Por que o Ofício Divino das Igrejas Orientais é tão diferente?

Foto: osbm.org.ua

A adoração está no coração da vida da Igreja. Toda a vida de um cristão está imbuída dela, tanto privada quanto pública. Não haveria Igreja sem adoração a Deus. Nas Igrejas Orientais, a adoração é também realizada por meio do Ofício Divino que possui estrutura e ordem que visam envolver todos em uma oração comum.

A participação plena no serviço divino pode ser difícil, em primeiro lugar, pela falta de compreensão dos textos porque, para fazer isso, é preciso ter pelo menos conhecimento teológico básico e, em segundo lugar, pelo conhecimento insuficiente da estrutura exata do culto oriental e por que ele é organizado de forma diferente a cada dia. Não abordaremos o primeiro aspecto. Vamos lidar com o segundo.

Se uma pessoa só participa do Ofício Divino pela manhã, logo a conhecerá de cor. A ordem geral da Divina Liturgia é quase a mesma em um dia normal da semana e em um dia de solenidade. Surpresas aguardarão essa pessoa no Ofício Divino da noite. Existem vários tipos de serviços, e todos são rotulados com termos obscuros, como Ectenias, Polyéleos, etc. O que podemos fazer com tudo isso?

Todos sabem que todos os dias do calendário oriental são dedicados à memória de um santo ou de um importante acontecimento da história da salvação. Cada santo ou solenidade tem seu próprio nível de adoração, e é natural, pois uma estrela difere de outra estrela em glória (1 Cor 15,41). Há um total de cinco desses graus no Ofício Divino Oriental que o Typikon – um livro de serviço divino que mostra como celebrar cada dia – possui sinais especiais ao lado de cada dia do ano. Eles indicam a classe de serviço que deve ser comemorada em um determinado dia.

A primeira classe é um serviço regular ou sem sinal. Esses serviços compõem a grande maioria do nosso calendário. É o mais curto e contém muito mais partes recitadas do que cantadas. De fato, existem poucas orações para o santo do dia em tal serviço; dirige-se muito mais a Deus, a Mãe de Deus e ao tema do dia da semana. Cada dia da semana tem seu próprio tema: segunda-feira é dedicada aos anjos, terça-feira a São João Batista, quarta e sexta-feira à cruz do Senhor, quinta-feira aos apóstolos e São Nicolau, sábado a todos os santos e todos os falecidos. Quanto mais simples o culto, mais orações são relacionadas ao tema do dia da semana. Quanto mais solene o culto, mais o santo do dia é comemorado. Os cultos da quarta e quinta classe geralmente cancelam as orações aos temas da semana.

A segunda classe é o serviço Seis Estrofes. Sua forma não difere muito de um serviço comum, mas há muito mais orações relacionadas ao santo do dia, e há seis delas em cada fragmento do serviço divino, razão pela qual recebeu seu nome.

A terceira classe é uma festa da Grande Doxologia. Sua estrutura é praticamente igual à do serviço comum, mas há muito mais hinos dedicados ao santo ou solenidade celebrada naquele dia e quase não há hinos dedicados aos temas do dia semana. Uma característica interessante desse serviço é seu fim solene: cantamos a Grande Doxologia, o hino final do serviço divino (no serviço sem sinal e no serviço Seis Estrofes, este texto é recitado). É por isso que este serviço recebeu esse nome.

A quarta classe é o serviço com o serviço Polyéleos, ou Muito Misericordioso. É um serviço de celebração completo. Há muito mais canto do que recitação. Há um hino especial no meio do culto, que consiste em versículos selecionados dos Salmos 135 e 136, exaltando a misericórdia do Senhor (daí o nome: o “polyéleos ” grego significa muito misericordioso). Diferentemente de todos os serviços mencionados anteriormente, durante esse serviço é recitado um trecho do Evangelho, especialmente selecionado para a festa ou a comemoração do santo. Além disso, todos os fiéis beijam o ícone da solenidade e o sacerdote os unge com óleo santificado. Deve-se notar que a maioria dos santos reverenciados é designada para esta classe e muito poucos recebem a quinta classe.

A quinta classe é uma vigília noturna, chamada de Lítea ou Vésperas Solenes. Este serviço divino costumava ocorrer a noite toda, daí o seu nome. É muito semelhante a um serviço divino de Polyéleos em sua composição, mas se distingue por sua maior solenidade. Por exemplo, a Lítea começa com o canto de um salmo e incensação completa da igreja; no meio do culto, o sacerdote abençoa pão, trigo, vinho e óleo, que são distribuídos entre os fiéis após a unção. É esse serviço que ocorre nas noites de sábado, bem como na véspera das grandes solenidades e na memória dos grandes santos.

Descrevemos os princípios gerais da estrutura de serviço. Em breve, analisaremos cada um deles com mais detalhes nos próximos artigos. Se você gostou, não deixe de compartilhar com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat