Por que os cristãos orientais rezam voltados para o Oriente e por que o sacerdote não celebra de frente para o povo?

O Oriente é, liturgicamente, na direção do altar, esteja ele de frente para o verdadeiro Oriente ou não. Em uma igreja tradicional, “construída do zero”, o altar sempre fica ao Oriente; em nosso mundo moderno, onde existem muitos edifícios que são modificados para serem usados ​​para adoração, às vezes não é possível que o altar fique em direção para o verdadeiro Oriente.
Virar para o Oriente é uma tradição antiga, fundamentada em um certo conhecimento sobre a Segunda Vinda, primeiramente contada pelo Senhor, e depois repetida por um anjo depois que os discípulos haviam acabado de ver o Senhor subir ao céu: “Pois assim como o relâmpago parte do oriente e brilha até o poente, assim será a vinda do Filho do Homem” (Mateus 24, 27).
“E lhes disseram: ‘Homens da Galileia, por que estais aí a olhar para o céu? Este Jesus, que foi arrebatado dentre vós para o céu, assim virá, do mesmo modo como o vistes partir para o céu'” (Atos 1, 11).
Acreditamos que nosso Senhor ascendeu ao Monte das Oliveiras, e quando Ele voltar, Ele virá em uma nuvem do Oriente. Portanto, colocamo-nos em direção ao Oriente quando rezamos.
Existem outras referências bíblicas importantes ao Oriente. A seguir, é apresentada uma lista NÃO abrangente.
Os sábios viram sinais do nascimento iminente de Cristo do Oriente: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que vieram magos do Oriente a Jerusalém, perguntando: ‘Onde está o rei dos judeus recém-nascido? Com efeito, cimos sua estrela no seu surgir e viemos homenageá-lo'” (Mateus 2, 1-2).
Ezequiel viu a “glória do Senhor” ao encarar o Oriente: “A glória do Senhor chegou ao Templo pelo pórtico que dá para o Oriente” (Ezequiel 43, 4).
Os judeus enfrentaram o leste durante sua adoração: “Sempre que o príncipe oferecer um holocausto voluntário ou um sacrifício de comunhão ao Senhor, abrir-se-lhe-á a porta que dá para o Oriente, e aí oferecerá o seu holocausto e o seu sacrifício de comunhão, conforme costuma fazer no dia de sábado” (Ezequiel 46, 12).
Os Santos Padres têm muitas referências à oração voltada para o Oriente (veja no final deste artigo um trecho de São João de Damasco a respeito disso).
Quando as pessoas rezam, todas rezam juntas. Somos todos filhos de Deus. Quando o pastor ensina, ele se volta para o povo. Esse também era o caminho judaico; O culto cristão é inerentemente judeu. Para tudo, há um tempo e uma estação, e quando o pastor ensina, ele olha para as pessoas, para que elas possam ouvir suas exortações.
A respeito da Adoração em Direção ao Oriente
por São João Damasceno, livro IV, capítulo 12
Não é sem razão ou por acaso que adoramos em direção ao Oriente. Mas, vendo que somos compostos de uma natureza visível e invisível, ou seja, de uma natureza em parte de espírito e em parte de sentido, prestamos também uma dupla adoração ao Criador; assim como cantamos com nosso espírito e nossos lábios corporais, e somos batizados com água e Espírito, e somos unidos ao Senhor de uma maneira dupla, sendo compartilhadores nos Mistérios e na graça do Espírito.
Visto que, portanto, Deus é luz espiritual, e Cristo é chamado nas Escrituras Sol da Justiça e Primavera do Dia, o Oriente é a direção que deve ser atribuída à Sua adoração. Pois tudo de bom deve ser atribuído a Ele, de quem tudo de bom surge. De fato, o divino Davi também diz: Cantai a Deus, vós, reinos da terra: cantai louvores ao Senhor; àquele que lança sobre o céu dos céus para o Oriente. Além disso, as Escrituras também dizem: E Deus plantou um jardim a leste no Éden; e ali pôs o homem a quem havia formado; e quando transgrediu o seu mandamento, expulsou-o e obrigou-o a habitar contra as delícias do Paraíso, que claramente é o Ocidente.
Então, adoramos a Deus buscando e lutando pela nossa antiga pátria.
Além disso, a tenda de Moisés tinha seu véu e propiciatório para o Oriente.
Também a tribo de Judá, como a mais preciosa, montou seu acampamento no Oriente.
Também no célebre templo de Salomão, o Portão do Senhor foi colocado para o leste.
Além disso, quando Cristo estava pendurado na cruz, seu rosto estava voltado para o Ocidente, e por isso adoramos, lutando por ele.
E quando Ele foi recebido novamente no Céu, ele foi levado para o Oriente, e assim Seus apóstolos O adoraram, e assim Ele voltará da maneira em que eles O viram indo para o Céu; como o próprio Senhor disse: Como o relâmpago sai do Oriente e brilha até o Ocidente, assim também será a vinda do Filho do Homem.
Assim, então, na expectativa de Sua vinda, adoramos em direção ao Oriente. Mas essa tradição dos apóstolos não é escrita. Pois muito do que nos foi transmitido pela tradição não está escrito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat