3 ações práticas dos estóicos para você começar hoje

1. A Dicotomia do Controle

“A principal tarefa da vida é simplesmente a seguinte: identificar e separar os assuntos para que eu possa dizer claramente a mim mesmo quais são os aspectos externos que não estão sob meu controle e que têm a ver com as escolhas que eu realmente controlo. Onde, então, procuro o bem e o mal? Não para externos incontroláveis, mas dentro de mim para as escolhas que são minhas…” Epicteto

A prática mais importante da filosofia estoica é diferenciar entre o que podemos mudar e o que não podemos. Sobre o que temos influência e o que não temos. Um voo está atrasado devido ao clima – nenhuma quantidade de gritos com um representante da companhia aérea terminará uma tempestade. Nenhuma quantidade de desejos o tornará mais alto, mais baixo ou nascerá em um país diferente. Não importa o quanto você tente, você não pode fazer alguém como você. Além disso, o tempo gasto se arremessando contra esses objetos imóveis é o tempo não gasto nas coisas que podemos mudar.

Volte a esta pergunta diariamente – em todas as situações difíceis. Se você se concentrar em esclarecer quais partes do seu dia estão sob seu controle e quais não estão, você não apenas ficará mais feliz, como também terá uma vantagem distinta sobre outras pessoas que não perceberem que estão travando uma batalha invencível.

2. Diário

“Poucos se preocupam com as marchas e contramarcas dos comandantes romanos. O que os séculos se apegaram é um caderno de pensamentos de um homem cuja vida real era amplamente desconhecida, que abafou na escuridão da meia-noite não os eventos do dia ou os planos do dia seguinte, mas algo de interesse muito mais permanente, os ideais e aspirações pelas quais um espírito raro viveu.” – Brand Blanshard

Epicteto, o escravo. Marco Aurélio, o imperador. Sêneca, o dramaturgo. Esses três homens radicalmente diferentes levaram vidas radicalmente diferentes. Mas eles pareciam ter um hábito em comum: o registro em um diário.

Seria Epicteto quem advertiria seus alunos de que a filosofia era algo que eles deveriam “escrever dia após dia”, que essa escrita era como eles “deveriam se exercitar”. O horário favorito de Sêneca para fazer diário era à noite. Quando a escuridão cai e sua esposa adormece, ele explica a um amigo: “Examino meu dia inteiro e volto ao que fiz e disse, sem esconder nada de mim mesmo, sem deixar passar nada”. Então ele ia para a cama, descobrindo que “o sono que se segue a esse autoexame” era particularmente doce. E Marco, ele foi o mais prodigioso dos que escreveram diários, e temos a sorte de que seus escritos sobreviveram a nós, apropriadamente intitulados, Τὰ εἰς ἑαυτόν (Ta eis heauton), ou “para si mesmo”.

No estoicismo, a arte de escrever um diário é mais do que um simples diário. Essa prática diária é a filosofia. Preparando-se para o dia seguinte. Refletindo sobre o dia que passou. Lembrar a si mesmo da sabedoria que aprendemos de nossos professores, de nossa leitura, de nossas próprias experiências. Não basta ouvir essas lições uma vez; em vez disso, as praticamos repetidamente, as revertemos em sua mente e, o mais importante, as anotamos e as sentimos fluindo pelos dedos ao fazê-lo.

O estoicismo é projetado para ser uma prática e uma rotina. Não é uma filosofia que você lê uma vez e entende magicamente no nível da alma. Não, é uma busca ao longo da vida que requer diligência, repetição e concentração. (Pierre Hadot chamou de exercício espiritual). Dessa maneira, o registro no diário é estoicismo. É quase impossível ter um sem o outro.

3. Pratique o infortúnio

“É em tempos de segurança que o espírito deve se preparar para tempos difíceis; enquanto a fortuna está dando favores, é hora de se fortalecer contra seus repulsos.” – Sêneca

Sêneca, que desfrutava de grande riqueza como conselheiro de Nero, sugeriu que deveríamos reservar um certo número de dias por mês para praticar a pobreza. Tome um pouco de comida, vista suas piores roupas, afaste-se do conforto de sua casa e cama. Coloque-se frente a frente com a falta, ele disse, e você se perguntará: “É isso que eu costumava temer?”

É importante lembrar que este é um exercício e não um dispositivo retórico. Ele não quer dizer “pensar em” infortúnio, ele diz para vivê-lo. O conforto é o pior tipo de escravidão, porque você sempre tem medo de que algo ou alguém o leve embora. Mas se você não pode apenas antecipar, mas praticar o infortúnio, o acaso perde a capacidade de atrapalhar sua vida.

Emoções como ansiedade e medo têm raízes na incerteza e raramente na experiência. Quem fez uma grande aposta em si mesmo sabe quanta energia os dois estados podem consumir. A solução é fazer algo sobre essa ignorância. Familiarize-se com as coisas, os piores cenários, dos quais você tem medo.

Pratique o que você teme, seja uma simulação em sua mente ou na vida real. A desvantagem é quase sempre reversível ou transitória.

Para mais posts como esse, podcast e vídeos, acompanhe o nosso blog e conecte-se conosco em nossas redes sociais. E não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat