RAZÃO E FÉ NA ESCOLÁSTICA

O PROBLEMA DA INFIDELIDADE INDÍGENA

Autores

  • Noeli Dutra Rossatto

DOI:

https://doi.org/10.35357/2596-092X.v4n8p87-101/2022

Palavras-chave:

Tomás de Aquino, Antônio Ruiz de Montoya, Escolástica, Fé, Razão

Resumo

Este texto discute o problema da infidelidade na escolástica medieval e sua retomada pela escolástica colonial. O ponto de partida é a questão da relação entre fé e razão na escolástica de Tomás de Aquino (s. XIII), destacando especialmente a perspectiva de defesa da fé católica frente as demais crenças, como o judaísmo e o islamismo, e as próprias variantes interpretativas do cristianismo, como os cátaros e o averroísmo. O coroamento desta perspectiva interpretativa é a subordinação da razão à fé. Daí a conclusão inusitada: infiéis são aqueles que professam outra fé que não a católica. Por fim, faz-se um breve inventário da atribuição de infidelidade aos indígenas por Antônio Ruiz de Montoya (XVII). Entendemos que o jesuíta não atribui a infidelidade com base no pressuposto de que os indígenas conheciam e depois abandonaram a mensagem cristã (tese do involucrum), o que os tiraria da condição de ignorantes invencíveis. A infidelidade está especialmente vinculada ao abandono de dois sacramentos: o batismo, no lugar do qual persistiam as antigas práticas da idolatria e da antropofagia; e o matrimônio monogâmico, sem o qual se voltava à poliginia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-06-05