Santo Tomás de Aquino e a causalidade de Deus

Um dos pontos mais importantes de confusão sobre o relacionamento entre fé e ciência é um erro filosófico sobre a diferença entre Deus e as criaturas, e especificamente sobre como Deus age no mundo de uma maneira muito diferente de todas as outras coisas.

Santo Tomás de Aquino se refere a isso como a distinção entre a causalidade primária – ou a primeira – de Deus e a causalidade secundária das criaturas. Diferente de toda criatura, Deus simplesmente é. Ele está sendo ele mesmo e, portanto, é absolutamente sem causa. Ele não está simplesmente em nosso mundo. Ele é a própria fonte do mundo. Tudo o mais, o universo e todas as coisas nele, todas essas coisas dependem radicalmente de Deus para seu próprio ser. Isso significa que Deus é um tipo de causa radicalmente diferente de qualquer outra coisa, porque ele dá a outras causas o seu próprio ser. Ele os faz serem o que são e, portanto, ele é a fonte de sua própria capacidade de causar e até a fonte da maneira precisa pela qual cada coisa funciona de acordo com o que é como causa de outras coisas. Chamamos isso de causalidade especial da causalidade primária de Deus.

A causalidade que as criaturas têm é chamada causalidade secundária. Isso é porque elas são causadas ​​por Deus. Essa forma criativa de causalidade é real e muito importante. É, de fato, precisamente o que a ciência moderna investiga corretamente. Toda causa que encontramos no mundo, desde que não falemos de milagre, é uma causa criativa, uma causa secundária. O fato de Deus dar causalidade secundária às criaturas é resultado de duas coisas: a infinidade de seu poder (que Deus daria aos outros, o poder de ser uma causa), e também mostra a bondade de Deus (porque Ele deseja que as criaturas tenham a perfeição de ser causas reais, até causas de bondade nos outros).

O princípio de Aquino de causalidade secundária (e a distinção entre causalidade criativa e causalidade primária de Deus) nos impede de cair em dois erros comuns. O primeiro erro diz que Deus está constantemente e diretamente provocando todos os efeitos no mundo, de modo que a causalidade das coisas ao nosso redor é apenas uma ilusão. Tal visão faz com que Deus seja parte demais do mundo. Esse é o tipo de erro em que caem alguns opositores religiosos da teoria da evolução. Eles estão preocupados que, se dissermos que algo acontece no mundo devido a uma causa natural, por exemplo, que as espécies sejam diversificadas através da seleção natural e mutação genética. Se dizermos isso, negamos que Deus está causando isso.

O segundo erro diz que Deus não tem nenhum papel causal real no universo. Não precisamos dele porque essa causa mundana pode explicar tudo o que observamos. Esse tipo de visão tem um análogo contemporâneo nos neodarwinistas materialistas que afirmam que, porque podemos explicar o desenvolvimento de espécies por causas naturais – mutação genética e seleção natural –, portanto Deus não pode ter causado isso através da causalidade das criaturas em seu plano providencial.

De fato, o entendimento de São Tomás de Aquino sobre a causalidade primária e secundária permite que ele explique como Deus é a primeira causa do mundo e, ao mesmo tempo, concede às criaturas do mundo o poder de serem verdadeiras causas. Portanto, é o fundamento de um entendimento correto do relacionamento entre Deus e as criaturas.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat