A vida espiritual e a moral cristã como liturgia de vida

Chamamos “vida espiritual” a vida em Cristo, enquanto a sua fonte é o Espírito Santo e que se completa com a sua graça. A graça é a ação do Espírito Santo no homem, isto é, o seu dom gratuito. A graça de modo algum oprime o homem, nem restringe a sua liberdade. Enfatiza o apóstolo Paulo: “Onde está o Espírito, lá está a liberdade” (cf. 2Cor 3, 17). O Espírito de Deus nos convida, chama para o crescimento em Cristo e o torna possível.

Todo o cristão recebe a graça da vocação, a possibilidade de viver uma vida digna e feliz, o que pode ser realizado somente em Deus. Essa vocação se realiza na vida espiritual, que é condição indispensável para o crescimento e desenvolvimento da pessoa. Como para o desenvolvimento do corpo é necessária a atividade física, e para o desenvolvimento intelectual o estudo e a aprendizagem, assim para o desenvolvimento espiritual são necessárias a graça dos Santos Sacramentos, a oração e as boas obras.

A vida espiritual decorre da ação divina no homem e em benefício do homem: “Deus amou tanto o mundo que entregou seu Filho único para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3, 16). Chamamos essa ação de Deus também de “serviço”, a “liturgia” de Deus em favor do homem: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mt 20, 28). Por isso a vida espiritual do cristão é serviço a Deus e ao próximo: é uma “liturgia de vida”. Dessa forma, ao serviço de Deus unimos o nosso serviço; a Divina Liturgia torna-se nossa própria liturgia, nosso serviço. Viver essa vida litúrgica é demonstrar amor a Deus e ao próximo por pensamentos, palavras e obras.

Essa liturgia de vida é ícone da Divina Liturgia. Nela, o cristão, a quem serve o Senhor, começa ele próprio a servir a Deus e ao próximo. O próprio Jesus Cristo deu o exemplo desse serviço, quando na Última Ceia lavou os pés de seus discípulos e depois lhes disse: “Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais” (Jo 13, 15). O serviço de Cristo torna-se fonte e fundamento da vida cristã. Recebendo de Cristo misericórdia, perdão e cura, nós os aplicamos na nossa vida cotidiana.

Fonte: Cristo nossa Páscoa: Catecismo da Igreja Greco-Católica Ucraniana. Tradução: Pe. Soter Schiller, OSBM. Curitiba: Serzegraf, 2014, n. 710-711;723-724.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.