Santo Tomás de Aquino e os três atos da mente

Um dos pontos mais importantes da filosofia de Aristóteles e Tomás de Aquino é que a realidade é feita para ser conhecida e a mente humana é feita para conhecer a realidade. As coisas são feitas para serem conhecidas porque têm formas ou essências, e suas formas ou essências são o que sabemos quando conhecemos as coisas, e a mente é capaz de conhecê-las porque experimentamos coisas pelo que elas são e recebemos suas formas através da experiência e tornamos essas mesmas formas em pensamento.

Isso pode parecer uma coisa misteriosa, mas se você já se interessou em ler um romance, sabe como o leitor se torna o livro. “Assim também”, como diz Aristóteles, “a mente de certa forma se torna todas as coisas”. Como isso funciona? Todos os seres humanos, como tais, têm uma experiência do mundo à sua volta, e todo o nosso conhecimento do mundo começa a partir da experiência. Todo ser humano tem um contato original com as coisas através da sensação, e as sensações se tornam memórias, e as memórias se tornam uma experiência coletiva da realidade, e a experiência coletiva da realidade é potencialmente inteligível. A experiência é como um baú de significado e verdade. A mente humana é capaz de alcançar o baú do tesouro e trazer à luz a inteligibilidade e a verdade de nossa experiência, e a mente o faz através de três atos.

O primeiro ato da mente é chamado apreensão, e este é simplesmente o ato de obter o que é algo. Por exemplo, o que é um cachorro? O que é um gato? O que é ouro ou prata? Nossa apreensão ainda não é um julgamento sobre as coisas, mas uma simples recepção de suas formas, e a mente torna essas formas em pensamento. Através dessa recepção e do ser das formas das coisas, mais ou menos conseguimos o que elas são. Quando perguntamos a outra pessoa, você entende o que quero dizer? Estamos perguntando se eles apreendem alguma coisa.

Um segundo ato da mente consiste em fazer um julgamento, se algo é ou não é assim. No ato do julgamento, afirmamos ou negamos coisas como seres humanos são animais, ou ouro é um metal ou água não é um metal. Gradualmente, adquirimos uma variedade de julgamentos, e isso leva a um terceiro ato da mente, pelo qual raciocinamos de um conjunto de julgamentos até uma conclusão. Por exemplo, todos os homens são mortais. Sócrates é homem. Portanto, Sócrates é mortal.

Todos esses três atos da mente estão envolvidos no processo dialético e, passando pelo processo dialético, crescemos na compreensão das coisas, e essa compreensão é a perfeição da apreensão. Então, o que significa dizer que o leitor se torna o livro? Como isso acontece? Começamos com a nossa experiência do mundo, que é como uma arca do tesouro de significado e verdade. As formas de todas as coisas estão contidas nessa experiência. A mente traz à luz essas formas a partir de nossa experiência. Quando recebemos essas formas, entramos no significado e na verdade da própria realidade. Quando nos envolvemos profundamente no significado e na verdade da realidade, somos como o leitor que se torna o livro.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat