Santo Tomás de Aquino e o conhecimento de Deus

Quando Tomás de Aquino considerou os atributos de Deus na primeira parte da Summa, um dos atributos que ele discutiu foi o conhecimento de Deus. Deus sabe coisas, muitas coisas. De fato, Deus sabe tudo. Mas o ponto interessante é que o conhecimento de Deus é muito diferente do nosso. Deus não sabe as coisas da maneira que nós sabemos. Ele sabe as coisas de uma maneira muito mais alta do que a nossa. Portanto, a grande questão é: qual é a maneira mais elevada pela qual Deus sabe?

A resposta é que o conhecimento de Deus é misterioso, e não devemos esperar entender sua maneira de saber, mas ainda podemos dizer algumas coisas sobre seu conhecimento. Podemos vislumbrar seu conhecimento. Vamos começar considerando o que o conhecimento dele não é. Primeiro, Deus não conhece as coisas por sensação. Como ele não tem corpo, ele não possui órgãos físicos para sensação. Isso também significa que Deus não imagina nem se lembra de coisas como nós, já que, para Tomás de Aquino, imaginar e lembrar são obras de órgãos físicos. Segundo, Deus não aprende coisas da natureza, pois o aprendizado é uma forma de mudança e Deus não muda. Terceiro, Deus não forma julgamentos, raciocina ou descobre as coisas como nós, pois isso também é uma forma de mudança. De fato, Deus não tem um monte de ideias ou conceitos em sua mente como nós, pois Deus é simples.

Nesse ponto, você pode estar se perguntando: o que no mundo é o conhecimento de Deus? A resposta é que o conhecimento de Deus não está no mundo ou dele. O conhecimento de Deus está além do nosso e de uma ordem diferente da nossa, e o conhecimento de Deus seria o que é mesmo se não houvesse mundo. Como podemos entender esse mistério? Para Tomás de Aquino, o conhecimento de Deus é um olhar eterno e simples. Deus vê tudo de uma só vez e quando Deus conhece tudo nesse eterno simples olhar, o que ele vê primeiro? Antes de tudo, ele se vê. Mesmo antes da fundação do mundo, Deus se conhecia e, nesse eterno autoconhecimento, sabia que criaria o mundo, o que criaria e cada característica de cada coisa que criaria. E ele sabia tudo isso sabendo que criaria cada coisa dessa maneira. E nessa fonte de autoconhecimento simples, ele sabia que criaria cada coisa com uma natureza, um propósito e o poder de fazer a diferença no mundo para melhor ou para pior. Ele sabia que criaria causas, o sol aquecendo a terra, a água hidratando os seres vivos, a gravidade atraindo corpos um para o outro. Ele sabia que criaria pessoas em particular como um tipo especial de causa, cada uma com o poder da livre escolha. E ele sabia que nossa capacidade nos daria para fazer as coisas correrem no mundo de um jeito ou de outro por nossas escolhas. Ele sabia quais seriam nossas escolhas e que não precisamos ter feito essas escolhas e que poderíamos ter escolhido de outra forma pelo poder que ele nos deu a escolher. Tudo isso e muito mais Deus vê em um olhar simples, imutável e eterno sobre si mesmo como criador do mundo de causas naturais e pessoas livres. No olhar eterno sobre si mesmo, ele nos vê, pois somos uma de suas obras.

Tomás de Aquino faz uma analogia. Pensemos em um artista que queira pintar um retrato. Antes de colocar qualquer coisa na tela, o artista primeiro forma uma imagem ou entendimento do que ele deseja colocar na tela. Da mesma forma com Deus. Antes da fundação do mundo, desde toda a eternidade, Deus sabia em sua mente o que ele queria criar. Ele conhecia toda a criação em todos os seus detalhes, do começo até o fim. E, com esse conhecimento, ele também sabia o que poderia ter sido de outra forma e o que deveria ter sido de outra maneira, mas não era de outra forma devido às escolhas livres das pessoas. Há apenas uma dificuldade com essa analogia. A analogia pode fazer parecer que Deus tem muitas coisas em mente como os seres humanos. Quando ele vê as coisas em sua mente, por assim dizer, ele não está vendo suas próprias concepções, ideias ou imagens das coisas. Não é assim que acontece com Deus. As coisas no mundo ao nosso redor não são modeladas em concepções, ideias ou imagens na mente de Deus; são modeladas em Deus, que é tudo simples e sem uma multiplicidade de pensamentos e imagens.

Digamos um pouco mais sobre as ideias divinas. Para fornecer uma analogia não encontrada em Tomás de Aquino, podemos pensar em um homem que está modelando a forma humana para um estúdio cheio de pintores. O modelo fica no meio de um círculo. Os pintores estão em posições fixas no perímetro do círculo ao seu redor. Cada pintor retrata qual é o modelo e parece receber a localização do pintor no perímetro. Se o modelo soubesse tudo sobre si mesmo, ele se conheceria como retratável de uma maneira por um pintor nessa posição, etc. E se o modelo pudesse saber tudo sobre ele em um olhar imutável, ele saberia de uma só vez todas as maneiras pelas quais é retratável. O próprio Tomás de Aquino usa linguagem semelhante em sua pergunta sobre as ideias divinas. “Deus conhece sua essência como tão imitável por tal criatura e o conhece como modelo e ideia específicos dessa criatura.” As ideias divinas são Deus vendo seu próprio ser simples como suscetível à participação ou imitação de várias maneiras por várias criaturas. A pluralidade está nas muitas criaturas que imitam. Com feito, podemos ver como o conhecimento de Deus é o critério da verdade para todas as coisas.

Mas o que é a verdade? Aquino fala das coisas como existentes entre duas mentes, a de Deus e a nossa. Um cavalo puro-sangue, por exemplo, fica entre a compreensão de Deus sobre o que é um puro-sangue e nossa compreensão do que é um puro-sangue. Os nossos julgamentos sobre os puro-sangue podem ser considerados verdadeiros quando nossos julgamentos correspondem ao que é um puro-sangue, mas os próprios puro-sangue podem ser chamados de verdade quando combinam com a compreensão de Deus sobre o que é um puro-sangue. Um puro-sangue fraco e mancando não pode ser chamado de puro-sangue verdadeiro, porque não corresponde ou vive de acordo com a compreensão de Deus sobre o que é um puro-sangue. Mas um puro-sangue forte e coordenado faz jus à compreensão de Deus sobre o que é um puro-sangue. E é por isso que chamaríamos um coordenado forte de puro-sangue. Nosso entendimento das coisas é verdadeiro quando corresponde ao que são, mas as coisas são verdadeiras quando correspondem ao entendimento de Deus sobre o que são.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat