7 lições de gestão do Papa Francisco

O papado de Francisco até agora foi marcado por humildade. Ele tem sido popular entre católicos e membros de outras religiões. Com foco na pobreza, ele fez da riqueza um alvo frequente de sua pregação.

Com isso, ele realmente forneceu alguns bons exemplos de liderança e gestão aos líderes empresariais e também ao clero. Ele tem mostrado o que os gerentes de negócios chamariam de melhores práticas. Aqui estão sete delas:

I. Ele vive pelo exemplo. O Papa Francisco, provavelmente de sua formação na Companhia de Jesus, quer uma Igreja austera, focada no simples. Ele diz: “Oh, como eu gostaria de uma Igreja pobre e para os pobres”. A pobreza é um tema recorrente.

A pobreza e o trabalho pelos mais pobres é tão importante para o Papa Francisco e tão importante para a Igreja que ele quer assim viver. Ele dirige seu próprio carro, um Renault 4 de 1984. Na manhã seguinte à sua eleição, ele saiu do hotel e pagou a conta – para surpresa dos proprietários. Nenhum padre ou bispo – ou vendedor ou funcionário – pode confundir seu mandato porque pode ver o chefe vivendo de maneira simples, mas significativa.

II. Ele conhece o valor da reforma. Ele tem feito muitas reformas na Cúria Romana, que administra a Igreja cotidiana. Reformar a organização tem sido uma prioridade. O Papa Francisco reuniu um grupo de consultores de todo o mundo para trabalhar na reforma da Cúria. Ele despojou o Secretário de Estado de alguns poderes importantes, distribuindo esses deveres entre mais cardeais. Ele selecionou muitos gerentes sem vínculos com Roma.

Os líderes empresariais iniciantes em uma organização sabem o quanto isso é difícil. É difícil reformar as instituições. É difícil mudar a cultura. Mas é possível. Se isso pode ser feito em uma organização com 2.000 anos, pode ser feito em qualquer lugar.

III. Ele se comunica claramente. Não há conversa corporativa com Francisco. Se a questão é homossexualidade, mulheres ou o papel da Igreja no mundo, ele é claro. Não há como distorcer o seu significado, ainda que alguns veículos de mídia tentem fazer isso, associando-o às ideologias.

IV. Ele toma decisões difíceis rapidamente e em voz alta. O Papa Francisco agiu de maneira decisiva, mudando a administração do Banco Vaticano, demitindo alguns de seus principais funcionários e criando uma comissão para estudar sua estrutura. Como parte da reforma da Cúria, ele criou um novo departamento, chamado Secretaria de Economia, especificamente para trazer transparência às finanças da Igreja. Quão fácil teria sido varrer os problemas financeiros da Igreja para debaixo do tapete? Quão tentador é para os gerentes esconderem seus maiores problemas, em vez de resolvê-los?

V. Ele colabora e aceita diversas visões. O Papa Francisco quer ouvir você. Ele gosta das pessoas. E ele gosta de diferentes tipos de pessoas. Ele parece beijar todos os bebês lançados contra ele na Praça de São Pedro. Por seus esforços de reforma financeira, ele convocou leigos e clérigos, algo raro para importantes iniciativas do Vaticano. Ele pessoalmente responde cartas escritas para ele de todo o mundo.

Subjacente a isso, parece o impulso de que a diversidade é boa – algo que os bons líderes sabem bem. Isso significa diversidade de opiniões, experiências, experiências e ideais. Um papa pode falar infalivelmente, o que significa que ninguém dos fiéis pode jamais questionar o que vem do alto. Por outro lado, Francisco lidera de baixo para cima, respeitando a opinião de um paroquiano aqui no Brasil tanto quanto a de um cardeal que passou décadas em um escritório em Roma.

VI. Ele conhece seus defeitos. Até agora, o Papa Francisco não tem uma citação maior do que o que ele disse à revista jesuíta América. Quando perguntado quem ele é, ele respondeu: “Eu sou um pecador. Esta é a definição mais precisa. Não é uma figura de linguagem, um gênero literário. Eu sou um pecador. Na fé católica, todos são pecadores e o papa não é exceção. Mas esse tipo de humildade é raro para alguém que usa um solidéu branco. Ele tem uma consciência única de sua humanidade, em um trabalho em que é mais fácil acreditar em sua divindade.

Os líderes empresariais conhecem essa armadilha. Frequentemente, ignoram suas próprias falhas, porque acreditam que o que estão fazendo é absolutamente a coisa certa, da maneira certa. Conhecer nossas falhas, possuir nossos erros, confessá-los e aprender com eles é essencial para a liderança.

VII. Ele sabe que não pode fazer isso sozinho. Quando o Papa Francisco tinha apenas 36 anos, ele foi encarregado de sua comunidade jesuíta na Argentina. Ele diz que era autoritário, não procurou aconselhamento e criou problemas. Como resultado, ele aprendeu que precisa de pessoas ao seu redor em quem possa confiar. “Quando confio algo a alguém, confio totalmente nessa pessoa”, disse ele na mesma entrevista à revista jesuíta América. “Ele ou ela deve cometer um grande erro antes de eu repreender.” A confiança é vital para uma boa liderança e gerenciamento. O Papa Francisco parece confiar naqueles diretamente abaixo dele, mas também confia em seus “clientes”, o Povo de Deus.

Aprenda mais sobre administração e gestão eclesial. Faça sua inscrição em nossa pós-graduação agora mesmo. Clique aqui para ir para a página do curso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat