Por que os orientais usam incenso em suas celebrações litúrgicas?

Em nossa Igreja, queimamos incenso em um recipiente de metal que paira sobre três correntes e tem uma tampa deslizante para regular a queima de carvão. Todo o aparato é chamado de incensário ou turíbulo. Nas correntes há doze pequenos sinos, significando os 12 Apóstolos.
 
 
Colocamos grãos de incenso para serem queimados sobre o carvão com uma oração: “Nós te oferecemos incenso, ó Cristo nosso Deus, por um odor de fragrância espiritual. Receba-o em seu altar celestial e envie-nos, em retorno, o dom do seu Espírito Santo.” O incenso é uma mistura de especiarias e gomas que queimamos durante os serviços para produzir fumaça perfumada.
 
 
Não sabemos quando o incenso foi introduzido nos cultos da Igreja. É bem provável que o tenhamos usado desde o início do culto cristão, uma vez que seu uso era comum na adoração judaica no Templo de Jerusalém. Isso é uma suposição porque as primeiras testemunhas silenciam sobre seu uso. Nós só achamos recomendações a partir do século IV em diante.
 
 
O incenso ardente simboliza a oração. “Que minha oração suba à Vossa presença como o aroma do incenso, que minhas mãos estendidas para vós sejam como a oferenda da tarde.” (Salmo 140,2 – usado durante as Vésperas enquanto toda a igreja é incensada). Nos tempos do Antigo Testamento, as pessoas oravam diante do Santo dos Santos enquanto o sacerdote fazia o sacrifício. “E toda a multidão estava orando do lado de fora, na hora do incenso.” (Lucas 1,10). Simbolicamente, o incenso representa a oração subindo a Deus.
 
 
O incenso continua a ter esse apego à oração no Novo Testamento, como vemos no livro do Apocalipse. “Um anjo veio e ficou no altar, com um incensário de ouro; e ele recebeu muito incenso para se misturar com as orações de todos os santos sobre o altar de ouro diante do trono de Deus; e a fumaça do incenso subiu com as orações dos santos da mão do anjo diante de Deus.” (Apocalipse 8,3-4). Lembramos que Cristo recebeu o incenso como um dos dons dos reis magos (Mateus 2,11).
 
 
Em nossa liturgia, queimamos incenso para simbolizar:
  1. Adoração de Deus presente no Templo e na Eucaristia.
  2. Oração subindo a Deus como a fumaça.
  3. A Graça do Espírito Santo, que Deus vem sobre nós como incenso perfuma toda a igreja.
 
Os ícones da igreja são incensadas para honrar a Deus que coroa os santos nos céus, que fizeram maravilhas por meio deles aqui na terra, e que santificaram e glorificaram seus corpos; e demonstrar nossa devoção a esses amigos especiais e servos de Deus chamados santos.
 
 
Nós incensamos os bispos e sacerdotes para honrar neles Jesus Cristo, a quem eles representam e com cujo caráter sagrado eles estão vestidos.
 
 
Incensamos os fiéis a fim de honrar a semelhança de Cristo que lhes foi impressa no Batismo e por serem templo do Espírito Santo (1 Col 6). Quando você for incensado, você deve fazer uma pequena inclinação (metânia) ou até mesmo o Sinal da Cruz para se lembrar do seu Batismo e que você é um Templo, feito à imagem e semelhança de Deus (Gênesis 1). Teologicamente, o incensar é muito importante. A teologia oriental está focalizada na theosis, em “tornar-se semelhante a Deus”, não na Essência, mas através das Energias de Deus (como grandes escritores como São João de Damasco deixou claro), que nos são transmitidos de inúmeras maneiras e principalmente através dos Sacramentos. Nós incensamos primeiro os ícones porque eles são as pessoas entre nós que nós veneramos como tendo recebido theosis em alto grau; nós nos incensamos porque estamos em processo, ao longo desta vida, de nos tornarmos mais e mais divinos pela graça. De certa forma, você também pode ver a censura das pessoas como uma chamada de despertar: Reconheça que você é feito à imagem de Deus e que está sendo restaurado a essa imagem e semelhança através de Cristo, que age em você através do Espírito para torne-se um “participante da natureza divina” (2 Pedro). Dessa maneira, nós incensamos os que partiram nos ritos fúnebres para honrar seus corpos, santificados no Batismo, e oferecer oração pelo repouso de suas almas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *