Santo Tomás de Aquino e os poderes da alma

Santo Tomás refere-se à pessoa humana como o horizonte da criação, o encontro do céu e da terra. Então, somos seres compostos, almas corporificadas com uma composição complexa.

No entendimento de Aristóteles e Santo Tomás, a alma é exatamente o que faz um ser vivo estar vivo. Anima ou informa o corpo. Além disso, a alma é o princípio de nosso compromisso com o meio ambiente. É a sede de nossas atividades vitais. Inicia essas atividades por meio de poderes. Poder aqui significa simplesmente capacidades ou faculdades da alma. Isso parece difícil, mas na verdade é bastante intuitivo. Aristóteles e Santo Tomás identificam primeiro as atividades vitais que o homem compartilha com todos os seres vivos. O que significa ser animado ou vivo no sentido mais básico? Aqui, podemos identificar os poderes de crescimento, nutrição e reprodução. Por estes, um ser vivo trabalha para alcançar algum tipo de florescimento, atingindo sua estatura total, perpetuando sua existência corporal e, em seguida, entregando a vida.

Subindo um degrau na escada do ser, podemos considerar em seguida os poderes que o homem tem em comum com os animais. Aqui podemos identificar os poderes do movimento, a percepção dos sentidos ou o conhecimento dos sentidos e o apetite dos sentidos. Temos cinco sentidos exteriores: visão, audição, olfato, paladar e tato. Também temos quatro sentidos interiores. Então, falamos do senso comum, que coordena o conhecimento sensorial, a imaginação, que fornece imagens sensoriais, o poder de estimativa, que funciona como a razão animal, e depois a memória sensorial, que armazena as impressões sensoriais. Toda essa entrada pode ser classificada como cognição dos sentidos ou conhecimento dos sentidos. Mas nosso envolvimento com os objetos desses poderes não termina em saber. Quando reconhecemos algo como bom para nós, tendemos a desejá-lo. E quando reconhecemos algo tão ruim para nós, tendemos a evitá-lo.

Essa capacidade de perseguir o que sentimos é amável e fugir do que sentimos ser odioso, chamamos de apetite dos sentidos. Às vezes, essa faculdade é dividida nas diferentes respostas emocionais que a compõem. Portanto, temos paixões simples ou concupiscíveis. Aqui pensamos em amor, desejo, prazer, ódio, aversão, tristeza. E temos paixões mais complexas, ou o que chamamos de paixões irascíveis. Isso seria esperança, desespero, ousadia, medo e raiva. Subindo outro degrau, chegamos ao ápice de nossos poderes, e o que nos diferencia dos animais, isto é, intelecto e vontade.

O intelecto é nossa faculdade de cognição imaterial. É a faculdade com a qual apreendemos a verdade, julgamos e raciocinamos sobre ela. Nossa vontade é nosso apetite intelectual. Quando apreendemos algo tão bom para nós, nossa vontade nos inclina para isso. A vontade é a sede da intenção e da escolha. Ela é tomada pelo intelecto, o que é mais distinto, excelente e digno no homem.

Se você gostou deste post, não deixe de compartilhar com seus amigos e de se conectar conosco em nossas redes sociais.

Fonte: The Thomistic Institute.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Open chat