As origens dos paramentos orientais – Parte 2

É com o omofório que chegamos a um dos tópicos mais debatidos no estudo do vestuário litúrgico, o da origem das “vestimentas de ofício” específicas para as principais ordens do clero. Pois além de sua alva ou felônio, cada nível (isto é, diácono, presbítero e bispo) tem um paramento correspondente: orário, epitraquélio e omofório. A maioria dos estudiosos sobre esse assunto não consegue determinar definitivamente as origens dessas peças de vestuário, devido à falta de referências em textos antigos e às dobras de tecido drapeadas, muitas vezes obscurecidas, representadas na iconografia, esculturas de marfim e mosaicos. No entanto, a partir de um estudo de roupas pré-cristãs, de arte bizantina e de várias obras de arte antigas, incluindo mosaicos e dípticos consulares, além de uma compreensão dos métodos de alfaiataria de produção desses itens, pode-se chegar à conclusão de que essas três peças de vestuário têm origem em duas peças históricas, a toga e o pálio, ambas com exclusividade cerimonial ou formal por pelo menos duzentos anos antes da padronização dos paramentos cristãos orientais.

Para começar com o orário do diácono, esta peça de vestuário é uma faixa longa e estreita, geralmente de 15 a 19 cm de largura, que é usada sobre o pescoço, suspensa no ombro esquerdo.

Alguns autores tentaram traçar suas origens até os “lenços imperiais” distribuídos por Aureliano para serem acenados no teatro ou circo. De acordo com essa atribuição, a roupa levaria, apesar de seu dom imperial, conotações de mundanismo e entretenimento, cujas ideias estão fortemente em desacordo com o papel principal do diácono na Divina Liturgia, estando esse serviço associado ao ministério dos anjos no paraíso. Vários escritores tentaram reforçar a suposta conexão do orário com o lenço de Aureliano com base na etimologia especulativa. “Os” é a forma latina para “boca” ou “rosto”, que alguns adotaram para se referir ao uso de um lenço para limpar o rosto, sugerindo assim que o orário inicia seu serviço litúrgico como um guardanapo glorioso ou um pano de suor. Tais explicações podem muito bem parecer insuficientes.

Uma peça longa e retangular usada para um propósito formal é encontrada de maneira mais satisfatória no antigo pálio, que era reservado para ambientes dignos e, portanto, é muito mais apropriado em sua forma e uso para a Divina Liturgia. Como na maioria das roupas de capa, o pálio tinha dois métodos de uso: o primeiro era enrolar a peça em volta dos ombros, deixando as pontas penduradas na frente do corpo; o segundo é envolvimento da roupa. A questão da origem da palavra “orário” é um quebra-cabeça linguístico fascinante por si só e pode, ou não, esclarecer as origens da peça de roupa assim denominada.

Ao redor da frente e de trás do corpo, cobrindo um ombro completamente e prendendo no outro ombro com um alfinete ou fíbula. Esse último estilo de uso é retratado nos cortesãos nos mosaicos de Santo Apolinário, mais uma evidência do uso do pálio como marca de cargo e serviço, uma vez que os cortesãos eram servos da corte imperial, um corolário terrestre do cargo do diácono na Divina Liturgia. Se pegarmos o pálio assim utilizado de lado, prendermos no ombro esquerdo com uma faixa estreita (uma evolução natural das formas antigas de dobrar e pendurar peças de vestuário para que apenas a borda decorativa fosse exibida), teremos uma peça de roupa idêntica ao orário do diácono. Embora não haja evidências conclusivas que comprovem essa origem do orário, essa teoria responde melhor às principais questões de adequação ao uso e consistência do design. Um mosaico de Santo Apolinário em Classe representando cortesãos vestindo o pálio se a forma do orário realmente vier da abreviação do pálio completo até a orla da borda decorativa, é sugerida outra fonte para a palavra “orário”: “ora” é uma palavra latina que significa “borda” ou “beira”.

Passando para o epitraquélio, a estola do presbítero, podemos encontrar suas origens no pálio, mais exatamente no fato de suspender a peça ao redor dos ombros e permitir que as pontas fiquem penduradas na frente do corpo. Mais uma vez, o pálio foi associado à dignidade e formalidade, além de ter a forma retangular estreita e apropriada, o que faz com que encontremos as origens do epitraquélio no pálio. (No Ocidente, o pálio histórico acabou por ser associado a uma insígnia arquepiscopal, fato que reforça ainda mais sua posição reverenciada na história do vestuário). Como observa o notável estudioso litúrgico Duchesne: “Em última análise, este cachecol [o pálio] era, sem dúvida, uma relíquia do manto curto que os gregos trouxeram à moda do Império Romano. Mas a pallia discolora do Código Teodosiano evidentemente eram lenços, e lenços de serviço, que eram usados sobre a paênula… ”.

No uso moderno, estamos acostumados a ver o epitraquélio unido a botões na frente (ou, mais raramente, como um pedaço sólido de tecido com um orifício para a passagem da cabeça, mas essa é uma adaptação muito mais tardia da veste. A forma comum da epitraquélio nos primeiros séculos era certamente aquela representada em ícones dos primeiros Padres, como São João Crisóstomo e São Basílio Magno; nessas representações, fica claro que o epitraquélio é um pedaço de tecido estreito e sem botões pendurado em ambos os lados do pescoço.

Além dessas representações artísticas, há também uma série de epitraquélios bordados existente, muitos datando do século XI, feitos neste estilo não abotoado como retângulos estreitos e altamente embelezados para serem pendurados no pescoço, todos os quais apoiam as origens do epitraquélio traçado ao pálio. É importante notar que, quando dispostos de maneira plana, um orário e um epitraquélio sem botão são praticamente idênticos, outro argumento para a origem comum de ambas as peças de vestuário no pálio.

Voltamos agora àquela peça que iniciou nossa discussão sobre os vários paramentos, o omofório, a peça proeminente que identifica seu portador como bispo. É com o desenvolvimento do omofório que encontramos a evidência mais impressionante de uma transferência consciente de roupas simbólicas do reino cívico para o espiritual. Pois, no omofório da Igreja Oriental, encontramos o último remanescente daquela peça grande e essencialmente romana, a toga. Outros escritores opinaram que as origens da omofório podem ser encontradas no pálio, mas o uso difundido do pálio na Antiguidade Tardia significa que essa peça de roupa não teria sido adequadamente proporcional ao status e respeito concedidos aos bispos no início do período bizantino.

Sob condições, Constantino deu aos bispos o poder da arbitragem em certos processos; suas ações deveriam ser válidas nas cortes do Império, e foi promulgado que os decretos dos sínodos cristãos deveriam ser respeitados. Honório, mais tarde, ampliou a legislação de Constantino e concedeu à arbitragem de um bispo a uma autoridade igual à do próprio Praefectus Praetorio, um oficial que perdia em importância apenas para o imperador. Seria, portanto, bastante natural que um bispo, sendo um alto funcionário romano, adotasse algumas das bandeiras de seus deveres civis.

Essa honra e autoridade oficiais conferidas pelo imperador ao episcopado da Igreja continuaram e se expandiram sob Justiniano.

Embora o imperador tenha nomeado seus bispos, o Código Justiniano concedeu-lhes independência, imunidade e autoridade a uma extensão que deve ter feito dos senhores soberanos onde quer que o poder imperial não estivesse imediatamente presente. Na administração do Império Bizantino, o bispo ocupou uma posição em que só estava abaixo do próprio imperador. Na cidade, o bispo nomeava os oficiais municipais, mantinha fortificações, aquedutos, pontes, depósitos e banhos públicos; pesos e medidas supervisionados; e controlava as finanças da cidade. Nas províncias, era novamente o bispo que recomendava candidatos para os cargos administrativos e acompanhava de perto suas atividades, inclusive as do próprio governador. Além desses poderes administrativos, o bispo atuava como juiz.

Na próxima quarta teremos o último post desta série sobre os paramentos orientais. Se você gostou, não deixe de compartilhar com seus amigos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat