Quais são as 4 virtudes da filosofia estoica?

Coragem. Temperança. Justiça. Sabedoria.

Elas são os valores mais essenciais na filosofia estoica. “Se, em algum momento de sua vida”, Marco Aurélio escreveu, “tu deves encontrar algo melhor do que justiça, verdade, autocontrole, coragem – deve ser algo realmente extraordinário”. Isso foi há quase vinte séculos. Descobrimos muitas coisas desde então – automóveis, internet, cura de doenças que antes eram sentenças de morte –, mas encontramos algo melhor?

… do que ser corajoso.
… do que moderação e sobriedade.
… do que fazer o que é certo.
… do que verdade e entendimento?

Não, nós não temos. É improvável que alguma vez iremos. Tudo o que enfrentamos na vida é uma oportunidade de responder com essas quatro virtudes:

Coragem

Se você leu algum romance sombrio que corta o âmago da vida e o que todos devemos fazer para viver uma vida digna de ser vivida, você saberá que o mundo exige ou ao menos quer saber se temos coragem.

Os estóicos podem ter formulado isso de maneira um pouco diferente. Sêneca diria que ele realmente teve pena de pessoas que nunca experimentaram o infortúnio. “Tu passaste a vida sem um oponente”, disse ele, “ninguém pode saber do que tu és capaz, nem mesmo tu.”

O mundo quer saber em que categoria o colocar, e é por isso que ocasionalmente envia situações difíceis do seu jeito. Pense nelas não como inconvenientes ou até tragédias, mas como oportunidades, como perguntas para respostas. Sou corajoso? Vou enfrentar esse problema ou fugir dele? Vou me levantar ou ser derrubado?

Deixe suas ações gravar uma resposta no registro – e lembre-o de por que a coragem é a coisa mais importante.

Temperança

Naturalmente, a vida não é tão simples a ponto de dizer que a coragem é o que importa. Embora todos admitam que a coragem é essencial, também estamos todos cientes de pessoas cuja bravura se transforma em imprudência e se torna uma falha quando começam a colocar em perigo a si mesmas e aos outros.

É aqui que entra Aristóteles. Na verdade, Aristóteles usou a coragem como exemplo principal em sua famosa metáfora de uma “média de ouro” ou doutrina do mesotês ou do meio-termo. Em uma extremidade do espectro, ele disse, havia covardia – isso é uma deficiência de coragem. Por outro lado, havia imprudência – muita coragem. O que era necessário, o que solicitávamos então era uma média de ouro. A quantidade certa.

É disso que se trata a temperança ou moderação: não fazer nada em excesso. Fazendo a coisa certa, na quantidade certa, da maneira certa. Porque “somos o que fazemos repetidamente”, diz Aristóteles, “portanto, a excelência não é um ato, mas um hábito”.

Em outras palavras: virtude e excelência são um modo de vida. É fundamental. É como um sistema operacional e o código em que esse sistema opera é um hábito.

Como Epicteto diria mais tarde, “a capacidade é confirmada e cresce em suas ações correspondentes, andando andando e correndo correndo… portanto, se tu quiserdes fazer alguma coisa, cria o hábito”. Portanto, se queremos ser felizes, se queremos ser bem-sucedidos, se queremos ser ótimos, temos que desenvolver a capacidade, temos que desenvolver os hábitos cotidianos que permitem que isso aconteça.

Esta é uma grande notícia. Porque isso significa que resultados impressionantes ou enormes mudanças são possíveis sem esforço hercúleo ou fórmulas mágicas. Pequenos ajustes, bons sistemas, processos corretos – é o que é preciso.

Justiça

Ser corajoso. Encontrando o equilíbrio certo. Essas são as virtudes estoicas centrais, mas, na sua seriedade, empalidecem em comparação com o que os estoicos adoravam mais: fazer a coisa certa.

Não há virtude estoica mais importante que a justiça, porque ela influencia todas as outras. O próprio Marco Aurélio disse que a justiça é “a fonte de todas as outras virtudes”. Os estoicos ao longo da história têm pressionado e defendido a justiça, muitas vezes em grande risco pessoal e com grande coragem, a fim de fazer grandes coisas e defender as pessoas e ideias que amavam.

  • Catão deu a vida tentando restaurar a República Romana.
  • Trásea e Agripino resistiram à tirania de Nero.
  • George Washington e Thomas Jefferson formaram uma nova nação – uma que procuraria, ainda que imperfeitamente, lutar pela democracia e pela justiça – amplamente inspirada na filosofia de Catão e dos outros estoicos.
  • Beatrice Webb, que ajudou a fundar a London School of Economics e que primeiro conceituou a ideia de negociação coletiva, releu regularmente Marco Aurélio.

Inúmeros outros ativistas e políticos se voltaram para o estoicismo para cingi-los contra a dificuldade de lutar pelos ideais que importavam, para guiá-los para o que era certo em um mundo de tanta coisa errada. Um estoico deve acreditar profundamente que um indivíduo pode fazer a diferença. Ativismo de sucesso e manobras políticas exigem compreensão e estratégia, além de realismo… e esperança. Requer sabedoria, aceitação e também uma recusa em aceitar a estátua quo.

Um estoico vê o mundo claramente… mas também vê claramente o que o mundo pode ser. E então eles são corajosos e estratégicos o suficiente para ajudar a torná-lo realidade.

Sabedoria

Coragem. Temperança. Justiça. Essas são as virtudes críticas da vida. Mas que situações exigem coragem? Qual é a medida certa? Qual é a coisa certa? É aqui que a virtude final e essencial entra: a sabedoria. O saber. O aprendizado. A experiência necessária para navegar no mundo.

A sabedoria sempre foi valorizada pelos estoicos. Zenão disse que recebemos dois ouvidos e uma boca por um motivo: ouvir mais do que falamos. E como temos dois olhos, somos obrigados a ler e observar mais do que falamos também.

Hoje, é essencial, como no mundo antigo, ser capaz de distinguir entre as vastas agregações de informações que existem à sua disposição – e a verdadeira sabedoria de que você precisa para viver uma vida boa. É fundamental que estudemos, que mantenhamos nossas mentes sempre abertas. Você não pode aprender o que pensa que já conhece, disse Epicteto. É verdade.

É por isso que precisamos não apenas ser estudantes humildes, mas também procurar bons professores. É por isso que devemos sempre estar lendo. É por isso que não podemos parar de treinar. É por isso que temos que ser diligentes em filtrar o sinal do ruído.

O objetivo não é apenas adquirir informações, mas o tipo certo de informação. São as lições encontradas em Meditações e também nos escritos de Epicteto. São os principais fatos, destacando-se do ruído de fundo, que você precisa absorver.

Milhares de anos de uma visão brilhante estão disponíveis para o mundo. É provável que você tenha o poder de aprender o que quiser ao seu alcance. Portanto, hoje, honre a virtude estoica da sabedoria desacelerando, sendo deliberado e encontrando a sabedoria que você precisa.

Dois olhos, duas orelhas, uma boca. Permaneça um estudante. Aja de acordo – e com sabedoria.

Para mais posts como esse, podcast e vídeos, acompanhe o nosso blog e conecte-se conosco em nossas redes sociais. E não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat