Hermenêutica: a arte da interpretação

A hermenêutica é uma parte da filosofia da linguagem, que compreende a tentativa de interpretar os textos ou codificar as palavras, ou seja, não há linguagem sem interpretação. A hermenêutica é um problema fundamental da atualidade, ao qual tem como objeto a compreensão, a interpretação, a investigação e o esclarecimento sobre questões fundamentais.

A hermenêutica passa a ser uma doutrina da verdade no campo da interpretação, caracterizando-se como uma filosofia universal de interpretação e a arte de interpretar corretamente os textos. Deve-se destacar que a dimensão universal da interpretação assume o entendimento não só de métodos, mas processos fundamentais do próprio núcleo da vida.

Para W. Dilthey, a hermenêutica se torna um fundamento metodológico de todas as ciências humanas, almejando uma reflexão sobre a verdade e o estatuto científico. Com Heidegger, a hermenêutica é chamada a um autodespertar, passando da interpretação de textos para a existência.

Por fim, Gadamer e Ricouer, desenvolveram uma filosofia universal da interpretação e das ciências humanas que acentua a natureza histórica e lingüística de nossa experiência. No entanto, Gadamer, vai mais longe retratando a hermenêutica como a teoria filosófica do conhecimento que afirma que todos os casos de compreensão envolvem necessariamente tanto a interpretação quanto a aplicação.

A tarefa de interpretar precisa da interpretação gramatical e técnica, assim Heidegger afirma que precisamos compreender o significado do Ser, e particularmente o significado do ser dos seres humanos antes de podermos discutir nosso conhecimento sobre os entes. O problema central da hermenêutica, é a tarefa necessária da aplicação, trata de como o texto é levado a falar no horizonte do intérprete, agora expandido, sendo a compreensão como uma conversa onde o intérprete precisa ouvir e respeitar as opiniões da outra pessoa.

Para Schleiermacher, a hermenêutica é a arte de compreender a linguagem falada e escrita, a linguagem em seu ser especulativo, tem a habilidade de brilhar e convencer os parceiros da conversa de sua verdade. Desta forma, a hermenêutica, tendo como probabilidade sua derivação de Hermes, o mensageiro dos deuses, a quem se atribui a origem da linguagem e da escrita, a palavra tem que deixar de ser palavra visual e conceptual e tornar-se evento.

Autor: Amauri de Campos Junior, estudante do 3º ano do Curso de Filosofia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *