Mesa-redonda discute a influência da filosofia na Igreja

Na noite da última terça-feira, nas dependências da Biblioteca Central da FASBAM – Faculdade São Basílio Magno, aconteceu uma mesa-redonda promovida pela Frente Estudantil Filosófica (FESFI), o diretório acadêmico da instituição, com o tema: A Influência da Filosofia na Igreja. Logo no início, o estudante Denis Fernandes, do primeiro ano do curso de filosofia, interpretou o Pai Nosso na língua grega, como uma homenagem ao Pe. Soter Schiller, OSBM. Em seguida, o Prof. Dr. Teodoro Hanicz deu início à condução da mesa redonda.

O primeiro convidado a expor suas ideias foi o Dr. Roberto Nentwig, sacerdote e reitor do Seminário Filosófico Bom Pastor, da Arquidiocese de Curitiba. Ele abordou as questões relacionadas no âmbito da formação presbiteral a partir de três documentos: Veritatis Gaudium, Fides et Ratio e o Documento 55 da CNBB – Diretrizes Básicas da Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil. “Precisamos ir à metafísica antigo-medieval com o objetivo de unidade. Da mesma maneira, precisamos ir à filosofia contemporânea com cuidado para não cairmos num particularismo que tanto é caracterizado por uma fragmentação do pensamento”, frisou. Pe. Roberto também convidou os presentes a se perguntarem de como devemos interpretar a preocupação da Igreja com a formação presbiteral sem tirar a âncora do passado, sabendo que a razão moderna trouxe um paradigma que possibilitou uma passagem de uma visão estática para uma visão processual.

O Me. Fabiano Dias Pinto, sacerdote e reitor do Seminário Teológico Rainha dos Apóstolos, também da Arquidiocese de Curitiba, foi o segundo convidado a tomar a palavra. Suas palavras expressaram a influência da filosofia na Igreja a partir do direito canônico, demonstrando, a partir de uma perspectiva histórica, que o próprio direito surge para dar à pessoa o seu lugar. “Diferentemente do comunismo, que faz uma equiparação meramente horizontal de querer dar a todos de maneira igual, a Sagrada Escritura faz dá à pessoa o seu lugar, pois cada ser humano tem as suas particularidades”, destacou. Com isso, Pe. Fabiano também destacou a visão aristotélica de que a eudaimonia (felicidade) é um direito de todos. Além disso, ele também destacou que durante a Idade Média havia uma ligação muito forte da filosofia com o direito, que teve uma mudança de perspectiva a partir de Pedro Abelardo que passou a discutir o valor das palavras e do enunciado que deu o direito da virtude intelectual para que se adquirisse a virtude moral, e, assim, as pessoas pudessem ocupar o seu lugar – o seu direito.

Por fim, o Dr. Valdir Borges, sacerdote e professor da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, abordou a questão pastoral. Sua fala foi concentrada no fato de que tanto a filosofia como a pastoral buscam a verdade e que há uma necessidade de sempre aproximar a fé a da razão e vice-versa. Isso pode ser observado no fato de que a pastoral sempre teve uma preocupação em transmitir a mensagem de Deus ao povo simples. O próprio Papa João Paulo II já nos dizia que o doutor angélico, Santo Tomás de Aquino, também teve a sua importância pastoral, e da mesma maneira Santo Agostinho. Além disso, “a filosofia nos ajuda a perscrutar os sinais dos tempos e esses sinais nos foram dados com a recepção do Concílio Vaticano II por meio de Medellín, Puebla, Santo Domingo e Aparecida, aqui na América Latina”, enfatizou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *