A POSSIBILIDADE E A CONTEMPLAÇÃO DA VERDADE NO PENSAMENTO DE AGOSTINHO DE HIPONA

Autores

  • Antonio Eduardo Pereira Pontes Oliveira

Palavras-chave:

Agostinho de Hipona, Gnosiologia, Felicidade, Verdade, Contemplação

Resumo

A inquirição que aqui se pretende é a exposição concisa dos fundamentos da gnosiologia agostiniana. Agostinho (354-430) parte da constituição ontológica do homem, criado à imagem e semelhança de Deus. Nesta procura e baseado na definição joanina de que “Deus é amor”, depois de grande esforço intelectual, encontra na tríade memória-inteligência-vontade a impressão da imagem divina na mente humana, afinal aquilo que assemelha o humano e o divino é a dimensão mais alta da pessoa (sua mente). Neste sentido, “recordar”, que se identifica com conhecer, não consiste em um processo de criação, mas de descoberta. Por conseguinte, a verdade é inquirida pelo homem, não criada. A Verdade identifica-se, em última instância, com o próprio Deus. Neste processo, Agostinho distingue a “razão inferior” e a “razão superior”, que é aproximação das ideias divinas no auge da mente humana. Esta “participação” na “razão eterna” só pode sê-lo pela infusão na criatura pelo próprio Criador, isto é, pela iluminação, ponto culminante da teoria do conhecimento agostiniana. Em uma visão mais ampla, toda a existência humana, ser-conhecer-amar, ontologia-gnosiologia-ética, é “iluminada” e sustentada por Deus. Daí que a liberdade, para Agostinho, consiste na vida de acordo com a natureza.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

OLIVEIRA, Antonio Eduardo Pereira Pontes. A POSSIBILIDADE E A CONTEMPLAÇÃO DA VERDADE NO PENSAMENTO DE AGOSTINHO DE HIPONA. Helleniká - Revista Cultural, Curitiba, FASBAM, v. 5, n. 5, p. 9–29, 2023. Disponível em: https://fasbam.edu.br/pesquisa/periodicos/index.php/hellenika/article/view/503. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos