Os criadores da nova Idade Média

Umberto Eco, Jacques le Goff e Georges Duby mudaram a visão popular de um período fundamental

No início de Reino dos Céuso filme de Ridley Scott sobre as Cruzadas, dois indivíduos enterram uma mulher que cometeu suicídio. Eles têm que cortar a cabeça do corpo. “Seria pior se eu fosse uma bruxa”, diz um deles. Em 10 minutos de filmagem, a servidão, o direito da pernada, a fome, a sujeira… E um protagonista que diz: “Eu estava pensando em ser enterrado a 100 metros de onde nasci”. É impossível concentrar mais tópicos na Idade Média em tão pouco tempo. Porque, por exemplo, as grandes caçadas de bruxas na Europa ocorreram entre os séculos XV e XVII, na Era Moderna, como muitos outros horrores que localizamos e relacionamos automaticamente com a Idade Média.

“Na Europa, o período em que as populações eram mais miseráveis ​​não é a Idade Média, mas o século XVII. E não há como corrigir esse preconceito ”, explicou em entrevista o medievalista francês, especialista em animais e cores, Michel Pastoureau. Seu livro Uma história simbólica da Idade Média Ocidental (Katz, 2006) é um dos ensaios que explicam a profunda mudança que ocorreu em nossa percepção deste período medieval muito longo, que durou quase mil anos. Pastoureau pertence à segunda geração da chamada Escola dos Anais, da qual emergiram dois dos grandes medievalistas europeus: os franceses Jacques Le Goff (1924-2014) e Georges Duby (1919-1996).

Umberto Eco (1932-2016) foi um grande admirador do trabalho desses dois pesquisadores e conseguiu muitas de suas idéias para escrever O nome da rosa, o romance mais popular sobre essa época – com perdão de Ivanhoe, de Walter Scott e Os pilares da Terra, de Ken Follett. Mas Eco também foi um importante teórico e pesquisador, um dos primeiros que sabia como encontrar o fio que nos conecta diretamente ao tempo dos castelos e cavaleiros. “A Idade Média foi uma enorme operação de bricolagem em equilíbrio entre nostalgia, esperança e desespero”, escreveu ele em The New Ages Middle Age (Alliance, 1997), um livro coletivo que teve um grande impacto nos anos setenta, quando os trabalhos desses autores começaram a encontrar uma difusão importante.

Le Goff havia oferecido uma visão semelhante em um de seus ensaios mais populares, In Search of the Middle Ages (Paidós, 2003). Neste trabalho, ele rejeita, por um lado, a visão idealizada desse período, a do amor e dos atos românticos, mas também se recusa a cair no obscurantismo. “Se todas as épocas passadas vivem no presente, acredito que a Idade Média é particularmente viva e fundamental para entender a sociedade atual. Tenho certeza que você continuará a inspirar seu futuro. Minha Idade Média se formou na reflexão comum sobre o passado, o presente e o futuro”, diz ele nesta entrevista-ensaio.

Mas provavelmente o ensaio mais duradouro do período ainda é O tempo das catedrais (Alliance, 2003), de Georges Duby. Sua tese é que esses imensos templos medievais representam o ressurgimento das cidades – ele argumenta que Paris é a primeira grande capital de um reino na Europa – e, ao mesmo tempo, personifica a troca de ideias e pessoas. As rotas dos peregrinos, como o Caminho de Santiago, eram a seiva do continente. “Na Europa das catedrais, o poder dos reis é imposto”, escreve Duby. Estados modernos começam a surgir então, como a divisão do tempo ou redes comerciais que ainda usamos hoje. Umberto Eco estava certo quando disse que vivemos uma nova Idade Média.

Autor: Guilherme Altares, para o EL PAÍS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *