5 mitos sobre padres casados no catolicismo oriental

Muitas pessoas acreditam que a disciplina oriental de ordenar homens casados para o sacerdócio contradiz a disciplina ocidental do celibato sacerdotal. Eis por que essa crença está errada.

Nas discussões sobre o celibato sacerdotal, a prática das Igrejas Católicas Orientais é frequentemente ignorada ou mal compreendida. A maioria das pessoas não sabe que já existem milhares de padres católicos casados ​​que servem nas Igrejas Católicas Orientais.

A Igreja Católica não é uma entidade uniforme e monolítica. Em vez disso, é composta por 24 igrejas sui juris individuais que “desfrutam de sua própria disciplina, uso litúrgico e herança teológica e espiritual” (Lumen Gentium, n. 23). A Igreja Latina é a maior dessas Igrejas, mas também existem 23 Igrejas Católicas Orientais únicas. Essas Igrejas estão em plena comunhão com Roma e, juntamente com a Igreja Latina, formam a única Igreja Católica. A Igreja Católica Latina e as Igrejas Católicas Orientais compartilham o mesmo papa (Papa Francisco), os mesmos sacramentos (incluindo a Eucaristia) e a mesma fé católica. No entanto, cada uma das 24 Igrejas expressa essa fé de uma maneira única.

É prática de longa data no catolicismo oriental ordenar homens casados ​​ao sacerdócio. Os meios de comunicação às vezes relatam erroneamente que essas igrejas “permitem que os padres se casem” ou não praticam o celibato. Esses e outros mitos dão a falsa impressão de que a disciplina católica oriental contradiz a disciplina latina do celibato sacerdotal, ou (pior ainda) é um desafio direto a ela. Mas, como veremos, as duas disciplinas não estão tão distantes quanto parecem.

Mito 1: Católicos orientais não valorizam o celibato

No catolicismo oriental, o celibato é apreciado como um presente para a Igreja. Quando um homem ou mulher escolhe seguir o exemplo de Jesus através do celibato, essa escolha é celebrada como uma testemunha escatológica do mundo.

Além disso, a vida monástica é considerada ideal no catolicismo oriental. Monges, sejam homens ou mulheres, são homenageados como pais e mães espirituais. O monasticismo está no coração da espiritualidade cristã oriental, e tradicionalmente existe uma forte presença monástica nas Igrejas Católicas Orientais.

Há também uma conexão entre ordens sagradas e celibato no catolicismo oriental. É por isso que os bispos, que possuem a plenitude do sacramento das Ordens Sagradas, são sempre celibatários. Embora homens casados possam ser ordenados diáconos e sacerdotes, apenas homens celibatários são ordenados ao episcopado.

Mito 2: Padres católicos orientais são “autorizados a se casar”

Este é um dos mitos mais difundidos sobre o catolicismo oriental. Embora homens casados ​​possam ser ordenados diáconos ou sacerdotes, homens que já foram ordenados não podem se casar. Se um diácono ou padre casado se tornar viúvo, ele adotará uma vida de celibato.

A esse respeito, a disciplina católica oriental é idêntica à disciplina latina em relação aos diáconos casados. Um homem casado pode ser ordenado, mas um homem ordenado não pode se casar. Isso testemunha ainda mais a conexão entre ordens sagradas e celibato.

Mito 3: A disciplina católica oriental é uma “aberração”

Ao defender a disciplina latina do celibato sacerdotal, existe o risco de denegrir a disciplina oriental. Vi autores católicos se referirem à disciplina oriental como uma “aberração” ou um “erro” que é tolerado por uma questão de unidade. Alguns até afirmam que a existência de padres católicos orientais casados ​​representa uma deficiência de fé.

Em contraste, o ensino católico oficial respeita a disciplina oriental. Veja, por exemplo, o Código dos Cânones das Igrejas Orientais, que foi promulgado por São João Paulo II. Ele afirma que “a prática consagrada dos clérigos casados ​​na Igreja primitiva e na tradição das Igrejas Orientais ao longo dos tempos deve ser realizada em honra” (cânon 373). Declarações semelhantes são encontradas em outros documentos da igreja, como o Catecismo da Igreja Católica, que afirma que a prática oriental de ordenar homens casados ​​como padres “há muito é considerada legítima; esses sacerdotes exercem um ministério frutífero dentro de suas comunidades ”(nº 1580).

Argumentos para o celibato obrigatório que denigram ou deslegitimam padres casados ​​são problemáticos, pois são ataques a uma disciplina legítima praticada no catolicismo. Além disso, são ataques inadvertidos a padres católicos fiéis que servem nas Igrejas Orientais. Em vez disso, é possível defender a disciplina latina sem menosprezar os padres casados. 

Mito 4: Famílias de padres casados ​​sofrem de negligência

Um argumento muitas vezes repetido é que os padres casados ​​estão divididos entre duas vocações – casamento e sacerdócio – e também não podem viver adequadamente. Costuma-se afirmar que um padre casado não teria tempo para ser marido ou pai e que sua esposa e filhos sofreriam como resultado.

Esse argumento – que não há tempo para um homem ser marido e sacerdote – pode ser aplicável à Igreja Latina, mas a situação no catolicismo oriental é diferente. A presença de padres casados ​​está enraizada na cultura católica oriental e, portanto, os padres, suas esposas e paroquianos geralmente são bons em manter um equilíbrio. O típico padre católico oriental não é mais ocupado do que um médico ou um policial e geralmente tem tanto tempo para se dedicar à vida familiar.

Dito isto, a Igreja Latina opera de maneira diferente, e seria necessária muita adaptação para fazer um sacerdócio casado funcionar nesse contexto.

Mito 5: Os padres católicos orientais casados ​​são pastores ineficazes

O outro lado do mito anterior é que os padres casados ​​são consumidos pelas obrigações da vida familiar e, portanto, negligenciam o bem-estar espiritual de suas paróquias.

Essa é uma generalização que pode ser verdadeira no contexto latino, mas não reflete a realidade do catolicismo oriental.

O estado civil de um padre tem pouca influência sobre sua eficácia no ministério. Existem padres celibatários que são pastores incríveis, mas também existem alguns padres casados ​​incríveis. 

Respeitando as duas Tradições

A Igreja Latina opera de maneira diferente, com suas próprias necessidades e expectativas. Só porque um sacerdócio casado funciona no Oriente não significa que funcionaria no Ocidente. A disciplina latina tem um tremendo valor, e há razões convincentes para mantê-la. Por esse motivo, quaisquer alterações nessa disciplina devem ser abordadas com cautela.

Ao mesmo tempo, aqueles que argumentam em defesa da disciplina latina devem lembrar que existem milhares de padres católicos casados que servem fielmente nas Igrejas Católicas Orientais. Os argumentos para o celibato sacerdotal devem evitar generalizações que inadvertidamente coloquem padres católicos orientais casados como sendo inerentemente deficientes ou como aberrações. Eles também são padres católicos e merecem o mesmo nível de respeito concedido aos celibatários.

Fonte: Dr. Anthony Dragani para o National Catholic Register.

Gostou desta postagem? Quer ter acesso a mais conteúdos como esses? Então, siga nossa página no Facebook e o nosso perfil no Instagram.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat