Esse é o tipo de conhecimento que estamos explorando aqui, nosso conhecimento natural de Deus.

Tomás de Aquino não disse que nosso conhecimento natural de Deus sempre foi explícito, claro ou fácil de encontrar. Ele não afirmou que a existência de Deus era inegável. Em vez disso, ele pensava no conhecimento natural de Deus como sendo em um espectro de desenvolvimento cognitivo. Todo mundo tem um conhecimento comum e confuso da existência de Deus, mas, como qualquer outra forma de conhecimento, esse conhecimento comum e confuso de Deus está aberto ao desenvolvimento para aqueles que têm tempo, interesse e dons intelectuais para desenvolvê-lo. Tomás também percebeu que era difícil desenvolver nosso conhecimento natural de Deus, e muitos fatores estão no caminho. Dependendo das circunstâncias culturais, as pessoas o desenvolverão mais ou menos, mas geralmente não em sua perfeição máxima. Mas, diz ele, algumas pessoas depois de muito tempo, e ainda com alguns erros misturados, desenvolverão seu conhecimento natural de Deus a tal ponto que possam oferecer demonstrações filosoficamente rigorosas para a existência de Deus e responder a todas as objeções a essas provas com grande habilidade dialética.

Essa é a tarefa que ele assume na famosa passagem sobre as cinco vias e em outros escritos mais extensos sobre o assunto. Então, como sabemos exatamente a existência de Deus? O princípio básico por trás das cinco vias é que conhecemos a existência de Deus a partir de nossa experiência no mundo da natureza e procuramos uma explicação definitiva para ele. Usamos o mesmo tipo de raciocínio que usamos quando sabemos a existência de qualquer causa invisível a partir de efeitos visíveis. Por exemplo, se estou dirigindo pela estrada e vejo uma nuvem de fumaça subindo do horizonte, posso deduzir que deve haver um incêndio, mesmo que eu não o veja, mesmo que esteja bloqueado da minha vista. O fogo é invisível, mas a fumaça que produz não é, e eu sei a existência da causa invisível pelo efeito visível. Ou, da mesma forma, se eu acordo uma manhã com dor de garganta, deduzo que tenho algum tipo de infecção ou vírus. Não vejo a infecção ou o vírus. A causa da dor de garganta é invisível, mas eu sei que ela existe justificando a experiência dos sintomas. O mesmo acontece com o nosso conhecimento de Deus. O que vemos ou experimentamos ao nosso redor é o mundo natural. Deus é invisível. Não o vemos, mas pelo que vemos e vivenciamos no mundo natural, podemos inferir que algo deve estar por trás de tudo. Algo é responsável pela grandeza, a beleza, a ordem do mundo.

Tomás de Aquino pensou que essa inferência da ordem do mundo para a existência de algo responsável pela ordem do mundo era tão fundamental que quase todos os seres humanos pensam dessa maneira. Mas ele também percebeu que essa inferência ou argumento era algo como uma semente. A semente pode se desenvolver e crescer através do estudo e da aplicação da mente às muitas questões filosóficas envolvidas na inferência, mas a semente também pode ser esmagada pelo apego ao pecado, negação, filosofias falsas e outras condições adversas que a arruínam. Portanto, não estamos comprometidos em dizer que o agnosticismo e o ateísmo são impossíveis. Eles podem até se tornar predominantes em algumas sociedades, mas estamos comprometidos em dizer que a teologia natural é possível para os seres humanos.

Tomás de Aquino é um exemplo de alguém que desenvolveu esse conhecimento natural de Deus em um grau extremamente alto. O que ele fez foi pegar o argumento geral da ordem da natureza e analisá-lo em linhas muito mais específicas. Para explicar isso, vamos fazer um esboço de cada uma das cinco vias.

Na primeira via, começamos com nossa experiência da ordem no movimento ou mudança das coisas que nos rodeiam na natureza, e um estudo cuidadoso de que movimento e mudança nos levam a concluir que deve haver um primeiro motor ou um motor imóvel ou uma suprema fonte de mudança nas coisas.

Na segunda via, começamos com nossa experiência de uma ordem de causa e efeito nas coisas ao nosso redor. Quando refletimos cuidadosamente sobre o que é causalidade, aprendemos que, para que haja causas em ação, deve haver uma primeira causa ou uma causa sem causa.

Da terceira via, começamos considerando a ordem dos seres contingentes, coisas que existem, mas não precisam existir. Quando refletimos sobre as coisas que existem, mas não precisam existir, naturalmente perguntamos por que elas existem? Isso leva à conclusão de que deve haver uma fonte da própria existência de seres contingentes e que a fonte não pode existir. A fonte simplesmente é.

Na quarta via, observamos como as coisas ao nosso redor existem em graus de perfeição e os graus de perfeição levam à conclusão de que deve haver um ser perfeito, a fonte do ser em tudo o mais.

E finalmente, da quinta via, encontramos na natureza que coisas sem inteligência agem em prol de fins. As abelhas trabalham para produzir mel, mesmo que não tenham inteligência adequada. Coisas sem inteligência não podem funcionar em prol de um fim, a menos que uma inteligência superior as esteja dirigindo. Isso nos leva a concluir que deve haver uma mente ou inteligência suprema por trás de tudo.

O que apresentamos aqui são apenas esboços dos argumentos, e pode-se passar a vida inteira considerando todos os problemas que os cercam, mas mesmo os esboços nos dão uma maneira de começar a meditar na presença de Deus e do mundo ao nosso redor. Deus está presente nas coisas, movendo-as, causando-as, dando-lhes existência e dirigindo o curso de tudo.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat