A Anáfora de São Basílio Magno

São Basílio Magno era consciente de que “a liturgia é o ápice para o qual tende a ação da Igreja, e ao mesmo tempo a fonte da qual jorra toda a sua virtude” (Sacrosanctum Concilium, 10). Sua espiritualidade está centrada na caridade, isto é, no amor a Deus e ao próximo. Mas além disso, foi um sábio “reformador litúrgico” (cf. Gregório Nazianzeno, Oratio 43, 34 in laudem Basilii: PG 36, 541c). Com efeito, São Basílio organizou a salmodia, permitindo que o seu povo conhecesse os Salmos e os recitassem. Ele também elaborou uma Anáfora (ou Oração Eucarística) que relata toda a história da salvação. A Anáfora, cujo centro é a Páscoa de Cristo, é o memorial da obra salvífica sobre o fundo da narrativa da criação e da redenção do mundo pelo Pai, Filho e Espírito Santo. O texto abaixo é a tradução oficial para a língua portuguesa que foi feita pelo Pe. Soter Schiller, OSBM e se encontra no Catecismo da Igreja Greco-Católica Ucraniana «Cristo –  Nossa Páscoa» de 2012.

A Anáfora de São Basílio Magno

Soberano Senhor, Deus vivo, Pai todo-poderoso, nós vos adoramos: é verdadeiramente justo, correto e bom, como convém à grandeza da vossa santidade, louvar-vos, celebrar-vos, bendizer-vos, adorar-vos, dar-vos graças, glorificar-vos, a vós, o único e verdadeiro Deus que existe, e a oferecer-vos, com o coração contrito e na humildade de espírito, este nosso culto espiritual, pois vós nos concedestes o conhecimento da vossa verdade. E quem é capaz de expressar o vosso poder, proclamar alto a vossa glória ou narrar os vossos prodígios que fizestes em todo o tempo?

Soberano do universo, Senhor do céu e da terra, de todas as criaturas visíveis e invisíveis, que vos assentais no trono de glória e perscrutais os abismos – o Deus eterno, invisível, insondável, inefável e imutável; Pai de Nosso Senhor, Jesus Cristo, o grande Deus e Salvador, esperança nossa, imagem da vossa bondade, selo fiel que revela em si a vós, Pai, o Verbo vivo, Deus verdadeiro, sabedoria eterna, vida, santificação, força, verdadeira luz, por quem se manifestou o Espírito Santo, o Espírito da verdade, o dom da santificação, penhor da herança futura, primícia dos bens eternos, poder vivificante, fonte de santificação. Toda a criatura, espiritual e racional, nele confirmada, a vós serve e a vós perenemente rende glórias, pois todas as coisas estão a vosso serviço. Louvam-vos os anjos, arcanjos, tronos, dominações, principados, potências, virtudes e os querubins multiocelados. Em torno de vós estão os serafins: seis asas tem um, seis asas tem outro; com duas eles cobrem a face, com duas, os pés; com duas, voando, eles bradam sem cessar um ao outro, proclamando incessantemente a vossa glória,

Cantando o hino triunfal, clamando, proclamando e dizendo:

Santo, Santo, Santo, Senhor Deus do universo! O céu e a terra estão plenos da vossa glória. Hosana nas alturas! Bendito o que vem em nome do Senhor. Hosana nas alturas!      

Com esses bem-aventurados poderes, Soberano, Deus do amor, também nós, pecadores, clamamos e dizemos: Santo, verdadeiramente Santíssimo sois vós e a vossa santidade não tem limites, e sois justo em todas as vossas obras, pois tudo fizestes em nosso favor, segundo a verdade e o justo propósito. Do pó da terra criastes o homem, ó Deus, e o agraciastes com a dignidade da vossa imagem, vós o colocastes no paraíso das abundâncias, e pelo cumprimento dos vossos mandamentos prometestes-lhe a vida imortal e o gozo dos bens eternos. Quando ele vos desobedeceu, a vós, verdadeiro Deus que o criastes, e deixou-se iludir pelo ardil da serpente, e sofreu as consequências da morte por causa de seus pecados, vós, ó Deus, pelo vosso justo juízo o expulsastes do paraíso para este mundo e o fizestes retornar à terra, de onde ele foi tirado, mas lhe preparastes a salvação mediante a regeneração no vosso Cristo. Não vos afastastes em definitivo da criatura que vós, ó Bondoso, criastes, nem vos esquecestes da obra de vossas mãos, mas na vossa misericórdia a visitastes de muitos modos. Enviastes os profetas, fizestes prodígios por meio dos vossos santos, que em todas as gerações vos foram afeiçoados; falastes-nos pela boca dos profetas, anunciando-nos a salvação futura; destes-nos a Lei como auxílio e a companhia dos anjos para a nossa defesa. E quando chegou a plenitude dos tempos, falastes-nos por meio do vosso próprio Filho, por quem criastes todos os séculos. Ele, sendo o retrato da vossa glória e imagem do vosso ser, que tudo sustenta com o poder de sua Palavra, não considerou como usurpação ser igual a vós, Deus e Pai, mas, sendo Deus eterno, se fez presente nesta terra e conviveu com os homens; nascendo da Virgem santa, humilhou-se a si mesmo, assumiu a condição de servo e se fez semelhante ao nosso pobre corpo, a fim de tornar-nos semelhantes à imagem de sua glória. Pois, como por meio do homem o pecado entrou no mundo e, junto com o pecado, a morte, o vosso Filho – que está no vosso seio, ó Deus e Pai, que nasceu de uma mulher, da santa Mãe de Deus, a Virgem Maria, nascido sob a lei – quis condenar o pecado pelo seu corpo, para que aqueles que morreram em Adão, fossem vivificados no vosso Cristo. Vivendo neste mundo, ele deu-nos preceitos salvíficos, afastou-nos da fraude dos ídolos e nos conduziu ao conhecimento de vós, verdadeiro Deus e Pai, resgatou-nos para si e fez de nós um povo eleito, sacerdócio régio, nação santa e, purificando-nos com a água e santificando-nos pelo Espírito Santo, entregou a si mesmo, como preço do resgate, à morte que nos mantinha cativos, entregues ao pecado. Através da cruz, ele desceu à morada dos mortos para tornar plenas de si todas as coisas; ele superou as dores da morte e ressuscitou ao terceiro dia, e com a sua ressurreição ele abriu o caminho para toda a carne, pois era impossível que a corrupção dominasse o Princípio da vida. Ele tornou-se primícia dos finados, o primogênito dos mortos, para que ele mesmo detivesse o primado em tudo e sobre todas as coisas. Ele subiu aos céus e sentou-se à direita da vossa majestade nas alturas e virá para recompensar a cada um segundo as suas obras. Em memória de sua Paixão salvífica, ele nos deixou esta ação que nós vos apresentamos segundo o seu mandamento. Ele, pois, desejando ir ao encontro da morte – voluntária, gloriosa e vivificante – na noite em que entregou a si mesmo pela vida do mundo, tomou o pão em suas santas e puríssimas mãos, apresentou-o a vós, Deus e Pai, deu graças, abençoou, santificou e partiu-o:

Deu-o aos seus discípulos e apóstolos, dizendo: Tomai e comei, isto é o meu Corpo que é partido por vós, para a remissão dos pecados.

Amém!

Do mesmo modo, tomou o cálice com o fruto da vinha, mesclou-o, rendeu louvor, abençoou, santificou:

Deu-o aos seus discípulos e apóstolos, dizendo: Tomai e bebei dele todos, isto é o meu Sangue da Nova Aliança, que é derramado por vós e por muitos, para a remissão dos pecados.

Amém!

Fazei isto em memória de mim, pois todas as vezes que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, anunciareis a minha morte, proclamareis a minha ressurreição. Assim, pois, também nós, ó Soberano, fazendo memória de sua Paixão salvífica, da vivificante cruz, do sepultamento de três dias, da ressurreição dos mortos, da ascensão aos céus, do sentar-se à direita de vós, Deus e Pai, e da sua gloriosa e tremenda segunda vinda:

O que é vosso e de vós recebemos, a vós oferecemos, em memória de tudo e em ação de graças por tudo.

Nós vos louvamos, nós vos bendizemos, nós vos damos graças, Senhor, e vos invocamos, ó Deus nosso.

Por isso, ó Soberano santíssimo, também nós, indignos e pecadores servos vossos, mas que vos tornastes dignos de servir ao vosso santo altar, não por causa das nossas boas obras – porque nada de bom fizemos nesta terra – mas pela vossa misericórdia e bondade que derramastes em abundância sobre nós, ousamos aproximar-se do vosso santo altar e, oferecendo estes dons, sob os quais se ocultam o santo Corpo e o Sangue do vosso Cristo, a vós suplicamos e vos invocamos, Santo dos santos, para que, com o beneplácito da vossa bondade, venha o Espírito Santo sobre nós e sobre estes dons que estão diante de nós e os abençoe, santifique e torne:

Este pão o próprio precioso Corpo do Senhor, Deus e Salvador nosso, Jesus Cristo.

E este cálice o próprio precioso Sangue do Senhor, Deus nosso, Jesus Cristo.

Derramado pela vida do mundo.

A todos nós que participamos do único pão e do cálice, uni um ao outro na comunhão do Espírito Santo, e fazei com que nenhum de nós participe dos santos Corpo e Sangue do vosso Cristo para o juízo ou condenação, mas para que encontremos misericórdia e graça na companhia de todos os santos; eles, desde o princípio, encontraram a vossa afeição, os antepassados, pais, patriarcas, profetas, apóstolos, pregadores, evangelistas, mártires, confessores, doutores, e com todos os justos que perseveraram na fé.

Oferecemo-lo principalmente com a Santíssima, imaculada, bem-aventurada, Soberana nossa, Mãe de Deus, e sempre Virgem Maria.

Convosco, ó Cheia de Graça, alegra-se toda a criatura, o coro dos anjos e o gênero humano, ó templo sagrado, paraíso espiritual, louvor das virgens, pois em vós Deus se encarnou e se fez criança, o nosso Deus que existe desde todos os séculos. No vosso ventre ele construiu o seu trono e o tornou mais extenso que os céus. Em vos, ó Cheia de Graça, alegra-se toda a criatura, glória a vos.

Com o santo profeta, precursor e batista, João, com os santos e gloriosos apóstolos, com o santo … (nome), cuja memória celebramos hoje, e com todos os vossos santos, pela sua intercessão visitai-nos, ó Deus.

Lembrai-vos dos que já morreram na esperança da ressurreição para a vida eterna.

Pelo descanso eterno, remissão dos pecados do vosso servo … (nome): conduzi-o, ó Deus nosso, para o lugar de luz, onde não existe mais sofrimento ou dor.

E dai-lhes o repouso onde brilha a luz da vossa face.

Suplicamo-vos ainda, Senhor: lembrai-vos da vossa santa Igreja, católica e apostólica, que se encontra em todos os confins da terra e conservai na vossa paz aquela que resgatastes com o precioso Sangue do vosso Cristo e confirmai este santo templo até o final dos tempos. Lembrai-vos, Senhor, dos que vos ofereceram estes dons e aqueles por quem e na intenção de quem foi oferecido. Lembrai-vos, Senhor, dos que trazem em oferta os frutos da terra e fazem boas obras nas vossas santas Igrejas, em favor dos pobres: recompensai-os com generosidade com os vossos dons celestes; dai-lhes, em vez de bens terrenos, bens celestes; em vez de coisas temporais, bens eternos; em vez de coisas que se corrompem, bens incorruptíveis. Lembrai-vos, Senhor, dos que se encontram no deserto, nas montanhas, cavernas e precipícios terrestres. Lembrai-vos, Senhor, dos que vivem na virgindade, na piedade e na ascese. Lembrai-vos, Senhor, do nosso povo, dos governantes e do exército. Dai-lhes a paz verdadeira e duradoura, infundi em seus corações a afeição pela vossa Igreja e por todo o vosso povo, a fim de que também nós, vivendo em paz em nosso meio, possamos ter vida digna e piedosa, tranquila e serena. Lembrai-vos de todas outras autoridades, dos nossos irmãos que estão no serviço público: conservai os bons na sua probidade e com a vossa graça tornai bons os maus. Lembrai-vos, Senhor, das pessoas aqui presentes e dos que por motivos justificados estão ausentes e manifestai sobre eles a abundância da vossa misericórdia. Enchei as suas despensas de todos os bens, conservai os casais na paz e unidade, nutri as crianças, dai formação aos jovens, amparai os anciãos, confortai os abatidos, reuni os dispersos, fazei retornar os extraviados e os agregai à vossa santa Igreja católica e apostólica. Libertai os possuídos pelos maus espíritos, acompanhai os que estão em viagem, ajudai as viúvas, protegei os órfãos, libertai os cativos, curai os enfermos; lembrai-vos também dos que vão comparecer em juízo, dos que estão no exílio, dos que exercem trabalhos pesados, dos que estão passando por aflições, necessidades ou sofrem opressão. Lembrai-vos de todos aqueles que necessitam da vossa grande misericórdia, daqueles que nos amam e também dos que nos odeiam, dos que nos pediram orações e de todo o vosso povo, lembrai-vos, Senhor, Deus nosso, e derramai sobre eles a abundância da vossa benevolência, atendendo os seus pedidos, para a sua salvação. E a quem deixamos de lembrar, por desconhecimento ou esquecimento, ou por causa do grande número de nomes, lembrai-vos, vós mesmo, ó Deus, pois vós sabeis o nome e a idade de cada um, vós conheceis cada um desde o ventre de sua mãe. Vós, Senhor, sois o auxílio dos desvalidos, a esperança dos desesperançados, o socorro dos que estão em meio de tempestades, o porto seguro dos navegantes, o médico para os enfermos: sede tudo para todos, pois conheceis cada um, sua família, suas aspirações e suas necessidades. Livrai, Senhor, esta cidade (aldeia, casa) e todas as outras cidades e países da fome, peste, terremoto, enchentes, fogo, ataques inimigos, de toda a violência e desordens internas.

Lembrai-vos, Senhor, do Santo Padre, o Papa …. (nome), do nosso Arcebispo-Maior …. (nome), do nosso bispo metropolita …. (nome), do nosso bispo …. (nome) e concedei que eles, regendo as vossas santas Igrejas, tenham paz, integridade, honradez, saúde e vida longa, para proclamar retamente a palavra da vossa verdade.

Lembrai-vos, Senhor, de todos.

Lembrai-vos, Senhor, do vosso servo … (nome); receba ele a manifestação da vossa bondade, a salvação e o perdão de seus pecados.

Lembrai-vos, Senhor, do nosso episcopado que ministra retamente a palavra da vossa verdade.

Lembrai-vos, Senhor, na vossa imensa bondade, de minha indignidade, perdoai todos os meus pecados voluntários e involuntários, para que, por causa deles, não retireis a graça do vosso Espírito Santo destes dons que estão diante de nós.

Lembrai-vos do presbiterado e da ordem diaconal em Cristo e de todo o ministério sacerdotal, e não confundais nenhum de nós que estamos em torno do vosso altar. Visitai-nos com a vossa bondade, Senhor, mostrai-nos a riqueza dos vossos benefícios, concedei-nos condições climáticas favoráveis, fazei cair a chuva calma para fertilizar a terra das nossas plantações, abençoai o nosso trabalho. Impedi as divisões dentro da vossa Igreja, debelai o orgulho dos povos, estancai imediatamente, pelo poder do vosso Espírito Santo, o surgimento de heresias, e acolhei a todos nós no vosso reino, tornando-nos filhos da luz e do dia, dai-nos a vossa paz e o vosso amor, Senhor, Deus nosso, pois é de vós que procedem todas as coisas.

E permiti-nos que a uma só voz e com um só coração louvemos e glorifiquemos o vosso magnífico e grandioso nome, Pai, Filho e Espírito Santo, agora e sempre.

Amém!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat