A Solenidade dos Santos Cirilo e Metódio – Apóstolos dos Eslavos | Série: Conheça o seu Rito

“Nós vos louvamos, santos Cirilo e Metódio, isoapóstolos, que por vossos ensinamentos iluminaram as nações eslavas e as levaram para Cristo”.

(Hino de louvor da Solenidade).

Os santos isoapóstolos Cirilo e Metódio, apóstolos dos eslavos, são queridos para todos os eslavos e muito próximos em espírito ao povo ucraniano. A eles nós devemos ser a luz do cristianismo entre os povos eslavos. A eles nós somos devedores pela tradução da Bíblia e dos livros litúrgicos para a língua eslava. A eles nós somos gratos pela língua eslava ter se tornado uma língua litúrgica ao mesmo nível do grego e do latim.

São Cirilo e Metódio foram notados por pelo zelo apostólico em propagar a fé cristã entre os eslavos; eles foram os fundadores e autores do Rito Eslavo. Assim, eles justamente merecem ser chamados de “isoapóstolos”, pois eles foram os primeiros mestres e iluminadores dos eslavos assim como do nosso povo ucraniano. No nosso Ano Litúrgico nós temos ao menos três dias dedicas às suas memórias.

Examinaremos, portanto, os trabalhos apostólicos deles, sua importância para o Rito Eslavo e sua veneração em nossa Igreja.

Os Trabalhos Apostólicos de Cirilo e Metódio

Constantino, cujo nome monástico é Cirilo, e Metódio nasceram em Tessalônica na primeira metade do século IX, como filhos de um alto oficial do Império Bizantino. Historiadores não possuem certeza da nacionalidade de seus pais: alguns dizem que eles eram eslavos; outros, que o pai era eslavo e a mãe grega. Desde que havia muitos eslavos em Tessalônica, é provável que Constantino e Metódio desde a sua juventude já sabiam a língua eslava. Eles receberam um bom treinamento cristão e alta educação. Constantino, ainda como estudante, recebeu o título de “filósofo”; mais tarde, ele estudou filosofia na Universidade de Constantinopla. Após completar seus estudos, Metódio serviu por muitos anos como um oficial entre os eslavos, mais tarde ele ingressou no mosteiro de Olímpo, Bitínia, Ásia Menor.

Assim, a Providência de Deus preparou Metódio e Cirilo para a sua grande e santa missão como apóstolos dos eslavos.

Em 860, os dois irmãos pregaram a fé cristã aos czares que controlavam o Sul da Ucrânia pelos mares Negro e Cáspio. O posto da missão era Kherson. Na Crimeia, eles vieram em contato com os gregos que lá moravam, assim como com os eslavos. Em Kherson, Constantino encontrou um Santo Evangelho e um Saltério, escrito no idioma da Rus’. Lá ele também descobriu as relíquias do  são Clemente.

O trabalho missionário entre os czares foi para Constantino e Metódio apenas um prelúdio para a sua grandiosa missão – a conversão dos eslavos à fé cristã. Em 862, o príncipe morávio, Rostyslav (846-870), pediu ao imperador bizantino, Miguel III (842-867), para enviar missionário para pregar a fé cristã em seu reino na língua eslava. A escolha recaiu sobre os dois irmãos já que eles, sabendo a língua eslava, pareciam melhor preparados para tal missão. Cirilo foi encarregado da missão.

Muitos anos antes Cirilo recebeu uma convocação para a Morávia, ele tinha inventado um alfabeto para a língua eslava, adaptando as letras do alfabeto grego para a língua eslava adicionando independentemente caracteres que a língua grega não tinha. Cirilo também começou a traduzir a Bíblia para a língua eslava. Para os morávios, ele também traduziu a Missa Ocidental para a língua deles.

Os habitantes da Morávia e Panônia estavam felizes em receber Cirilo e Metódio; agora pela primeira vez eles estavam aptos a escutar os serviços divinos em sua própria língua. Contudo, os missionários alemães de Rito Latino foram hostilizados por eles porque eles mantinham a santa liturgia como tinha sido celebrada em hebraico, grego e latim. Por esta razão, eles não desejavam reconhecer o uso da língua eslava na Liturgia. Embora a Santa Sé tivesse sancionado a missão dos dois irmãos e o uso da língua eslava na Liturgia, não obstante, eles e seu discípulos encontraram muitos obstáculos, e até mesmo a perseguição aberta dos bispos latinos da região. O papa Adriano II, em 869, consagrou Metódio como arcebispo da Morávia. Enquanto isso, Constantino foi para Roma onde ele entrou no mosteiro grego, assumindo o nome Cirilo; e lá ele morreu no dia 14 de fevereiro de 869. São Metódio morreu na Morávia, no dia 06 de abril de 885. Após a morte de Metódio, seus discípulos, sob pressão da Igreja Latina, foram forçados a deixar a Morávia e se mudar para a Bulgária onde eles continuaram seu trabalho missionário.

Cirilo e Metódio – Fundadores do Rito Eslavo

Os santos Cirilo e Metódio foram enviados pela Divina Providência para as nações eslavas. O renome imortal deles entre os eslavos é devido ao fato de que eles criaram o Rito Eslavo. Historiadores destacam a sabedoria dada por Deus a são Cirilo, que ele não seguiu o costume que privilegiava o uso somente das línguas grega e latina na Liturgia. Ele firmemente manteve o princípio de que o Senhor Deus pode ser adorado em todas as línguas, e por isso, resolveu dar aos eslavos a Sagrada Escritura e a Liturgia em sua língua nativa. Pela introdução da língua eslava na Liturgia, Cirilo e Metódio se tornaram os fundadores e criadores do Rito Eslavo. Mais tarde, os búlgaros tomaram os livros litúrgicos eslavos dos morávios e os adaptaram em sua própria língua, e a Rus’-Ucrânia, por sua vez, dos búlgaros. Assim a língua búlgara se tornou o idioma eslavo-eclesiástico.

O historiador ucraniano, M. Chubatyy, concede uma atenção especial para a importância da língua eslava em nosso rito, para nosso povo e para a antiga Rus’ de Kyiv: “Até hoje, nenhum lugar tem o cristianismo de Cirilo e Metódio, com um Rito Eslavo separado, sobrevivendo como uma entidade da Igreja nas terras eslavas. Todavia, esta primeira tentativa de criar um Rito Eslavo separado, para introduzir o eslavo como uma língua litúrgica, e criar um alfabeto eslavo especial e escrita teve uma enorme influência na vida religiosa e cultural, não tanto entre os eslavos ocidentais, entre quem os apóstolos trabalharam, mas entre os eslavos do Oriente e do Sul. São Cirilo e Metódio pavimentaram o caminho para o idioma eslavo se tornar uma língua litúrgica, mesmo que nem o Rito Eslavo, nem o eslavo glagolítico tenham sobrevivido. Os búlgaros, usando o alfabeto cirílico, criaram pelos discípulos de Cirilo e Metódio na Bulgária com a origem, e a combinação com o idioma eslavo-eclesiástico do dialeto macedônico no qual a Bíblia e os livros litúrgicos foram traduzidos, começaram a construir este idioma eslavo-eclesiástico que era tão próximo aparentemente da língua búlgara, na literatura, e toda a sua vida espiritual, religiosa, eclesiástica e nacional. Ao lado da Bulgária e da Sérvia ao Sul, o antigo Estado do povo ucraniano, a Rus’ de Kyiv, também construiu toda sua vida espiritual neste idioma eslavo-eclesiástico, adaptando-o para as peculiaridades da língua do povo da Rus’-Ucrânia… A língua nacional da Rus’-Ucrânia naquela época não é precisamente conhecida por nós. Contudo, este idioma eslavo-eclesiástico que esteve em uso na Igreja, escritórios administrativos da Rus’-Ucrânia, e finalmente na literatura, passou através do filtro da experiência da grande Igreja da Morávia e criou raízes na Rus’, e se tornou a língua oficial da Rus’ ou o idioma ucraniano antigo… Na Rus’ ele sustentou o eslavo eclesiástico, que na Europa Oriental, substituiu o latim medieval do Ocidente, era o idioma da Rus’, a escrita rutena, e as traduções rutenas da Sagrada Escritura e dos livros litúrgicos”[1].

A grande importância e os mérito de são Cirilo e Metódio para os povos eslavos é enfatizada na liturgia da solenidade. Aqui, nossa Igreja os louva como “iluminadores dos eslavos”, “isoapóstolos”, “apóstolos e primeiros bispos dos eslavos”, “zelosos promotores de piedade”, “doces instrumentos musicais do Espírito Santo”, “genuínos pilares e fundamentos da Igreja, trombetas dos divinos ensinamentos de Cristo”, “águias do alto, e trabalhadores da vinha de Cristo”, “ilustríssimos luzeiros”, e “bons pastores”. Os méritos deles e importância para os eslavos são belos os louvores no hino secional do serviço das Matinas da solenidade: “Possam as etnias eslavas se alegrarem hoje. Elas estão esplendidamente celebrando a sagrada memória dos sábios bispos. Através deles, nós agora celebramos a Divina Liturgia e todos os serviços da Igreja em nossa nativa língua eslava e através desta liturgia eles deram para nós uma inexaurível fonte de água espiritual que jorra para a vida eterna. Livremente bebemos dela, nós nunca devemos cessar de vos exaltar, Cirilo e Metódio. Agora que vós estais felizes na glória dos santos, rogais para que nossas almas sejam salvas”.

O Culto a Cirilo e Metódio em Terras Eslavas

As nações eslavas começaram a venerar seus santos apóstolos imediatamente após a morte deles. No dia 14 de fevereiro a memória da morte de são Cirilo era observada e no dia 06 de abril a morte de são Metódio. Os menaions da nossa Igreja do século XII têm o serviço de são Cirilo no dia 14 de fevereiro e no dia 06 de abril a solenidade em honra de ambos. Nos tempos antigos, a memória deles era honrada por todas as nações eslavas. Com o passar do tempo, contudo, e por causa de várias circunstâncias históricas e políticas, os nomes deles foram lentamente caindo no esquecimento.

Com o reavivamento das nações eslavas no século XIX, a memória dos primeiros mestres dos eslavos foi reavivada. O Sínodo da Igreja Russa em 1863, na ocasião do milênio do Evangelho Eslavo, decretou que a memória de ambos os apóstolos dos eslavos fosse observada no dia 11 de maio. Em 1885, na ocasião do milênio da morte de Metódio, o mesmo sínodo decretou que nas orações da Lítea, no cânon das Matinas, e nas despedidas, assim como nas orações em que os nomes dos mestres universais fossem lembrados, os nomes de são Cirilo e são Metódio também fossem lembrados imediatamente após o nome de são Nicolau. Este Sínodo também elevou a solenidade de são Cirilo e Metódio para um nível mediano celebrada no dia 11 de maio, uma solenidade que pudesse ter uma noite completa com serviço de vigília; finalmente, ele decretou que no aniversário de morte de são Metódio, no dia 06 de abril, um serviço de muito misericordioso fosse celebrado. Em 1863 e 1885, um livro especial foi publicado contendo os serviços em honra de são Cirilo e Metódio.

O Sínodo de Lviv prescreveu que a memória de são Cirilo e Metódio fosse observada em 5 de julho porque o papa Leão XIII em seu decreto de 30 de setembro de 1880, ordenou toda a Igreja Católica a comemorar nossos santos apóstolos neste dia.

A Sé Apostólica, ao revisar nossos livros litúrgicos nos anos 1940, restaurou a antiga prática de nossa Igreja de considerar em nosso Calendário Eclesiástico a celebração do dia da morte de são Cirilo em 14 de fevereiro, e da de são Metódio em 06 de abril, com sua comum solenidade no dia 11 de maio.

[1] CHUBATYY, Mykola. História do Cristianismo na Rus’-Ucrânia. v. I, p. 116-118

Fonte: KATRIY, Yulian Yakiv. Conheça o seu rito: o ano litúrgico da Igreja Greco-Católica Ucraniana. Roma: PP. Basiliani, 1982.

Pe. Yulian Yakiv Katriy, OSBM
(1912 - 2000) Doutor em Filosofia e autor de diversos livros.

Lorem ipsum..

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.