Como a Filosofia faz de você um líder melhor

O objetivo da maioria dos treinamentos executivos e desenvolvimento de liderança é a mudança de comportamento – ajudar o indivíduo a identificar e mudar os comportamentos que estão atrapalhando e reforçar os comportamentos associados à liderança eficaz. Mas e as crenças e valores que direcionam o comportamento?

Os benefícios da introspecção e reflexão sobre o próprio caráter e crenças recebem menos atenção em uma sessão de treinamento típica do que os benefícios da mudança de comportamento. Talvez isso não seja surpreendente em nosso mundo empresarial acelerado e impulsionado pela tecnologia, onde há pouco tempo para parar e pensar e onde as pessoas desejam (e estão pagando por) resultados imediatos. Apesar do crescente reconhecimento dos benefícios das atividades de “atenção plena” (mindfulness) (como ioga e meditação) e de um estilo introvertido, a autorreflexão sobre questões filosóficas – como valores, virtudes de caráter e sabedoria – é relativamente negligenciada. Os programas de treinamento executivo e desenvolvimento de liderança raramente incluem muito, se é que existe alguma coisa, sobre o poder de esclarecer a visão filosófica de mundo. Mas há evidências crescentes de que deveriam.

A pesquisa em neurociência sobre autorreflexão apoia essa noção. Um estudo recente publicado na BMC Neuroscience revelou que uma região cerebral crítica – o córtex cingulado anterior (CCA) – foi ativada durante tarefas de autorreflexão. O CCA é essencial porque, como observaram os pesquisadores, ele pode “detectar discrepâncias entre o estado real e o desejado”, “mediar a integração e a avaliação das informações emocionais, motivacionais e cognitivas” e “modular a atenção”. Ativando o CCA via a autorreflexão, em outras palavras, pode promover o sucesso nos negócios, ajudando os líderes a identificar seus valores e objetivos estratégicos, sintetizar informações para atingir esses objetivos e implementar planos de ação sólidos.

Claramente, a maioria das autorreflexões não ocorre em ambientes de laboratório – deve ser adaptada à suíte C e a outras situações de trabalho. Uma maneira emocionante de fazer isso de maneira concentrada e intensiva é por meio de “aconselhamento filosófico”. Um movimento internacional crescente, o aconselhamento filosófico tem sido chamado de “terapia para os sãos” porque ajuda indivíduos racionais e mentalmente saudáveis ​​a esclarecer suas visões de mundo e objetivos diante de desafios e transições. Os conselheiros filosóficos e seus clientes se envolvem em conversas estruturadas que incorporam a autorreflexão sobre valores e objetivos. Com base nos filósofos antigos das tradições orientais e ocidentais (de Sócrates a Confúcio), assim como nos filósofos contemporâneos, há o apoio ao desenvolvimento das pessoas de suas próprias filosofias pessoais e que as capacita a alcançar suas mais altas aspirações e ideais humanos.

Considere um CEO que humilha seus colegas revirando os olhos, interrompendo-os e desvalorizando seus papéis. Ele agora enfrenta um desafio ético espinhoso para a empresa que pode prejudicar sua posição financeira e reputação. O CEO não tem para onde recorrer discutir o dilema, porque alienou sua equipe executiva. O aconselhamento filosófico poderia ajudá-lo a reduzir seus comportamentos desagradáveis ​​e melhorar sua “taxa de positividade”, facilitando a autorreflexão sobre seu caráter e valores. Um cliente CEO nessa situação descobriu que contemplar os ensinamentos de um filósofo antigo (Sócrates) e de um filósofo do século XX (Habermas) o capacitou a implementar um processo aprimorado de diálogo, construção de consenso e “racionalidade comunicativa” com sua equipe de liderança. O raciocínio filosófico, associado a mudanças positivas de comportamento, o posicionou para liderar a empresa em um período traiçoeiro.

A autorreflexão filosófica é essencial nos pontos de inflexão da carreira, quando um líder enfrenta um sério desafio, dilema ou crise. Como os líderes podem se beneficiar desse tipo de autorreflexão sem necessariamente entrar em um compromisso formal com um conselheiro filosófico? Eles primeiro precisam pausar e contemplar seus valores fundamentais. Os trabalhos de vários filósofos (mulheres e masculinos, de muitas tradições culturais) podem ajudar. Como exemplo, costumo sugerir meu mnemônico “SANE”, baseando-me em questões-chave colocadas por filósofos ocidentais proeminentes: Sócrates, Aristóteles, Nietzsche e os existencialistas.

Sócrates: Qual é a pergunta mais desafiadora que alguém poderia me fazer sobre minha abordagem atual?

Aristóteles: Quais virtudes de caráter são mais importantes para mim e como vou expressá-las?

Nietzsche: Como vou direcionar minha “vontade de potência”, administrar meu interesse próprio e agir de acordo com meus valores escolhidos?

Existencialistas (por exemplo, Sartre): Como assumirei total responsabilidade por minhas escolhas e pelos resultados a que elas levam?

Este não é um exercício acadêmico, mas deve ter “valor em dinheiro” no mundo real. Ao refletir seriamente sobre essas questões, o CEO descobriu um formato estruturado para lidar com o dilema financeiro e ético que a empresa enfrenta. Ele percebeu que considerava o “respeito pelos outros” e a “modéstia” entre seus principais valores e virtudes desejadas, levando-o a reduzir seus comportamentos humilhantes e a manter discussões produtivas com sua equipe sobre os próximos passos. Isso acabou gerando um consenso e uma tomada de decisão fundamentada. Ao assumir a responsabilidade de refletir sobre seus valores e escolhas sobre como colaborar, o CEO transformou completamente a situação e solidificou seu papel de liderança.

Como as atividades de “atenção plena”, a autorreflexão requer tempo e esforço. Mas isso não exige um desligamento intencional do pensamento. Em vez disso, exige que o líder pense rigorosamente sobre questões filosóficas profundas, como valor e propósito. A recompensa da autorreflexão é o que Aristóteles chamou de phronēsis (“sabedoria prática”). A contemplação de valores filosóficos atemporais pode alimentar mudanças oportunas de comportamento a serviço do crescimento e do sucesso duradouro.

Autor: David Brendel, MD, PhD é coach executivo, especialista em desenvolvimento de liderança e psiquiatra com sede em Boston. Ele é fundador e diretor da Leading Minds Executive Coaching, LLC. Ele também é co-fundador da estratégia da Mind, LLC. Siga-o no Twitter @DrDavidBrendel.

Fonte: Harvard Business Review.

One thought on “Como a Filosofia faz de você um líder melhor

  1. Daniel says:

    Tal como as atividades de organização mental, auto-reflexão exige tempo e esforço. Mas não necessita de uma desligamento intencional do pensamento. Ao contrário, requer que o lider pense rigorosamente sobre assuntos filosóficos profundos, como valores e propósitos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat