Uma introdução ao estoicismo: por que a filosofia antiga é essencial para a vida moderna?

Quando a maioria das pessoas pensa em “filosofia”, o brilho de seus olhos desaparece. É a última coisa que elas querem, muito menos algo que elas precisam.

Mas isso, como você já sabe, é bobo e ingênuo.

Filosofia não é apenas falar ou dar palestras, ou mesmo ler livros longos e densos. De fato, é algo que homens e mulheres usam de ação – e usaram ao longo da história – para resolver seus problemas e alcançar seus maiores triunfos. Não na sala de aula, mas no campo de batalha, no fórum e na corte.

Como o filósofo americano Thoreau colocou, “ser filósofo não é apenas ter pensamentos sutis, nem mesmo fundar uma escola… é resolver alguns dos problemas da vida, não apenas teoricamente, mas praticamente”.

Esse tipo de filosofia tem sido praticado por poetas, imperadores, políticos e soldados, bem como pessoas comuns para ajudar com seus próprios problemas e os de seus amigos, familiares e seguidores há milhares de anos. Essa sabedoria ainda está disponível para nós.

A melhor das quais é o estoicismo – há muito considerado a mais prática de todas as filosofias.

Uma breve sinopse sobre essa escola particular de filosofia helenística: o estoicismo foi fundado em Atenas, por Zenão de Cítio, no início do século III a.C., mas foi famosa por pessoas como Epicteto, Cato, Sêneca e Marco Aurélio. A filosofia afirma que virtude (como a sabedoria) é felicidade e julgamento deve ser baseado no comportamento, e não nas palavras. Que não controlamos e não podemos confiar em eventos externos, apenas em nós mesmos e em nossas respostas.

Mas, na raiz do pensamento, existe uma maneira de viver muito simples, embora não fácil: pegue os obstáculos da sua vida e transforme-os em oportunidade, controle o que você pode e aceite o que não pode.

Nas palavras de Epicteto: “Na vida, nosso primeiro trabalho é este: dividir e distinguir as coisas em duas categorias: coisas externas que não posso controlar, mas as escolhas que faço em relação a elas, eu controlo. Onde vou encontrar o bem e o mal? Em mim, nas minhas escolhas.”

Surpreendentemente, ainda temos acesso a essas ideias, apesar de muitos dos maiores estoicos nunca escreverem nada para publicação. Cato definitivamente não. Marco Aurélio nunca pretendeu que as Meditações fossem nada além de pessoais. As cartas de Sêneca eram, bem, cartas e os pensamentos de Epicteto chegam até nós por meio das anotações de um aluno.

E assim foi a partir do exemplo deles, de suas ações, que encontramos uma filosofia real.

Porque, além do estudo comum da filosofia, os estoicos eram todos homens de ação – e isso provavelmente não é uma coincidência. Marco Aurélio foi imperador do império mais poderoso da história do mundo. Cato, o exemplo moral de muitos filósofos, defendeu a república romana com bravura estoica até sua morte desafiadora. Até Epicteto, o conferencista, não possuía uma posição confortável – ele era um ex-escravo.

E isso não deveria ser tão surpreendente…

O filósofo e escritor moderno Nassim Nicholas Taleb define estoico como alguém que “transforma medo em prudência, dor em informação, erros em iniciação e desejo em empreender”.

Usando essa definição como modelo, podemos ver que, ao longo dos séculos, o estoicismo tem sido um fio comum de alguns dos grandes líderes da história. Foi praticado por reis, presidentes, artistas, escritores e empresários. Homens históricos e modernos ilustram o estoicismo como um modo de vida.

Dizia-se que o rei da Prússia, Frederico, o Grande, andava com as obras dos estoicos em seus alforjes, porque eles poderiam, em suas palavras, “sustentá-lo na desgraça”. Enquanto isso, Montaigne, o político e ensaísta, tinha uma linha de Epicteto esculpida na trave acima do escritório em que ele passava a maior parte do tempo.

As teorias do economista Adam Smith sobre a interconectividade do mundo – capitalismo – foram significativamente influenciadas pelo estoicismo que ele estudou quando menino, sob um professor que havia traduzido as obras de Marco Aurélio. O pensador político John Stuart Mill escreveu sobre Marco Aurélio e Estoicismo em seu famoso tratado On Liberty, chamando-o de “o mais alto produto ético da mente antiga”.

Mas aqueles influenciados pelos estoicos continuam…

Eugène Delacroix, o renomado artista romântico francês (mais conhecido por sua pintura Liberty Leading the People) era um ardente estoico, referindo-se a ele como sua “religião consoladora”.

Toussaint Louverture, ele próprio, um ex-escravo que desafiou um imperador ao liderar a revolução haitiana, leu e foi profundamente influenciado pelas obras de Epicteto.

Theodore Roosevelt, depois de sua presidência, passou oito meses explorando (e quase morrendo) as selvas desconhecidas da Amazônia, e dos oito livros que ele tinha na jornada, dois eram Meditações de Marco Aurélio e Enquirídio de Epicteto.

Veja bem, o estoicismo – e a filosofia – não são domínios de professores ociosos. Eles são o socorrista dos bem-sucedidos e os homens e mulheres de ação. Como Thoreau colocou: “Ser filósofo não é apenas ter pensamentos sutis, nem mesmo fundar uma escola… é resolver alguns dos problemas da vida não apenas teoricamente, mas praticamente”.

Para mais posts como esse, podcast e vídeos, acompanhe o nosso blog e conecte-se conosco em nossas redes sociais. E não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat