Santo Tomás de Aquino e a liberdade

Como é possível que a graça de Deus possa nos mover livremente para fazer atos salvadores de fé, esperança e amor? Isso não é simplesmente uma contradição? O pressuposto moderno é que é simplesmente incompatível com a liberdade que nossa vontade seja movida, ainda mais movida por Deus. Mas, Tomás de Aquino tem um relato mais antigo e, de fato, muito mais rico e profundo da liberdade humana.

Precisamos descompactar um pouco. Primeiro, o entendimento moderno. Liberdade, em um entendimento moderno, muitas vezes significa escolher sem restrições, optar pelo que quer que determinemos. Ou, para dizer um pouco mais tecnicamente, escolher entre contrários. Então, entramos em um restaurante e olhamos para o menu. Temos uma gama de possibilidades diante de nós. Poderíamos comer frango, carne, ou até peixe, e optamos pelo que escolher. Se alguém nos diz o que escolher ou nos obriga a escolher uma opção em vez de outra, parece que nossa liberdade foi limitada ou diminuída.

Com efeito, esse entendimento moderno da natureza da liberdade é apenas parcial. Tomás de Aquino diria que é uma descrição enganosa da ação humana. Assim, pensando com Tomás de Aquino, podemos aprofundar a compreensão da vontade humana e, portanto, da liberdade humana. Santo Tomás diria: “Em todas as escolhas que fazemos, visamos algo que consideramos bom. Se não considerarmos algo tão bom e, pelo menos, algum respeito, nunca o escolheremos”. Nossa vontade, portanto, não é primariamente uma faculdade de escolher entre opostos. A escolha é apenas um dos atos da vontade. A característica mais fundamental da vontade é que ela é uma faculdade de desejar ou mesmo de amar. A vontade é um apetite racional e deseja, anseia pelo bem. O que quer que nossas mentes entendam como bom para nós, especialmente como bom para nós aqui e agora, é isso que vamos, em certa medida, querer para nós. Além disso, vemos que nossas vidas não são simplesmente uma série de uma escolha individual após a outra. Ontem, nós escolhemos carne. Hoje escolhemos peixe.

De fato, nos envolvemos em projetos maiores. Nosso objetivo é atingir algum objetivo e fazemos muitas escolhas para alcançá-lo. Assim, por exemplo, um aluno que está indo para a universidade tem como objetivo obter um diploma. Então, ele faz muitas escolhas individuais a serviço desse objetivo. Ele se matricula para suas aulas; ele compra seus livros; ele estuda para os exames. Um atleta que quer competir nas Olimpíadas, ele acorda de manhã cedo para treinar. Ele pode levantar pesos, ter uma dieta especial. Mesmo que às vezes ele não sinta vontade de fazer essas coisas, ele ainda escolhe fazê-las, porque sua mente apreende seu treinamento como bom, em vista de seu fim nas Olimpíadas. Então, ele escolhe essas coisas livremente, porque sua vontade é focada no fim e considera esse treinamento um bom meio, ou o melhor meio, de alcançar o que ele deseja.

Portanto, se pensarmos sobre isso, começamos a ver que a liberdade, ou nosso ato de livre escolha, é algo que emerge da vontade, pois deseja que um fim seja tão bom. Em vista do que desejamos, escolhemos livremente uma ação apropriada que nos levará ao nosso fim. Tomás de Aquino nos diria, neste ponto, para que recuássemos e examinássemos os muitos fins ou objetivos que os seres humanos podem estabelecer para si mesmos e as muitas escolhas individuais que eles podem fazer para alcançar esses fins. Alguns fins são consistentes com o florescimento ou a felicidade humana, mas há outros objetivos que podemos erroneamente procurar, mas que só nos levarão à frustração.

Tomás de Aquino pensa, por exemplo, que buscar dinheiro, poder, fama ou honra, se fizermos do nosso objetivo final essas coisas, elas não nos farão realmente felizes. Sempre que escolhemos um curso de ação em busca de um fim indigno de nós, algo que não está nos levando ao nosso verdadeiro florescimento, estamos, de certo modo, agindo livremente – sim, é verdade – mas também na verdade, quanto mais se esconder do que é realmente bom para nós, mais limitadas nossas vidas se tornam. É possível que escolhamos livremente usar algum tipo e droga ilícita, por exemplo, por uma primeira vez. Mas, quando fazemos a escolha repetidamente, a maioria das pessoas se vê cada vez mais livre. A vontade delas ficará acorrentada a esse desejo, e é um desejo que não é digno da criatura humana feita à imagem de Deus.

O que nos fará verdadeiramente felizes? Na análise final, somente Deus é suficiente para suprimir todos os nossos desejos, para nos satisfazer completamente, para que não haja mais nada a desejar. Portanto, somente Deus pode ser nosso fim final, diz Tomás de Aquino. Essa é a verdadeira razão de nossa liberdade e a única maneira de nossa liberdade atingir sua amplitude e poder completos. Temos o poder do intelecto e a vontade para que, nesta vida, conheçamos a Deus livremente pela fé e o amemos pela caridade sobrenatural. Mas se usarmos esses poderes para buscar algo incompatível com Deus, na verdade estamos reduzindo o escopo da pessoa humana. Estamos vinculando nossas vontades para que elas sejam viciadas no que não é bom para nós. Segundo Tomás de Aquino, todo ato de pecado é como usar uma droga ilícita. Isso nos afasta de Deus, nosso verdadeiro bem e o único que pode nos fazer verdadeiramente felizes. E, além disso, nossas vontades então se concentram em alguma coisa parcial criada – prazer ou dinheiro, honra ou nós mesmos – de tal maneira que nos acorrentamos a essas coisas, fixados nelas.

De fato, ao nos criar, Deus já nos ordenou certos bens naturais, que podem nos levar à alguma medida da felicidade natural. Coisas como o bem da amizade, a vida familiar, de conhecer a verdade, viver bem e, de acordo com a virtude, os desejos por essas coisas são naturais para os seres humanos e nossa natureza é – em princípio – capaz de escolher livremente os meios naturais. Mas, o bem maior da pessoa humana é habitar na vida eterna com Deus. Isso é algo infinitamente acima de nossa capacidade natural, mas Deus, pelo dom de sua graça que nos vem de Cristo, pode livremente nos levar a desejar e optar por amar a Deus acima de todas as coisas, acreditar nas palavras de Cristo, confiar-nos ao poder de seus sacramentos, professar a fé da Igreja. Quando fazemos essas coisas, estamos de fato experimentando para que nossa liberdade foi feita, em toda a sua amplitude, para saber e, portanto, amar o bem supremo em seu próprio benefício.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat