Qual o significado do Canto “Seja Eterna Sua Memória” (Вічная Пам’ять) no Ofício pelos Mortos?

Quando cantamos “Eterna seja sua memória” (“αἰωνία ἡ μνήμη” ou “Вічная Пам’ять”) ao final do Ofício pelos Mortos, muitas vezes é falsamente assumido que essa memória dos que partiram seja preservada na Terra não apenas nas mentes dos entes queridos, mas também por muitas gerações. Na verdade, no entanto, este hino não é dirigido aos entes queridos do falecido, nem é dirigido ao falecido, nem tem qualquer propósito mortal, mas é dirigido como uma oração a Deus, que é eterno, em nome do falecido.

Um dia os apóstolos vieram a Cristo com alegria dizendo: “Senhor, até os demônios se nos submetem em teu nome!” Jesus respondeu: “Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos estão sujeitos, mas alegrai-vos porque os vossos nomes estejam escritos nos céus” (Lucas 10, 17-20). Em outras palavras, Cristo disse a seus Apóstolos que não se regozijem com algo aqui na terra, mas para se alegrar com o fato de que seus nomes são eternamente lembrados no Reino dos Céus. Seus nomes estão escritos no que é comumente conhecido na Sagrada Escritura como o “Livro da Vida”. Isso é melhor ilustrado na parábola de Lázaro e no homem rico. Pobre Lázaro após a morte é encontrado no reino de Deus, e seu nome se tornou eternamente lembrado, enquanto o miserável homem rico permanece no Hades, totalmente sem nome. O nome de uma pessoa é sua identidade.

“Seja Eterna Sua Memória” equivale a dizer “que você possa estar na memória de Deus”. A Igreja reza essa oração para que o falecido “continue” na memória de Deus. Porque se Deus “nos esquece”, se Ele diz “eu nunca te conheci” (Mateus 7,23), somos levados à extinção espiritual. Mas se Ele se lembra de nós, então como o ladrão na cruz que pediu a Cristo para se lembrar dele, nós também viveremos eternamente com Ele no Paraíso.

Segundo os Santos Padres, a criação vive e existe espiritualmente somente quando participa das energias deificadoras de Deus. Por meio dessa graça incriada, recebemos continuamente nosso ser espiritual e o potencial de desenvolvimento. E isso é natural, já que “a divindade é ser e a criação é não ser” (São Máximo, Confessor) e como São Basílio Magno diz: “Apenas duas coisas existem, a divindade e a criação, o poder santificador e o santificado”.

A imortalidade da alma após a morte é um dado. Poderíamos dizer que é natural e, portanto, forçado em seres humanos. E os condenados existem eternamente na base da imortalidade da alma, mas a sua existência, precisamente porque a imortalidade é natural e forçada, é uma “morte”. O inferno é um “lugar dos mortos”, porque a participação na Graça de Deus deificante e vivificante, incriada, está ausente dos que lá estão. Ausente é o relacionamento necessário com Deus e, portanto, a identidade pessoal que cria esse relacionamento. Pois devemos saber que o relacionamento com Deus, a participação da energia deificante de Sua Graça, é o que dá substância a uma pessoa e não à própria natureza. O relacionamento de uma pessoa com Deus substancia sua natureza e eles se tornam verdadeiramente uma pessoa.

Muitos vêem a salvação da alma apenas à luz do fato de que eles não serão atormentados eternamente, enquanto a salvação é, de fato, esse relacionamento, esse amor, nossa participação na Graça incriada. A alma, porque é imortal por natureza segundo a Graça de Deus, e não imortal por natureza em si, tem uma necessidade existencial de existência, para ser substanciada em um relacionamento com uma pessoa, para adquirir uma identidade pessoal e eterna. E essa identidade, como dissemos, é dada por Deus dentro de um relacionamento que é livremente iniciado e criado por pessoas que já estão nesta vida dentro da Igreja por meio de seus Mistérios. Se, portanto, não criarmos esse relacionamento divino, seremos “privados” de estar na memória de Deus e “cairemos” no “eu nunca o conheci”. Essencialmente, isso é “morte espiritual”.

 

2 thoughts on “Qual o significado do Canto “Seja Eterna Sua Memória” (Вічная Пам’ять) no Ofício pelos Mortos?

  1. Frank Miler says:

    Ótima conclusão. Muitas pessoas pensam em salvação para evitar a dor e sofrimento do tormento eterno e esquecem que o Messias veio nos ensinar que devemos amar ao Pai e ao próximo e que a salvação está na salvação.

  2. lucas says:

    Gostei muito e concordo com a conclusão. A maioria das pessoas imagina a salvação apenas como um meio de fugir do tormento terreno, ela é, mas infelizmente muitos esquecem que o principal motivo da vinda do messias e para que vejamos nossos erros, nos arrependamos e cresçamos espiritualmente, para que antes demais nada, amemos o pai e nos façamos melhores através dele.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *