Santo Tomás de Aquino, Aristóteles, Ato e Potência

Para entender a realidade como um todo, uma das distinções mais importantes é a distinção entre potencialidade e realidade. Passar algum tempo com essa distinção é fundamental para entender os argumentos de Tomás de Aquino para a existência de Deus. Então, vamos tomar um momento para considerar essa distinção em alguns detalhes.

Um dos quebra-cabeças básicos que confrontaram os filósofos antigos foi o quebra-cabeça sobre mudança. Como a água de um rio sempre flui e continua sendo o mesmo rio? As coisas estão sendo e se tornando, mas como elas podem ser o que são e se tornar algo que não são? Lutando com esses e vários quebra-cabeças sobre mudança, Aristóteles descobriu a distinção entre ato e potência ou atualidade e potencialidade.

As coisas à nossa volta na natureza não são apenas o que realmente são, mas também o que podem ser. É fácil ver a distinção. Uma panela de água no fogão está realmente fria e potencialmente quente, mas, depois de algum tempo em um queimador quente, a potencialidade de estar quente se atualiza. E quando a água está realmente quente, é potencialmente fria. Aristóteles percebeu que todas as coisas na natureza são uma mistura de ato e potência como a água. Por exemplo, uma noz é potencialmente uma nogueira crescida, uma criança é potencialmente um homem crescido e a água no oceano é potencialmente uma nuvem de chuva sobre a terra. Aristóteles percebeu que a mudança consiste na atualização da potencialidade latente nas coisas da natureza. A noz cresce em uma árvore realmente alta. A criança cresce em um homem adulto maduro, andando e conversando. E a água no oceano evapora e se condensa em uma nuvem de chuva, que depois chove sobre a terra. Todas essas mudanças são as realizações das potencialidades escondidas nas coisas.

Quando pensamos na mudança como a atualização do potencial, uma pergunta nos confronta. Por que a potencialidade das coisas se torna real? Afinal, a potencialidade não se realiza por si própria. Ao refletir sobre essa questão, Aristóteles concluiu que deve haver alguma fonte última de mudança. A principal fonte de mudança deve ser completamente real e não ter nenhuma potencialidade, mas é responsável pela realização da potencialidade em todo o resto. A fonte última de mudança, ele chamou de primeiro motor ou Deus.

Para mais posts como esse, podcast e vídeos, acompanhe o nosso blog e conecte-se conosco em nossas redes sociais. E não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat