O MUNDO COMO VONTADE E COMO REPRESENTAÇÃO SEGUNDO A FILOSOFIA DE ARTHUR SCHOPENHAUER

Autores

  • Lucas Lessa
  • Irineu Letenski

Palavras-chave:

Representação, Vontade, Mundo, Sujeito, Sofrimento

Resumo

O presente artigo, tem por objetivo, analisar como o filósofo alemão contemporâneo Arthur Schopenhauer compreende o mundo como vontade e como representação, visto que é este o título de sua obra magna e também toda a base de seu pensamento. Considerado por muitos um filósofo pessimista, Schopenhauer desenvolvera sua teoria, entendendo o mundo como uma representação do sujeito, donde quebra o paradigma de muitos sobre a discussão do idealismo e realismo, compreende que ambos fazem parte do conhecimento, mas o mundo é representação do sujeito, visto que a essência íntima do mundo não se pode conhecer empiricamente. Posteriormente, o filósofo transcorre sobre o mundo ter por essência íntima aquilo que Kant denominou númenon, em Schopenhauer entende-se por vontade, a mesma que sendo cega e irracional dá todo o sentido ao mundo, mas faz o mesmo ser um sofrimento e o homem viver neste vale de lágrimas.

Downloads

Publicado

2021-04-25

Edição

Seção

Artigos