4 lições espirituais de São Basílio Magno para a vida cotidiana

Na Igreja Católica, a prática de dedicar-se a Deus dentro de uma comunidade – conhecida como vida consagrada – desenvolveu-se em dois ramos diferentes.

Há o monaquismo oriental, com seu conjunto distinto de regras e modo de vida, e ocidental. De fato, o monaquismo oriental influenciou São Bento na fundação do “Monaquismo Ocidental”, pois este, inclusive, cita São Basílio no capítulo 73 de sua regra.

As raízes espirituais do monasticismo oriental remontam a São Paulo, o Eremita, no terceiro século e a Santo Antônio, o Grande, pouco depois. No entanto, até São Basílio (e São Pacômio) o monaquismo oriental não era formalizado. Por volta de 357, São Basílio viajou para a Palestina, Egito, Síria e Mesopotâmia para estudar as vidas dessas comunidades monásticas para descobrir seu segredo para a santidade.

Enquanto ele admirava o severo ascetismo e a devota vida de oração que os monges eremitas viviam, Basílio pensou que os mosteiros precisavam de equilíbrio. Ele eventualmente escreveu uma regra que governava e moderava a vida diária dos monges. Ele teve grande sucesso e, por isso, Basílio seria mais tarde conhecido como o “Pai do Monasticismo Oriental”.

Uma vida completamente dedicada a Deus tem muito a nos ensinar no século XXI. A sabedoria de São Basílio tem influenciado inúmeros santos ao longo dos séculos e ainda é relevante hoje em dia. Aqui estão quatro lições espirituais que podemos aprender do monasticismo basiliano e aplicar em nossa vida cotidiana.

1. Ore sem cessar

São Basílio escreve: “Devemos orar sem cessar? É possível obedecer a tal comando?… A força da oração está mais no propósito de nossa alma e em ações de virtude que se estendem a todas as partes e momentos de nossas vidas. ‘quer comais’ diz São Paulo, ‘ou bebais, ou façais qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus’. Ao tomar o seu lugar à mesa, reze. Enquanto você toma sua refeição, ofereça graças ao Doador… Enquanto você está vestindo a sua túnica, agradeça ao Doador dela. Enquanto você envolve sua capa sobre si mesmo, sinta ainda maior amor a Deus, que tanto no verão como no inverno nos deu coberturas convenientes para nós, para preservar nossa vida e para cobrir o que é impróprio. O dia está acabando? Dê graças Àquele que nos deu o sol para o nosso trabalho diário, e forneceu para nós um fogo para iluminar a noite.”

Essencialmente, viva em um espírito de ação de graças, lembrando-se de Deus em todas as atividades. Ao fazer isso, podemos viver a exortação de São Paulo para “orai sem cessar”.

2. Revigore a sua alma com um “deserto” semanal

Em uma carta a São Gregório Nazianzeno, Basílio escreve: “O silêncio é o primeiro passo para a limpeza da alma. A solidão é de grande utilidade, na medida em que acalma nossas paixões e dá espaço para o princípio cortá-las da alma ”.

Existe uma razão pela qual Deus nos deu um descanso semanal. Precisamos descansar, revigorar nossa alma e praticar o silêncio. Nós não somos feitos para trabalhar sete dias por semana. Quando o domingo chegar, tente fazer disso um dia de descanso e solidão (de acordo com nosso estado de vida).

3. Sirva os pobres em todos os momentos 

Embora os monges do deserto egípcio normalmente não vissem muitos visitantes, São Basílio aconselhava seus monges a servirem os pobres o máximo possível. Os monges fizeram isso primeiro e acima de tudo, dando todas as suas posses para os pobres, mas depois continuaram a apoiar os pobres através do seu trabalho na solidão.

São Basílio lembrou aos monges que a retirada deles do mundo não os isentava de servir aos outros, mas que a fé cristã deles deveria ser demonstrada através da preocupação com os pobres.

4. Jejue ao tentar erradicar um pecado em particular

Jejuar pode ser difícil, mas os Padres do Deserto viram isso como um meio primário de erradicar o pecado na vida de uma pessoa. Isto vem do pensamento de que, uma vez que o pecado é derivado de nossas paixões corporais, se nos restringirmos em nossa paixão corporal por alimento, seremos melhor fortalecidos contra outras paixões rebeldes.

Quando jejuava, São Basílio pedia moderação e considerava a própria saúde e deveres antes de se envolver em algo extremo. O jejum é uma prática espiritual digna, mas não deve ser feita num espírito de competição, tentando ver quanto tempo uma pessoa pode se abster de comida (como foi o caso em muitos dos primeiros mosteiros).

Fonte: Portal Aleteia em inglês.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *