Santo Tomás de Aquino sobre Criação e o Governo do Mundo

O que significa dizer que Deus criou o mundo e que Deus governa o mundo? Quando Tomás de Aquino fala sobre a criação, ele usa uma breve frase em latim muito importante, onde diz: “Creatio non est mutatio”. “Para Deus, criar não é transformar uma coisa em outra.” A criação não é Deus, como se acendesse a primeira centelha das coisas físicas, ou mudasse ou movesse coisas de um estado para outro. Em vez disso, é Deus dando existência e ser a tudo simultaneamente e sempre. Na medida em que as coisas existem, elas dependem de Deus que as faz existir e esta atividade é a criação. Portanto, a criação está acontecendo agora. Tudo o que existe está sendo criado por Deus, sustentado no ser. Aquino fala sobre a criação como uma relação de dependência. Quer dizer, quando ele pensa sobre o que uma coisa é na medida em que é criada, ele diz: “Bem, uma coisa é criada porque tem uma relação com Deus.” Aqui ele fala sobre relações mistas ou relações não recíprocas. Não é verdade dizer que Deus está em uma relação de dependência em relação à criação, mesmo quando cria. Não melhora ou altera a perfeição de Deus em nos criar, mas nós, por outro lado, somos inteiramente dependentes de Deus. Então você pode dizer que não é recíproco. Dependemos inteiramente dele nesta relação de dependência, e ele nos dá o ser como um presente totalmente gratuito. Isso significa que a criação não é uma realidade histórica em primeiro lugar. É algo mais profundo e perene. É a base de todas as coisas. É a presença de Deus, dando-lhes existência e sustentando-os em existência. Observe que essa compreensão da criação não depende de nenhuma imagem particular do cosmos, mas é obtida mesmo quando gradualmente preenchemos a imagem da história do cosmos por meio das ciências modernas. Você pode dizer, não importa o que descobrimos lá e não importa como preenchemos a imagem, por assim dizer, das origens da vida, as origens do cosmos e do Big Bang. Tudo o que existe, existe algo que existe e na medida em que existe, tem sua existência de Deus, não apenas no início, mas em todo o caminho. Também é importante que, quando Tomás de Aquino define a criação como uma relação, ele está dizendo que não é assim a essência de uma coisa que é criada. A essência de uma coisa é algo que podemos conhecer ao estudá-la, por estarmos adjacentes a ela, por assim dizer. Se você quiser saber a essência de uma árvore ou a essência de um cachorro ou a essência de um ser humano, você estuda filosoficamente, mas quando você pensa sobre as origens fundamentais da coisa e por que ela existe, você precisa pensar sobre Deus como origem da realidade. Portanto, podemos dizer que está relacionado a Deus como seu criador. Na verdade, isso é significativo para nosso envolvimento com a ciência moderna porque significa que as criaturas ao nosso redor têm uma inteligibilidade essencial, quer nos refiramos imediatamente a Deus ou não. Não precisamos ter, por assim dizer, uma ideia sagrada demais das causas secundárias ou das coisas do mundo. Pessoas que não acreditam em Deus podem estudar o mundo e aprender muito sobre Ele e nos comunicar muitas verdades sobre Ele, embora não reconheçam que Ele existe de fato porque Deus o está criando. Mas ganhamos mais aceitação da realidade ao compreendê-la como criada. A maneira como Tomás de Aquino pensa sobre isso também é importante porque mostra que as coisas que Deus mantém em existência são elas mesmas verdadeiras causas de outras coisas. Santo Tomás as chama de “causas secundárias”. A causa primária é Deus dando existência a todas as coisas, “Mas isso dignifica mais a Deus…” diz Santo Tomás, “… criar coisas que são causas de outras coisas do que criar coisas que nunca são causas de outras coisas.” Então, você pode dizer: Deus, a causa suprema de todas as coisas em seu próprio ser, dá-lhes as verdadeiras causas. Portanto, o cosmos é uma história de realidades interagindo de acordo com várias linhas de causalidade secundária, com uma coisa interagindo com outra fazendo com que seja. Isso também é verdade para o mundo das coisas vivas. Também é verdade para a realidade humana, onde nós, como agentes causais livres sustentados em ser por Deus, fazemos com que as coisas aconteçam e os eventos da história se desdobrem em nossas próprias vidas. Teólogos medievais falam de Deus como a causa eficiente, a causa exemplar e a causa final da criação. Deus é a causa eficiente na medida em que todas as coisas derivam dele. Eles emanam dele porque Ele os cria livremente. Portanto, Ele é a fonte de tudo o que existe, não apenas no passado, mas a cada momento. Ele é a causa exemplar, você pode dizer, porque tudo que é modelado segundo a ideia de criação de Deus. A sabedoria de Deus é a forma suprema, você pode dizer, que dá origem a todas as diversas naturezas das coisas no mundo ao nosso redor. Mesmo quando as coisas acontecem ao longo do tempo na criação e gradualmente alcançam sua forma, elas o fazem segundo o modelo da sabedoria suprema de Deus que governa a criação. Deus é a causa final da criação porque todas as coisas existem para Ele. Mesmo que, de certa forma, o mundo físico no mundo das plantas e animais existe para os seres humanos, tudo isso junto existe para Deus. Por meio dos seres humanos, a criação sobe de volta a Deus em oração e adoração. Então, de certa forma, todas as coisas foram feitas para ele. Deus não cria por necessidade. Ele não precisa da criação para se aperfeiçoar. Ele não precisa de nossa honra ou adoração para alcançar algum tipo de respeito próprio. Deus cria por amor e abundância de bondade. Ele cria em liberdade para que possamos participar da bondade divina. Deus cria para expressar e comunicar sua própria sabedoria abundante, beleza e bondade nas coisas que ele faz. Observe como essa visão difere muito daquela do deísmo. Essa visão afirma que Deus criou o mundo e, de certa forma, o deixa por sua própria conta. Mas, em Aquino, é uma visão mais realista, muito mais profunda. Deus está presente em todas as coisas, sustentando-as, misteriosamente mais interior a elas do que a si mesmas, para citar Santo Agostinho. Daí resulta também que Deus governa todas as coisas à luz de sua sabedoria incriada. Vemos isso no fato que as coisas se mantêm juntas em uma determinada ordem. Permite que as várias partes floresçam ou se sustentem umas às outras. O mundo das coisas inanimadas forma um ambiente onde as coisas vivas podem surgir, viver e crescer. O mundo das plantas e animais sustenta a vida de pessoas humanas que, por sua vez, vivem em uma história que se desenrola sustentada pela providência de Deus. Portanto, acertadamente chegamos em nosso cosmos e em nossa história humana a Deus como o autor da criação e como a fonte oculta do governo divino de todas as coisas. O ponto de vista de Tomás de Aquino nessas questões nos mostra a profunda simetria ou conexão da criação e da divinização. Deus cria tendo em vista a comunicação da vida divina da maneira mais elevada possível, que é o dom da graça às criaturas espirituais. Isso é de outra ordem superior à da criação da natureza, mas é a pedra angular e, em certo sentido, o propósito de toda a ordem natural. Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais. Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat