Santo Tomás de Aquino e a Teleologia

Se você está tentando entender alguma coisa, uma das coisas mais importantes a perguntar é: para que serve? São Tomás de Aquino, seguindo Aristóteles, fala sobre isso como o fim ou a finalidade de uma coisa – aquilo pelo qual ela existe. Às vezes, esse nome recebe um nome mais moderno, teleologia, extraído da palavra grega para “um fim”, télos. É mais fácil falar sobre isso com coisas artificiais. Um carro é para o transporte, um relógio é feito para medir o tempo e não podemos entender completamente essas coisas, a menos que entendamos esse fim para o qual elas existem.

Tomás de Aquino argumentaria que a teleologia ou a ordem no fim, que isso é encontrado em toda parte. Ele acha que é uma verdade universal que tudo o que age, age para um fim. Hoje, isso pode ser confuso para algumas pessoas e pode até parecer duvidoso, mas naturalmente pensamos nessa linha. Por exemplo, seus olhos são feitos para ver e seus dentes são para mastigar comida. É por isso que os dentes são feitos de material tão duro. Essa é a causa material deles e por que eles são moldados como são. Essa é a forma deles, e é por isso que é uma má ideia abrir uma garrafa de cerveja com os dentes. Eles não foram feitos para isso. Se você aparecer no consultório do dentista com os dentes quebrados, ele provavelmente lhe dirá isso com uma forte desaprovação moral.

Tomás de Aquino pensa que há um tipo de direcionamento em todas as coisas, mesmo nas coisas inanimadas. No mundo das plantas, uma árvore procura crescer em direção à luz do sol. E no mundo das coisas inanimadas, uma pedra resiste a ser quebrada. Enquanto está na Terra, tem uma tendência, uma espécie de direcionamento a cair em direção ao centro da Terra. Um fósforo tem um direcionamento para gerar calor. Santo Tomás, ao falar sobre coisas assim, não significa que um fósforo esteja consciente de um desejo de gerar calor. O fósforo não está pensando em nada. Tomás de Aquino está pensando no padrão confiável de que coisas como fósforos, na medida em que são fósforos, fazem exatamente isso – eles geram calor.

Até a ciência contemporânea, de certa maneira, pressupõe isso. A ciência visa entender a realidade, o que significa descobrir o que é inteligível nela. Mesmo onde a princípio podemos pensar que vemos caos ou aleatoriedade, a ciência é frequentemente capaz de nos mostrar que existe de fato um sistema dinâmico com regras ordenadas e padrões sistemáticos. Em outras palavras, há uma ordem inteligível que nossas mentes descobrem já existente no universo e a detectamos sempre que houver um padrão confiável de causa e efeito, como nas teorias do Big Bang ou na evolução ou na física quântica. Santo Tomás argumenta que esta ordem deve vir de uma fonte inteligente, que ele chama de Deus, que é o fim último de todas as coisas.

Há uma conclusão adicional e importante a tirar disso. Se as coisas têm uma tendência ou inclinação natural, se, como o tipo de coisas que são, são direcionadas a algo, então elas serão mais perfeitamente o que são quando estão mais perfeitamente fazendo o que são direcionadas a fazer. É ruim para seus olhos ficarem cegos. É bom para eles enxergarem. Atingir o fim ou o objetivo é, portanto, mais do que apenas uma descrição sobre seus olhos. Também nos diz algo crucial sobre o que é bom para uma coisa e o que leva ao seu florescimento.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat