As origens dos paramentos orientais – Parte 1

Um Santo Cumprimento: O Antigo Testamento e o Adorno da Igreja

De A História dos Paramentos

Qualquer discussão sobre a importância teológica da vestimenta litúrgica dentro da Igreja não está completa sem considerar o lugar das Escrituras do Antigo Testamento que se referem especificamente às vestimentas usadas no culto levítico. As principais referências das Escrituras às vestes sacerdotais da antiga aliança são encontradas em Êxodo 25-36, em que Deus dá instruções explícitas ao Profeta Moisés para o adorno do Tabernáculo, bem como as vestimentas a serem usadas pelos sacerdotes. De fato, essas instruções são lidas como notas técnicas, com ênfase na maneira como as coisas devem ser feitas: “A abertura será debruada como a abertura de um colete, para que não se rompa” (Ex 28,32); do que eles devem ser feitos: “Ouro, prata e bronze; púrpura violeta e escarlate, carmesim, linho fino e pelos de cabras; peles de carneiro tingidas de vermelho, couro fino, e madeira de acácia; azeite para a lâmpada, aromas para o óleo de unção e para o incenso aromático; pedras de cornalina e pedras de engaste, para o efod e para o peitoral” (Ex 25,3-7); e quem deve criá-los: “Beseleel, Ooliab e todos os homens de coração sábio, nos quais o Senhor havia depositado sabedoria e entendimento para executar com perícia toda espécie de trabalhos para o culto do santuário, farão tudo de acordo com o que o Senhor ordenou” (Ex 36.1).

É interessante notar que mais de um quarto do livro de Êxodo é dedicado a estas instruções detalhadas para o adorno do Tabernáculo e as vestes dos sacerdotes de Deus…; de fato, trinta e oito versículos são dedicados exclusivamente às cortinas e às vestes dos sacerdotes e são bastante específicos nas cores e símbolos que serão usados ​​(tecido dourado, púrpura e escarlate e romãs e sinos). Há uma abordagem cuidadosa e metódica a esses adornos e nisso é demonstrado que a adoração a Deus deve ser atendida com ordem e reverência. Por meio dessa precisão meticulosa, vemos Deus ensinando à humanidade que as coisas usadas para sua glória devem ser “construídas por Deus”.

Por conta dessas passagens detalhadas, alguns autores argumentaram que as vestimentas cristãs têm sua origem no vestuário levítico, mas mesmo a comparação mais insultuosa das roupas ilustra claramente que isso não poderia ser. Mas, assim como o estudo da teologia cristã revela muito sobre as qualidades da beleza dentro da Igreja, também é através da leitura desses capítulos do Êxodo que outra qualidade de beleza dentro da Igreja é revelada: a realização de modelos. Esse cumprimento é encontrado na progressão do entendimento levítico da adoração, conforme descrito no Antigo Testamento,

São João de Damasceno, escrevendo em resposta aos iconoclastas que defendiam a rejeição de imagens baseadas em passagens do Antigo Testamento, como “Não farás para ti imagem esculpida de nada que se assemelhe ao que existe lá em cima nos céus, ou embaixo na terra” (Ex 20,4), declara:

Não sou eu quem falo, mas o Espírito Santo que declara claramente por meio do santo apóstolo Paulo: “Muitas vezes e de modos diversos falou Deus, outrora, aos Pais pelos profetas”. Note que Deus falou de muitas e várias maneiras. Um médico habilidoso não prescreve o mesmo para todos, mas cada um de acordo com sua necessidade. Do mesmo modo, o mais excelente médico de almas prescreveu corretamente para aqueles que ainda eram crianças e suscetíveis à doença da idolatria, mantendo os ídolos como deuses e adorando-os como tais, abandonando o culto a Deus, oferecendo à criatura a glória devido ao Criador.

Ele continua explicando ainda mais esse cumprimento de tipos, citando um sermão de São João Crisóstomo sobre a Epístola aos Hebreus: Como pode o que vem primeiro ser a imagem do que está por vir, como Melquisedeque é de Cristo?

Melquisedeque é usado como uma figura nas Escrituras da mesma maneira que uma silhueta é um esboço para um retrato. Por causa disso, a lei é chamada sombra, e graça e verdade são o que é prefigurado. Consequentemente, a pessoa de direito de Melquisedeque é uma silhueta dEle cujo retrato, quando aparece, é graça e verdade inscritas no corpo. Portanto, o Antigo Testamento é uma silhueta das coisas que virão em uma era futura, enquanto o Novo Testamento é o retrato dessas coisas.

São João reconheceu que, assim como uma semente minúscula não se parece em nada com a planta que floresce exuberante, é necessário ter consciência de que o culto cristão oriental não foi projetado para parecer com o culto do Antigo Testamento. O cumprimento da beleza e da liturgia da Igreja, como o cumprimento da salvação da humanidade, vem em pessoa não menos que o próprio Cristo por meio de sua Encarnação, Crucificação e Ressurreição.

As instruções em Êxodo lançam as bases, ensinando que o adorno das coisas sagradas de Deus é essencial para nossa adoração a Ele. Mas, assim como Cristo tomou o lugar dos carneiros sacrificados nos altares de pedra, o adorno de nossas igrejas assumiu uma forma nova e santa através da Ressurreição de Cristo, moldada pelo tempo e lugar na história em que a Ressurreição ocorreu e pelo estabelecimento subsequente de uma nação cristã no Império Bizantino.

Sabemos que os Padres da Igreja tinham um conhecimento profundo das Escrituras (afinal, São João Crisóstomo passou dois anos memorizando as Escrituras em sua totalidade) e essa educação não poderia deixá-los intrigados sobre como equipar as igrejas de suas épocas. Acrescente a isso a tradição não escrita que eles herdaram e seria completamente ilógico supor que homens assim formados por essas Escrituras e moldados providencialmente por um mundo em que a honra e a majestade fossem a pedra angular da hierarquia política e social, seriam capazes de construir liturgias ao Criador de todos, sem glória e beleza. “Tributai ao Senhor a glória ao seu nome, adorai ao Senhor no seu esplendor sagrado” (Sl 29,2). Eles sabiam que “a santidade é o adorno de tua casa, ó Senhor” (Sl 93,5) e que “tua fama é esplendor de glória: cantarei o relato das tuas maravilhas” (Sl 144,5).

Enquanto Êxodo ensina que a ordem e a reverência são componentes necessários para a adoração a Deus, os Padres da Igreja sabiam que qualquer leitura das Escrituras do Antigo Testamento deveria ser realizada com o entendimento de que essas Escrituras têm seu cumprimento na vinda de Cristo e nas tradições da Igreja. A adoração majestosa e santa da Igreja começou com os padrões levíticos do Antigo Testamento, mas não encontrou seu ponto culminante até a Ressurreição de Cristo e a subsequente redenção do mundo. Com a vinda de Cristo, tudo é elevado a uma ordem superior, de modo que a adoração da Igreja segue os mesmos padrões essenciais, ainda que pareça diferente. Como filhos adotivos de Deus, somos os herdeiros dessa santa realização. Como o salmista profetiza: “Eles ficam saciados com a gordura de tua casa, tu os embriagas com um rio de delícias, pois a fonte da vida está em ti, e com tua luz nós vemos a luz” (Sal 35,9-10). Na beleza da adoração da Igreja, encontramos o cumprimento das palavras proféticas e a previsão de todas as Escrituras do Antigo Testamento.

Se você gostou deste post, na próxima quarta-feira nós daremos continuidade explicando os paramentos utilizados pelos diáconos, presbíteros e bispos. Não perca!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat