Por que a Igreja Oriental não utiliza instrumentos musicais em seus ofícios?

No primeiro dia letivo, quando aconteceu a abertura do Ano Acadêmico, alguns estudantes se perguntaram: por que não havia instrumentos musicais na Divina Liturgia? Eis a nossa tentativa de responder a essa pergunta.

Pois bem, nós não sabemos nada sobre o uso de instrumentos musicais na Igreja primitiva, por isso não podemos afirmar nada de fato. Por um lado, é indiscutível que a Igreja de Cristo desenvolveu Sua adoração baseada nas antigas tradições judaicas de adoração no Templo e nas sinagogas. Portanto, os antigos cristãos poderiam ter tomado as tradições de usar instrumentos musicais da sinagoga e especialmente do Templo. Além disso, havia muitos cristãos que haviam sido criados como pagãos, daí a adoção de instrumentos musicais como uma forma simples de expressar os sentimentos religiosos. Por outro lado, pode ser que os ex-pagãos, lembrando as danças religiosas e a música de suas religiões passadas, que eram acompanhados por rituais inaceitáveis ​​pelos cristãos, não queriam trazer aquela tradição duvidosa à Igreja. Em qualquer caso, nós não temos fatos que aprovem ou desaprovem o uso de instrumentos musicais pelos primeiros cristãos.

Temos relatos de autores da Igreja e dos Santos Padres que prestaram muita atenção a questões de culto e expressaram suas opiniões sobre o uso de vários instrumentos musicais, ainda que indiretamente. Com base nas citações abaixo, podemos concluir que os Padres da Igreja não foram unânimes na questão do uso de instrumentos musicais na igreja, embora a maioria deles se opusesse a essa prática, especialmente como uma forma de combater a influência pagã.

É isso que São Clemente de Alexandria escreve em O Pedagogo: “Que deixemos o oboé aos pastores e a flauta aos homens cegos, que rendem aos ídolos um culto supersticioso. Esses instrumentos devem ser banidos dos banquetes sóbrios e bem regrados, pois eles convêm melhor a bestas do que aos homens, a não ser aos homens ferozes e selvagens… É necessário eliminar todos os espetáculos indignos, todos os discursos que ferem o pudor e tudo o que tem aparência de intemperança vergonhosa, pois ela faz entrar a voluptuosidade na alma pelos sentidos que ela seduz.” Clemente liderou a escola catequética de Alexandria, que preferia o método alegórico da interpretação das Escrituras. Foi por isso que, interpretando o famoso Salmo 150, que exorta todas as pessoas a louvar o Senhor usando vários instrumentos musicais, Clemente escreve: “O Espírito Santo nos ensina o uso que devemos fazer dos instrumentos musicais, para louvar os divinos Mistérios: ‘Louvai-o ao som da trombeta, louvai-o na lira e na harpa; louvai-o com instrumentos de corda e de sopro, louvai-o nos címbalos sonoros, louvai-o nos címbalos retumbantes’. Esses instrumentos dos quais fala o Espírito Santo são a boca, o coração, os lábios e o espírito do homem… Deus cuida de todas as criaturas, que são obras das suas mãos. O homem é um instrumento verdadeiramente pacífico” (O Pedagogo 2,4).

E ainda, o bispo de Alexandria não considerou o uso de certos instrumentos musicais como inerentemente mau, desde que eles não trouxessem à mente festas pagãs, “Se vós sabeis tocar a lira ou a harpa, podeis fazê-lo sem temor, nem culpa, nem censura. Vós imitareis o rei de Israel, que era tão santo e tão agradável a Deus” (O Pedagogo 2,4).

São Basílio Magno afirmou que “das artes inúteis há harpa tocando, dançando, tocando flauta, da qual, quando a execução cessa, o resultado desaparece com ela. E, de fato, de acordo com a palavra do Apóstolo, o resultado disso é a destruição” (Comentário sobre Isaías 5). Santo Ambrósio de Milão, por sua vez, temia que, se os cristãos se voltassem para tocar os instrumentos, em vez de recitar Salmos, corriam o risco de perder sua salvação. São João Crisóstomo, o grande asceta e pregador, instruiu seu rebanho: “Davi antigamente cantava canções, hoje nós também cantamos hinos. Ele tinha uma lira com cordas sem vida, a Igreja tem uma lira com cordas vivas. Nossas línguas são as cordas da lira, tendo um som realmente diferente mas muito mais de acordo com a devoção. Aqui não há necessidade de cítara, ou de cordas esticadas, ou de plectro, ou de arte, ou de nenhum instrumento; mas, se quiseres, tu mesmo podes te tornar uma cítara, mortificando os membros da carne e fazendo uma completa harmonia entre a mente e o corpo. Porque, quando a carne não mais cobiça contra o Espírito, mas tem se submetido às suas ordens e tem sido profundamente levada no caminho melhor e mais admirável, então você criará uma melodia espiritual.” (João Crisóstomo, Exposição do Salmo 41).

Santo Agostinho de Hipona disse que “instrumentos musicais não eram usados. O oboé, o tamborim, e a harpa são aqui neste mundo tão intimamente associados com os sensuais cultos pagãos, como também com as orgias desenfreadas e com as performances imorais dos circos e teatros, que é fácil entender os justificados preconceitos contra o uso destes instrumentos na adoração”. Curiosamente Santo Agostinho o disse ao descrever a prática de adoração da Igreja de Alexandria. A julgar por sua exegese dos Salmos, Santo Hilário de Poitiers está longe de proibir todos os instrumentos musicais. Ele lista quatro tipos de música no culto, incluindo música instrumental e antífonas. Segundo ele, o saltério é “o mais adequado de todos os instrumentos musicais”.

Há também uma proibição do Concílio de Laodicéia (364), voltado para a música que era agradável demais ao ouvido humano e muito sensual. O Concílio proibiu usar melodias folclóricas para cantos da Igreja. Além da música instrumental, o Concílio proibiu os leigos de cantar na igreja, exceto o coro. Proibiu o uso de textos não-bíblicos, bem como músicas seculares.

O único instrumento musical que permaneceu na Igreja são os sinos que se difundiram no Oriente cristão, apesar de suas origens ocidentais. Embora os sinos normalmente convoquem os fiéis à igreja, eles também são usados ​​para destacar os momentos mais importantes durante a liturgia, por exemplo, a leitura do Evangelho nas Matinas dominicais, bem como o canto de Na verdade é justo, que indica ao povo que a Consagração dos Santos Dons acabou de acontecer.

Vale ressaltar que, apesar da quase completa ausência de instrumentos musicais na Igreja Oriental, existem costumes locais que incentivam seu uso em algumas paróquias na América e na África, onde as pessoas são conhecidas por seu amor pela música. A existência dos costumes locais é explicada pelo trabalho missionário ativo e enriquece a tradição litúrgica oriental, enquanto ao mesmo tempo aproxima as culturas locais da Igreja e reflete a variedade de maneiras de adorar a Deus que são típicas da Tradição Oriental.

A Igreja Oriental também aprova música fora do culto, lembrando que o Nosso Senhor, Jesus Cristo, foi ao casamento em Caná da Galileia e não se opôs à música e dança, que sempre pode ser ouvida e vista em casamentos em todo o mundo. Devemos sempre ter certeza de que tudo o que fazemos nos beneficia, melhora nosso gosto e desenvolve nossos talentos dados por Deus que podemos usar para servir ao Senhor e a seu povo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *