Santo Tomás de Aquino, o Ser e a Metafísica

Em todas as épocas, os seres humanos tentam ordenar seus pensamentos sobre a questão: o que é realmente real? Como podemos explicar em que consiste o mundo? Você pode dizer que esta é uma pergunta sobre quais são as causas profundas das coisas. E a investigação é tradicionalmente chamada de metafísica. É um título estranho, mas não é uma ideia difícil de entender, a metafísica é apenas o estudo da ciência do Ser, daquilo que existe, na medida em que existe. Você pode dizer que a metafísica é uma maneira estruturada de pensar sobre as explicações mais fundamentais do mundo que encontramos.

Quando Santo Tomás de Aquino define a metafísica, ele diz que seu objeto de estudo são as causas da existência nas coisas. Por que as coisas existem? Na metafísica, consideramos os seres deste mundo, suas naturezas, suas propriedades, constituição material, as mudanças às quais são submetidos, sua contingência, suas relações que obtêm dentro e entre eles, e consideramos por que existem várias coisas sob todos os ângulos.

Você e eu existimos por causa de nossos corpos materiais? Ou existimos porque temos almas? Existimos porque fomos criados por nossos pais? Ou existimos devido à dependência que temos do cosmos físico maior? Ou existimos por causa da criação de Deus sustentando todas as coisas e seres? Ou é devido a todos os itens acima, mas em uma determinada ordem? E se sim, como ordenamos essas explicações? Isso dá uma ideia da visão geral. Mas, e os pontos de partida básicos?

Ao começar a considerar o que é ser, Santo Tomás identifica certas distinções fundamentais que devemos fazer. Primeiro, podemos discernir as diferenças obtidas entre os diferentes tipos de substâncias naturais ao nosso redor. Como elas se distinguem uma da outra? Um ser humano, por exemplo, é muito diferente de um canguru. Nós os distinguimos por suas diferentes propriedades, que podemos analisar filosoficamente. Ambos são animais e mamíferos e possuem órgãos sensoriais complexos. Eles são seres vivos, são seres sencientes e têm todos os tipos de propriedades móveis semelhantes. Mas os seres humanos são animais racionais que pensam, tomam decisões, usam linguagem e ferramentas, enquanto os cangurus não fazem nada disso. Agora, outras propriedades que eles compartilham, mas também se distinguem apenas no nível da animalidade. Por exemplo, os cangurus nutrem seus filhotes em uma bolsa após o nascimento, mas os seres humanos não. Portanto, esses tipos de propriedades revelam características das várias naturezas das coisas e nos dizem algo sobre o que são essas coisas, suas essências e, portanto, por que elas existem ou como existem. Esse é o primeiro tipo de maneira de avançar para a metafísica.

Podemos estudar as distinções das várias substâncias que encontramos e suas propriedades filosoficamente. Mas, tendo substâncias distintas, podemos considerar o que as une ou o que todos têm em comum. O que é apropriadamente básico ou comum a todos os tipos de seres, não importa quão diferentes eles sejam? Podemos falar sobre dimensões do ser comuns a seres humanos, cangurus, árvores, estrelas, pedras e artefatos. Então é aqui que entramos no estudo do que Tomás de Aquino chama de transcendentais, sendo unidade, verdade, bondade e beleza. Tudo o que existe tem sido de alguma forma e é unificado, verdadeiro ou inteligível, bom e, portanto, desejável ou agradável e bonito. Tem um certo tipo de esplendor ou harmonia. Nesse ponto, podemos começar a fazer mais perguntas definitivas. Será este mundo de seres interdependentes que experimentamos uma realidade ou múltiplas realidades que formam uma espécie de unidade? O cosmos que existe à nossa volta e as coisas que estão nele são boas em algum sentido objetivo? E se sim, existem graus e tipos de bondade nas coisas ao nosso redor? E se sim, o que é o mal e como explicamos a existência do mal? Enquanto isso, o que é beleza e é meramente subjetivo, ou as coisas deste mundo são verdadeiramente belas devido às harmonias internas a elas e à ordem dentro delas? O mundo dos seres finitos e interdependentes depende, em última análise, de uma causa primária que chamamos de Deus, que dá o ser a todas as coisas? E se sim, como o Ser e a unidade, a bondade, a beleza e a verdade se relacionam com Deus como a causa de tudo o que existe?

Para Tomás de Aquino, os metafísicos se esforçam para estudar as coisas deste mundo através de uma avaliação honesta e crítica. E, ao fazê-lo, são levados a considerar a realidade em relação a Deus como a causa da existência de tudo o que é. Quando você começa a pensar nos tipos de perguntas que acabamos de levantar, você está fazendo metafísica e Santo Tomás é um ótimo guia para esse tipo de estudo.

Para mais posts como esse, podcast e vídeos, acompanhe o nosso blog e conecte-se conosco em nossas redes sociais. E não se esqueça de compartilhar com seus amigos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat