Marido, pai e sacerdote, o Bem-Aventurado Emiliano salvou judeus, desprezou os nazistas e morreu como mártir

Com suas guerras, perseguições e regimes opressivos, o século XX foi uma época de santos – mártires em todos os continentes.

Alguns desses mártires foram apreendidos por viverem vidas cristãs comuns; outros pareciam deliciar-se em desafiar os poderes.

O beato Emiliano Kovtch (1884-1944) foi um dos últimos, um sacerdote católico oriental, casado e pai de seis filhos, que foi perseguido pelo comunismo e o nazismo porque se recusou se manter sereno enquanto outros sofriam.

Emiliano Kovtch era um ucraniano, filho de um padre católico do rito bizantino ucraniano. (Embora a Igreja Greco-Católica Ucraniana esteja em união com Roma, ela tem algumas disciplinas diferentes; os homens casados ​​nesse rito podem ser ordenados sacerdotes do clero diocesano.)

Emiliano foi ordenado no ano seguinte ao seu casamento e começou a trabalhar numa paróquia como um pároco comum. No início do século XX, a Ucrânia não era lugar para os homens comuns; Kovtch passou de 1919 a 1921 como capelão militar. Ele foi capturado e brevemente detido como prisioneiro de guerra, inteiramente inconsciente de que isso era um treinamento para o que estava por vir.

Após o seu serviço, Pe. Kovtch voltou à vida como marido, pai e padre de pequena cidade. Ele cuidou dos órfãos e dos pobres, organizou congressos e peregrinações eucarísticas e trabalhou em apoio ao movimento ucraniano de independência; este último fez dele uma pessoa de interesse para o governo polonês reinante.

Sua casa foi revistada umas 40 vezes e em pelo menos uma ocasião ele foi multado e aprisionado em um mosteiro. Apesar desse conflito constante, ele pregou apaixonadamente contra qualquer sentimento anti-polonês e ficou de coração partido quando alguns de seus paroquianos saquearam as casas dos poloneses quando os soviéticos assumiram o poder.

Embora Pe. Kovtch fosse preso nos últimos dias do domínio soviético, ele e suas duas filhas conseguiram escapar, aprendendo logo depois que todos os prisioneiros de seu grupo haviam sido assassinados pelos soviéticos quando os nazistas se aproximavam.

Com a chegada dos nazistas, Pe. Kovtch começou a lembrar ao seu povo que eles tinham o dever de combater o anti-semitismo, e logo chegou o dia de agir.

As tropas da SS haviam perseguido alguns judeus em uma sinagoga e jogaram bombas incendiárias lá dentro. Sem levar em conta sua própria segurança, Pe. Kovtch correu para a sinagoga, bloqueou as portas e, com raiva, ordenou que os soldados fossem embora. Para o choque de todos, eles fizeram exatamente isso!

Tendo encarado uma multidão de nazistas, Pe. Kovtch virou-se para a sinagoga e correu para dentro, dirigindo o esforço para salvar as pessoas que estavam queimando.

Em uma tentativa de salvá-los da morte, Pe. Kovtch começou a catequizar e batizar judeus aos milhares, com a aprovação de seu arcebispo, que estava escondendo 1.500 judeus. Apesar das pressões da força ocupante (e dos perigos incorridos por uma carta que escreveu ao próprio a Adolf Hitler denunciando as políticas fascistas de Hitler), Kovtch sobreviveu um ano e meio antes de ser preso em dezembro de 1942. A certa altura, sua coragem desafiadora pelos nazistas se tornou evidente em uma entrevista conduzida por um oficial da Gestapo:

Oficial: Você sabia que é proibido batizar os judeus? 
Pe. Kovtch: Eu não sabia de nada. 
Oficial: Você já sabe disso? 
Pe. Kovtch: Sim. 
Oficial: Você vai continuar fazendo isso? 
Pe. Kovtch: Claro.

Tal desafio só poderia levar a um campo de concentração, onde o Pe. Kovtch celebrou a missa, ouviu confissões, batizou prisioneiros e aconselhou homens de todas as fés e nenhuma fé. Como único sacerdote em seu grupo de prisioneiros, ele era a luz de Cristo brilhando na escuridão, e quando sua família tentou libertá-lo, ele implorou que o deixassem lá:

Eu entendo que vocês estão tentando me libertar. Mas eu imploro para não fazer isso. Ontem eles mataram 50 pessoas. Se não estou aqui, quem os ajudará a superar esses sofrimentos? Eles iriam a caminho da eternidade com todos os seus pecados e nas profundezas da descrença, que os levariam para o inferno. Mas agora eles vão para a morte com as cabeças erguidas, deixando todos os seus pecados para trás. E assim eles passam para a cidade eterna.

Muitos que contam a história de São Maximiliano Kolbe dizem que ele foi capaz de oferecer sua vida porque não tinha esposa e filhos para lamentá-lo, mas a vida do Bem-Aventurado Emiliano Kovtch prova o contrário. Kolbe, assim como Kovtch, estava livre para morrer porque era um seguidor de Jesus Cristo.

Embora Kovtch certamente lamentasse a dor que sua esposa e filhos suportariam, ele era primeiramente um cristão e um sacerdote.

No campo de concentração ele permaneceu, sofrendo e servindo por mais de um ano antes de morrer em 25 de março de 1944.

Embora sua festa seja muito ofuscada pela Solenidade da Anunciação celebrada no mesmo dia, o Beato Emiliano é uma testemunha dos padres casados ​​e de todos os que lutam contra a injustiça.

Bem-Aventurado Emiliano Kovtch, rogai por nós!

Fonte: Aleteia (em inglês).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *